Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Filosofia e Poesia - Por General Pacheco de Queiroz

Capa do Livro: Travos em Trovas, 1973 - Autor: Kosciuszko Barbosa Leão

Sob esse título, o Jornal do Comércio, de 21 de fevereiro findo, traz, assinado pelo conhecido crítico literário Modesto de Abreu, da Academia de Letras da Guanabara, um artigo sobre os livros Alma e Deus e Travos em Trovas, do nosso conterrâneo Kosciuszko Barbosa Leão, do qual transcrevo este trecho inicial:

“Poeta dramaturgo e filósofo, Kosciuszko Barbosa Leão publicou recentemente dois belíssimos trabalhos, um em verso, o outro em prosa. Este último intitula-se Alma e Deus e, conforme o título indica, desenvolve temas transcendentes sobre os problemas máximos do conhecimento humano, quais sejam a imortalidade da alma e a existência do ser supremo, a quem se atribui a criação de todas as coisas, além de discutir com profundidade e notável extensão de saber, a questão, sempre controvertida, da classificação das ciências. Quando ao trabalho de natureza poética, trata-se de uma sugestiva e variada coleção de trovas, que vem alinhar seu autor entre os nossos autênticos trovadores”.

Sobre essas trovas, escreve o festejado homem de letras: “O que as caracteriza em geral, seja qual for seu significado particular, é o mesmo savoir faire, sintetizado na fluência do verso, na espontaneidade da rima e no espírito adequado à expressão de cada tema”. E o crítico transcreve várias das trovas, por ele qualificadas como “todas modelares”.

A respeito do livro Alma e Deus, o articulista, aludindo, de ligeiro, às metas metafísicas, declara ater-se à classificação comteana das ciências, para a qual – diz, referindo-se ao criticado – “nosso erudito e arguto filósofo propõe a intercalação necessária de uma ciência, que o fundador do positivismo não levou em conta” etc. E acrescenta: “A ciência posta em relevo por Kosciuszko Barbosa Leão, para ser encaixada entre as sete propostas por Augusto Comte, é a psicologia”. A psicologia, para uma corrente de filósofos – esclarece o notável escritor em sua crítica – é “esse elo necessário entre a ciência dos seres vivos em geral e a ciência das sociedades humanas”, isto é, a biologia e a sociologia. E conclui o crítico: “Kosciuszko Barbosa Leão coloca-se sob esse último ângulo. E coloca-se bem. Embora me coloque em outro ponto de vista”.

Confessa, assim Modesto de Abreu a sua filiação ao Positivismo, de que, aliás, é sabidamente grande devoto. É, portanto, insuspeito o seu honroso pronunciamento sobre o livro Alma e Deus.

Aproveitamos a este ensejo para informar que Kosciuszko Barbosa Leão tem pronto para o prelo, um livro de versos filosóficos e líricos sob o título Meu Inverno – coleção de poesias publicadas no Correio da Manhã, no período de 942 a 944. E promete outro livro de trovas, ora em preparo. Dessa nova produção transcrevemos, por sua oportunidade, três amostras:

 

Primeiro de abril

É, como os outros, um dia

De engano e desenganos,

Em que se busca alegria,

Falaz em todos os anos.

 

Revolução de 64

Contra tanto mal esparso,

Norte a sul deu o Brasil

Remédio em trinta e um de março,

Não no primeiro de abril.

E, porque Minas foi o berço dessa Revolução redentora, cabe aqui mais esta trova, contraditória de um princípio de razão, com um argumento de razão:

É maior o conteúdo

Que o continente e há razão:

O Espírito Santo, em tudo,

Tem Minas no coração.

 

Fonte: Jornal A Gazeta – 03/05/1974 Pág 23
Autor: D. Pacheco de Queiroz
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2014



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Lembranças Inapagáveis - Isaías Ramires

Lembranças Inapagáveis - Isaías Ramires

Outra lembrança muito forte que conservo daqueles saudosos tempos, é a da Semana Santa, com a procissão, na sexta-feira, do "Senhor Morto", com o encontro, nas proximidades da Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os points da Praia da Costa

Sua origem em nossas praias se deu com veemência na Praia de Copacabana. Os postos viraram “points”. Logo, essa tendência se espalhou pelas praias brasileiras

Ver Artigo
D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa imperava em toda a sua imponência no casarão misterioso que permanecia quieto e silencioso sem chamar a atenção e não ser da garotada curiosa e das fofoqueiras que, através das persianas das casas fronteiriças, vigiavam sorrateiras o entra-e-sai de “pessoas ilustres” e cheias de dignidade

Ver Artigo
Sobre Paulo Torre, uma semana depois de sua morte

Nosso último encontro foi na quarta-feira, dia 11 de outubro de 1995, seis dias antes de sua morte, um dia depois da de Amylton de Almeida, que o abalou muito

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo