Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Glória e Garoto

Fábrica Garoto

Quem mora no bairro da Glória, em Vila Velha, tem muita história para contar: todos os dias, atividades rotineiras são marcadas pelo apito da Fábrica de Chocolates Garoto. No primeiro toque, é hora de ir para a escola. Ao meio-dia, hora do almoço.

Jocinéia Maria Carpes, moradora da Glória há 50 anos sabe bem disso: "Eu tento marcar meus compromissos, como o do dentista, em horários próximos aos do apito. Nunca perco a hora. Quando eu era pequena, tocava o apito e eu sabia que era hora do almoço. E continua assim até hoje."

Néia relembra ainda a infância, ao lado da fábrica, dos bombons no fim da tarde e da correria da garotada pelos arredores da fábrica.

Já Maria da Penha Rangel, que trabalhou por 26 anos na Garoto, caminha pelo bairro, conversa com um, bate papo com outro. E diz com emoção: "Que Deus abençoe a fábrica. Que ela continue bem, porque dela dependem muitas famílias daqui."

Segundo o presidente da Uniglória, Aureo Francisco Faé, Garoto e Glória tem uma união perfeita. "Além da parte econômica, já que a Garoto gera muitos empregos e, consequentemente os funcionários compram na Glória, muitos turistas visitam a fábrica e acabam conhecendo as lojas", revela.

 

Fonte: A Gazeta (16/08/09)

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Garoto: um pouco de história  
>> Garoto na memória

Matérias Especiais

Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo
Em Palácio – D. Maria Lindenberg

Procurei ser amável sem pieguice; elegante, sem os maneirismos da moda; firme sem teimosia

Ver Artigo
O casamento – D. Maria Lindenberg

Sentamos no banco, que rodeava o abacateiro, para apreciar o cair da noite e, pronto, aconteceu: Carlos me deu o maior beijo

Ver Artigo