Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

A morte de Duclerc foi considerada pelo Governador Francisco de Castro Morais à algum tipo de vingança particular, provocada por aventuras amorosas de Duclerc.

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro. Espiões portugueses puderam dar ciência à Coroa dos preparativos da expedição, em Rochefort e Brest, notícia logo transmitida ao Brasil. Sem perda de tempo, o governador geral determinou a remessa, para o Espírito Santo, de “vinte peças de Artilharia, outras tantas carretas com armas de fogo de pederneira, patronas, cartucheiras, frascos de couros, e tudo o mais necessario, quarenta quintaes de polvora, a balaria competente, assim para a Artilharia como para as espingardas e trinta arrobas de murrão”, pois a capitania “se achava destituída de tudo o que conduzia para a sua defesa” e era “de maiores consequencias para qualquer empresa, por ter bom porto de mar para navios de toda a sorte, donde facilmente se pode introduzir alguma comunicação com as Minas”.(40)

Repetiram-se as correrias no ano seguinte, quando Duguay-Trouin se apoderou do Rio de Janeiro, acudindo a administração geral ao Espírito Santo com vultoso material de guerra,(41) além de um capitão-engenheiro(42) e um mestre de campo(43) para o governo das armas.

 

NOTAS

(40) - DH, XXXIV, 327-8.

(41) - “200 arrobas de pólvora, 300 espingardas com suas baionetas, 300 frascos, 300 polvarinhos, 300 patronas, 10 quintais de pelouros que digam nas armas, 600 balas pederneiras, 20 arrobas de morrão, 600 balas de calibre dezoito, 100 picaretas, 20 marrões para quebrar pedra com suas cunhas grandes e pequenas, 24 marrachos, 24 enxadas, 100 pás” (DH, LIII, 103-4).

(42) - Gaspar de Abreu (DH, LIII, 108-9). Recebeu ordem de se recolher à Bahia pouco depois de chegar ao Espírito Santo (DH, LXX, 120).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, agosto/2017

História do ES

Saint-Hilaire nos “Passos de Anchieta”, em 1818

Saint-Hilaire nos “Passos de Anchieta”, em 1818

A expedição de Saint-Hilaire partindo de Benevente em direção a Meaipe, Perocão, Ponta da Fruta, Barra do Jucu, Vila Velha e Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
Jesuítas no Espírito Santo

Em 1549 partiram da Bahia – escalaram no porto da “povoação do Espírito Santo” Leonardo Nunes e Diogo Jácome

Ver Artigo
Origem do nome das cidades do ES

Muitas vezes, por um simples motivo, surge a origem do nome de uma cidade, como por exemplo, o hábito dos moradores de tomar um cafezinho que, de tão ralo, mais parecia água doce. Daí veio o nome da cidade de Água Doce. E o nome da cidade de Águia Branca, de onde surgiu essa idéia? 

Ver Artigo
Araribóia X Villegagnon

Araribóia, comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon

Ver Artigo