Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guarapari de ontem

Guarapari - Anos 70 aérea - Estádio Davino Matos 70

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Guarapari de ontem, cheia de ruazinhas tranqüilas de barro, que se cobriam de regatinhos formados pela chuvarada de verão. Ah, que saudade! A Guarapari de hoje não tem mais ruazinhas tranqüilas onde se possam empoçar as chuvas de verão, que graças ao El Nino, à camada de ozônio e a tantos outros fenômenos meteorológicos, são cada vez mais raras !

Onde foram parar as rendeiras de outrora, de cabecinhas brancas e rostos enrugados, tão bem representadas pela Vovó Vitorinha ...

A renda de bilro não passa hoje de mera lembrança de um passado, não tão distante assim e, apesar de todos os esforços feitos para manter a tradição desse artesanato local, os segredos de sua confecção não passaram de geração a geração. Que pena !

"Em sua casa humilde, construída de taipa, com minúscula janela e porta de tábuas inteiras, quase nada havia. Quase nenhum móvel. Mas se alguém batia àquela porta era certo que se retiraria atendido a contento. Voltaria de lá trazendo o que desejava: mudas de plantas (jasmin, resedá, bogari, murta), um punhado de cheiro verde, colhido na hortazinha da casa, um pouco de urucum, um limão galego, um mamão em ponto de ser transformado em doces. O terreno era grande, estendia-se pela encosta de uma colina de cujo topo se descortinava o oceano largo. Na época das guabirobas, dos araçás roxos, das goiabas e das pitangas, as crianças acudiam em bandos, espantando os passarinhos que voejavam pelas árvores do pomar ..."

Casas humildes ainda existem, mas não mais construídas de taipa e sem janelas minúsculas, mas com reluzentes antenas parabólicas apontando para um céu, para o qual quase nunca se olha, por falta de ... tempo.

E de lá não mais se volta com mudas de plantas, um punhado de cheiro verde, limão galego ou mamão transformado em doces que, felizmente, e esperamos por muito tempo ainda, podem ser adquiridos na feira local, às quartas e sábados.

Terrenos grandes também já não existem e, só podemos descortinar o oceano largo, do último andar de um dos inúmeros edifícios que cercam nossas já tão ensombreadas praias.

Crianças em bandos não mais caminham, apenas voam, em cima de patins ou skates e só não espantam os passarinhos, porque estes já não voejam mais pelas árvores do pomar, que também não existe mais !

Se você, caro leitor, ainda se lembra do que é um pomar, deve concordar comigo que a fruta colhida no pé é muito mais saborosa ! 

Tempos que não voltam mais .... Quanta saudade !

Texto de: Magnólia de Aguiar - Moradora de Guarapari (19/03/2010).

Matérias Especiais

Homem... Mulher...

Homem... Mulher...

O homem é a mais elevada das criaturas;
A mulher, o mais sublime dos ideais.
Deus fez para o homem o trono;
Para a mulher um altar.
O trono exalta;
O altar santifica.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória era assim

Há cem anos atrás, a capital da província do Espírito Santo, muito embora já gozasse dos foros de cidade, não passava de um povoado 

Ver Artigo
Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte III (FINAL)

Constituição de 1934, não consagrando no seu art. 113, nº 3, aquela cláusula “em caso algum”, veio dar um grande passo para a situação atual em que a irretroavidade das Leis

Ver Artigo
Partido Republicano - Cisão

As divergências de interesses entre os grupos da elite capixaba ficaram nítidas no Congresso do Partido Republicano realizado em Vitória, em 1890

Ver Artigo
Clubes Republicanos

Sob o governo de Pedro II o regime parlamentar brasileiro, se não primou por grandes arrancadas de progresso material, foi contudo uma verdadeira democracia

Ver Artigo
Comparações e fatos alusivos a Proclamação da República

Discurso proferido por Robero Brochado Abreu, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha - Casa da Memória, durante as comemorações da Proclamação da República

Ver Artigo