Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Gil Veloso

Gil Veloso residiu na casa da Rua Luciano das Neves esquina com a Rua Castelo Branco

Pela demonstração do seu amor por Vila Velha, sua terra natal, Antônio Gil Veloso tornou-se ídolo de todos. A cidade já contava com cerca de 30.000 habitantes, aproximadamente, e era notório o aumento da população. O prefeito Gil Veloso, que governou de 1955 a 1958, continuou a tarefa de calçar as ruas da cidade, trabalho que estendeu também aos bairros de Aribiri, Argolas e Coby. Na sede, prolongou a rua Antônio Ataíde, desde o Grupo Escolar Vasco Coutinho até o bairro Jardim Itapuã, e com isso deixava de existir a rua do Lixo.

Construiu o cemitério de Santa Inês, com área aproximada de 20.000 metros quadrados, e ampliou a necrópole do Bosque, em Coby. Ajardinou e construiu um playground na Praça Duque de Caxias. Fez aterro, construção, drenagem e calçamento na rua Francisco Lacerda de Aguiar, em São Torquato, de modo a evitar os constantes alagamentos provenientes do mangue próximo. Instituiu o comércio em feiras livres no município, prática adotada ainda hoje. Apoiou a construção da Maternidade Nossa Senhora da Penha, em Jaburuna. Lutou pela retomada das áreas de terra do município em poder do estado, após o misterioso desaparecimento do livro tombo do município, contendo a escritura do patrimônio territorial doado por Luíza Grinalda, quando sucessora de Vasco Coutinho Filho, seu marido. Criou a Divisão de Engenharia e Serviços Públicos, órgão técnico responsável pelo planejamento e desenvolvimento urbano. Reorganizou o sistema tributário com reformulação do Imposto Territorial Urbano. Em 25 de novembro de 1958, sancionou a Lei que devolveu o nome tradicional da cidade, que assim voltou a chamar-se, definitivamente, Vila Velha.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo, 1999
Autor: Jair Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010

* * *

Explica-se: Durante as duas vezes que a cidade foi anexada à Capital do Estado (de 1931 a 1934 e de 1944 a 1947), recebeu o nome de Distrito do Espírito Santo de Vitória. Somente a partir de 1958, graças a iniciativa de Gil Veloso, a cidade passou a ter o nome oficial de Vila Velha, de acordo com a lei municipal nº 404, de 25 de novembro de 1958.

Gil Veloso residiu na casa da rua Luciano das Neves, onde atualmente é o escritório Imobiliário de André Pimenta. Confira na foto ao lado.

 

Fonte: Vila Velha - Seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010

Personalidades Capixabas

João Calmon

João Calmon

A história dos predestinados há de ser sempre uma competição entre os desafios vencidos e os próximos que estarão sempre por acontecer

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carlos Augusto de Azevedo

O seu maior objetivo pessoal é vencer sempre, para orgulho próprio e da família

Ver Artigo
Fued Nemer

Exerceu a advocacia durante muitos anos nas Comarcas de Castelo, Cachoeiro do Itapemirim, Muniz Freire, Alegre e outras

Ver Artigo
Arnaldo Soares Pagani

ARNALDO SOARES PAGANI, por exemplo, nasceu em Colatina, município cujo desbravamento influiu decisivamente para a penetração da civilização rumo ao norte do Estado

Ver Artigo
Ayval da Luz

AYVAL DA LUZ, como sócio e diretor acionista da “Transportadora Colatinense S/A", pode ser incluído na categoria daqueles empresários empenhados em sua batalha diária 

Ver Artigo
Egydio Antônio Coser

Os caprichos do destino são realmente insondáveis. Ninguém melhor do que EGYDIO ANTÔNIO COSER para confirmá-lo

Ver Artigo