Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Fonte Capichaba

Revista Vida Capichaba Nº 497

Em 12 de fevereiro de 1828, pelo Governador da Província do Espírito Santo, Caitano Pinto de Miranda Montenegro, Visconde de Praia Grande, foi mandado construir a “Fonte Capichaba”, que na época escrevia-se: Capixaba.

Não passava de simples encanamento, aqueduto, que por muito tempo serviu, até que, o governo Felipe José Pereira Leal, em 1850, declarava em relatório de que “Conclui se o chafariz da Capichaba”, que em vez de fonte, passava a ter uma nova determinação e este governo alterou a planta, sendo erguido o que, até hoje se vê, e podendo-se dizer que a fonte é sem nenhuma dúvida, de 1882.

Essa fonte encontrava-se naquela época, fora do perímetro da cidade.

Como sempre aconteceu, a ilha de Vitória que primeiramente foi “Santo Antônio” seguindo-se “Duarte Lemos” depois “Cidade Nova” e por último em 8 de setembro de 1551, começou a ter o nome de “Vitória”, confirmando em 2 de março de 1822, que até hoje conservada, pois sempre teve falta de água. O governador procurava captar de pequenos mananciais e insuficientes para a população fato este, até os nossos dias se repete na grande estiagem, apesar dos vultuosos gastos nos serviços de canalização da água para a cidade, principalmente nos anos de 1912,1924 e 1936, dado o crescimento progressivo da população e indústrias.

Junto à fonte Capichaba, em 1848, pelo governador Luiz Pedreira da Costa Ferraz, foi mandado construir uma fonte para lavagens de roupas, que serviu por muito tempo, e no governo de Sebastião Machado Nunes em 1855, sofreu a reforma dos encanamentos.

Coube ao governo interino, em 1878, 2 de dezembro, Alfeu Adelfo Monjardim de Andrade e Almeida mais tarde Barão de Monjardim mandar construir anexado a fonte, uma casa adequada para banhos frios, assistindo a inauguração e não recebia da população nenhuma indenização, apesar de haver guarda da casa.

Tudo desapareceu...o frontispício da fonte permaneceu...

De várias fontes que existiu em Vitória, conservam-se ainda obra do passado, a do “Moscoso” de 1888 e a Capichaba de 1828.

Várias investidas foram dadas para demolição total do que o tempo conservou da fonte Capichaba, principalmente no governo do Dr. Florentino Avidos, para que, no local fosse concedido os terrenos para construção e o governo num belo gesto de conservação do nosso passado, negou a pretensão depois de vários considerandos.

A Prefeitura Municipal, já teve também o mesmo desejo. Condenou a fonte, preparou o “batalhão” dos camartelos, mas o destino protegeu...

A palavra e os clamores do Dr. Olinto Aguirre, verdadeiro batalhador das cousas antigas, incansável para a conservação do nosso passado, muito tem feito e aliado a boa vontade do prefeito Municipal Dr. Américo Monjardim, está sendo reerguida a “Fonte Capichaba” que pelas mãos do Dr. Laurentino Proença, com as características do passado, tudo tem feito para permanecer tal qual a história a conservou, e estando de há muito jorrando água, onde gerações e gerações de Vitória, foram em outros tempos, numa forma de devoção apanhar a encantada água que a velha lenda diz: “Quem bebe água na fonte da Capichaba, não sairá de Vitória” e é uma verdade...

 

Autor: F. Eujenio de Assis
Fonte: Revista Vida Capichaba, Vitória 15/03/1940 - Nº 497 Ano XVIII
Compilação e Escaner: Walter de Aguiar Filho, julho/2011

 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Banda de Música da PMES: História e estória

A Banda de Música da PMES: História e estória

Demoner, na obra sobre a História da PMES (1985), relata: "desde a sua criação em 1840, a banda de música da PMES sempre abrilhantou as grandes festividades, como a chegada do Imperador D. Pedro II a Vitória em 1860 e os festejos com o término da Guerra do Paraguai" (p.131), sem citar a fonte e a data...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo