Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Fisco e comércio no Rio Doce – Silva Pontes

Capa do Livro: História do Estado do Espírito Santo, 1951 - José Teixeira de Oliveira

E assim se explica por que duas atitudes opostas tendiam ao mesmo fim: até então, o governo proibira a abertura de caminhos para evitar o extravio de ouro, agora de próprio tomava a iniciativa de estabelecera via de comunicação para poder, mais facilmente, policiar o tráfico de pedras e metais preciosos. Para tanto, instalou, no Espírito Santo, os quartéis deLorena, da Regência e do Sousa(8) – este onde “se termina a navegação fácildo oceano... comandado por um alferes de linha, um cadete, um cabo, edez soldados de linha; um cabo de pedestres(9) e vinte soldados; uma peça de artilharia de três, montada em carreta de ferro, municiada de pólvora, bala emetralha, o quartel defensado com estacada”.(10)

Duas finalidades eram atribuídas aos destacamentos militares: apoiaras exigências do fisco e assegurar um ambiente de garantia para o comércio direto entre Minas Gerais e a Europa(11) idéia generosa que Silva Pontesacalentava com otimismo, conforme tão eloqüentemente o atesta o auto dedemarcação.

Resta salientar que todo aquele aparato militar visava, preferentemente,a evitar as surpresas dos índios que habitavam a região.

O entusiasmo de Silva Pontes pelas possibilidades da navegação do Doce – o Nilo Brasiliense, conforme denominação de Francisco Manuel da Cunha(12) – levou-o a estudar o curso desse rio e seus afluentes e fazer-lhe o levantamentodesde a foz até a cachoeira das Escadinhas, “sendo esse o primeiro trabalhotopográfico que se executou na Capitania”.(13)

Logo ao regressar a Vitória, dando conta da missão ao governador daBahia, Silva Pontes escreveu, cheio de entusiasmo: “Só o distrito desta novaCapitania das cachoeiras para baixo do Rio Doce forma a mais bela provínciadas marítimas do Brasil”. (I)

 

NOTAS

(8) - “...fundou o quartel de Lorena dando-lhe este nome por deferência ao capitão general Bernardo José de Lorena; o do porto de Sousa, assim denominado em atenção aoministro D. Rodrigo de Sousa Coutinho, e na barra do Rio Doce o da Regência Augusta, emhonra e consideração ao príncipe regente” (RUBIM, Memórias, 263).

– Silva Pontes alude, também, ao destacamento de S. Fernando Portugal, silenciado por todos os memorialistas. Ver nota I deste capítulo.

(9) - O Corpo de Pedestres foi criado a quatro de abril de 1800 (RUBIM, Memórias,168).

(10) - Auto de demarcação de limites, in RIHGB, XIX, 193-4.

(11) - “Mais importante que todas estas novas vias de penetração do litoral para Minas,é a do Rio Doce. Ela ocupa seriamente a administração pública porque, geograficamente, é de fato pelo Espírito Santo, e não pelo Rio de Janeiro, a saída natural da Capitania. Contingências políticas e interesses fiscais, mais tarde o fato consumado, mantiveram até hoje o primitivo percurso aberto por Garcia Rodrigues. Mas a topografia, a praticabilidade e a menor distância apontam claramente para o vale do Rio Doce” (CAIO PRADO, Formação, 244).

(12) - Navegação, 4-7.

(13) - PENA, História, 89.

– VERÍSSIMO COSTA informa: “foi esta carta continuada por seu sobrinho [dele,Antônio Pires da Silva Pontes], o alferes Antônio Rodrigues Pereira Taborda, até as origensou cabeceiras, em Minas Gerais” (Viagens, 215). – DAEMON registrou “Antônio PereiraRodrigues de Taborda” (Prov. ES, 206).

– MISAEL PENA atribui a Silva Pontes a construção de “uma pequena estrada” queligaria entre si os diversos quartéis estabelecidos junto ao rio Doce (História, 89).

I  -

“A notícia de se achar V. Ex. incomodado na sua preciosa saúde foi o detrimentomaior, que experimentei na minha digressão às Escadinhas e como agora sei, que V. Ex.está restabelecido, vou com o maior prazer fazer presente a V. Ex., que estão fora todos osobstáculos da Barra do Rio Doce e das correntezas dele e que por mercê de Deus inda semcontar com um só efeito do precioso das Minas Gerais, só o distrito desta nova Capitania dascachoeiras para baixo do Rio Doce, forma a mais bela província das marítimas do Brasil.

O rio é majestoso, desde que passa as serras das ditas Escadinhas e tem de comum um terçode légua de largo, povoado à profusão de Ilhas, que não alagam pelas enchentes. A margem denorte é toda de terra levantada coberta de arvoredo de construções. A do sul de várzeas e tabuleirosfrescos. As árvores revestidas de trepadeiras, que fazem as mais pitorescas imagens da fecundidade.Os rios, que vêm ter ao Capital do Doce e o grande lago do Giparanã, tudo isto forma um tesourodaquelas riquezas, que não acabam enquanto durar o braço do homem. O Exmo. Sr. Bernardo JoséLorena (Governador de Minas Gerais), pelo seu notório patriotismo, pretendeu vir em pessoa, porém,por falta de saúde, mandou um tenente-coronel de cavalaria miliciana, com o qual ajustei, havendooV. Ex. por bem, a divisão pelo outeiro, que separa as águas do rio principal de Sousa ou Guandudas do Mainaçu. Tudo fiz com os pedestres, que levam a pistola pronta no correão e o remo nasmãos. Ficou destacamento forte e aprazível no Porto de Sousa e na boca mais boreal do Giparanã,que chamam Barra Seca está o de S. Fernando Portugal; e assim ficam defesos os extravios do ouroou diamantes, que tanto recomendam as instruções, que tive ordem de apresentar a V. Ex. e ter ocumpra-se delas. Assim tenho concluído a minha comissão.

A terra está defensada com trincheiras respeitáveis; a barra condada e reconhecida,assinados postos como se faz nas naus de S. A. R. a uma soma de homens, que tinham achadoo segredo de honrar-se com postos militares, para não servirem, nem nas milícias, nem nasordenanças; cada corpo destes fazia um estado maior e inútil ao real serviço. O Rio Doce de quese tinha informado a V. Ex. a impraticabilidade, se achou qual se tem achado, franco e bom; euma lancha, que lhe saltou vento à proa, encostou com 22 palmos de fundo e nem um só grãode farinha se molhou, e ela se lançou outra vez ao mar e aqui está recolhida a salvo. Só nãotenho podido evitar os assassinos, pela mistura ou mistifório das justiças do Rio de Janeiro emilitar da Bahia. Na minha ausência fugiram da cadeia horríveis criminosos de morte e roubos,que tinha feito apreender.” (Do ofício de SILVA PONTES para o governador da Bahia, dedezesseis de novembro de 1800, in ALMEIDA, Inventário, IV, 293-4).

– Lê-se em OLIVEIRA LIMA: “A canalização do Rio Doce e a franquia da Provínciade Minas Gerais ao comércio universal por essa via fluvial, pomposamente anunciadas pelogovernador do Espírito Santo, Eschwege as reduz ao seguinte: o governador carregara de salalgumas canoas que com extrema dificuldade subiram o Rio, sendo as canoas e a carga postasem terra vinte e três vezes a fim de contornar as cachoeiras, e sofrendo a gente da expediçãoos ferozes ataques dos botocudos. Chegadas as canoas a Minas, após mil perigos, vendeu-seo sal, carregou-se algum algodão e iniciou-se a jornada de regresso com os mesmos riscos, aoponto de ninguém mais se abalançar a semelhante cometimento, batizado solenemente deabertura da navegação para Minas Gerais” (Dom João VI, II, 789).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

A chegada do Donatário e a recepção por parte dos índios

A chegada do Donatário e a recepção por parte dos índios

O primeiro contato com a terra revelou os tropeços que aguardavam aquele pugilo de aventureiros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo