Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Francisco Alberto Rubim faz a estrada para Minas

Fracisco Alberto Rubim

Francisco Alberto Rubim recebeu o governo de Albuquerque Tovar, sucessor de Silva Pontes.

O quadro seria desanimador para um homem fraco, mas representou um incentivo para a disposição forte de Rubim. Iniciou a cultura do café, da mandioca, do trigo, da amoreira, do linho, além de expandir os canaviais e os algodoais.

O esforço foi grande e bem aproveitado. O café ocupou as encostas do maciço ao sul do Rio Doce até a cota 300 e, um pouco menos densamente, entre as cotas 300 e 500.

Ao norte do Rio Doce, subiu às margens do Rio São Mateus até 80 quilômetros do mar em linha reta, ou 120 pelos caminhos de então.

O açúcar e a mandioca ficaram nas baixadas e, economicamente, cederam o lugar de frente à nova cultura.

O café subia pelas encostas do maciço do sul e descia pela quebrada oposta, estabelecendo novas frentes de penetração para o interior da região.

Era um novo ciclo na história econômica do Espírito Santo, depois da cana-de-açúcar e do ouro (este, apenas sofrido, passivamente). Emancipada a Capitania daquela espécie de tutela que, durante tanto tempo, a subordinara ao governo da Bahia, o Espírito Santo podia agora cuidar do seu destino.

Rubim providenciou a abertura de um caminho ligando a Baía de Vitória à Vila Rica (depois Ouro Preto), na Capitania de Minas Gerais. Iniciado em 1814, só em 1820 passou por ele a primeira boiada de Minas para o Espírito Santo. Foram providenciadas guarnições militares de três em três léguas para proteção aos viajantes, devido aos ataques dos índios botocudos.

A estrada nova de Rubim não atingiu os objetivos imaginados. Não conseguiu atrair a preferência do comércio. Acabou abandonada, sem serventia.

Alberto Rubim fundou a Santa Casa de Misericórdia de Vitória. Nas margens do Rio Doce, construiu um hospital. E elevou Itapemirim à categoria de vila.

O sucessor de Rubim foi Baltazar de Souza Botelho de Vasconcelos, que enfrentou período de grande agitação.

Estávamos às vésperas da independência e todos os anseios nacionalistas afloravam na defesa desse ideal. Em 1821, Dom João VI regressava a Portugal e o Brasil se achava em fase pré-revolucionária.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 23/09/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

História do ES

Revolta do Calhau

Revolta do Calhau

O Espírito Santo já teve seu Zumbi dos Palmares. O tropeiro, mascate e jagunço mineiro José Calhau decidiu pôr fim à tirania de um homem que odiava os negros no município de Santa Teresa, em 1898

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes, não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga

Ver Artigo
O Café é forte na economia capixaba - Por Gabriel Bittencourt

Introduzido no início do século passado, o café passou a ser a redenção econômica do Espírito Santo

Ver Artigo
D. Pedro II: além das festas, visita aos colonos imigrantes

A cidade toda engalanou-se para tão festivo acontecimento. Os Fortes de São João e de São Francisco Xavier dispararam suas baterias em continência militar 

Ver Artigo
Governador Silva Pontes tenta superar o atraso

Nomeado em 1798, Antônio Pires da Silva Pontes só a 29 de março de 1800 tomou posse como governador da Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Visitantes ilustres documentam a vida no ES

O cientista Saint Hilaire documentou a flora e a fauna. A equipe do príncipe Maximiliano gravou imagens preciosas de um mundo que acabou

Ver Artigo
Em 67 anos, Província do ES tem 96 Presidentes

A quantidade de governantes da Província do Espírito Santo, durante todo o período monárquico, é um indicador das dificuldades de administrar uma região que viveu à margem do progresso

Ver Artigo
Os Açorianos fundam Viana

Trinta casais de açorianos chegaram ao Espírito Santo no governo de Alberto Rubim. Iniciava-se a imigração européia para o Estado. Eram novos braços para ajudar nos trabalhos da lavoura

Ver Artigo
Domingos José Martins, a morte pela liberdade

Domingos Martins, próspero economicamente, queria, acima de tudo, a independência política de sua gente e participava ativamente das reuniões em que se discutia e planejava a Revolução da Independência, bem como a Proclamação da República

Ver Artigo
A independência do Espírito Santo se chama café

Todas as câmaras das Vilas do Espírito Santo aderiram imediatamente ao Imperador D. Pedro I

Ver Artigo