Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guaraparim

Ruínas da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Guarapari, ES

A origem desta cidade de Guarapari como tantas outras deste imenso Brasil, nasceu à sombra da Cruz. O nome vem da palavra indígena guará, garça (segundo os naturalistas "ibis rubra") e parim, manca, segundo o P. Jacome Monteiro em Relação da Prov. do Brasil, ano de 1610. (Esta seria a expressão correta para falarmos Guaraparim e não Guarapari, pois a palavra parí, armadilha, não satisfaz gramaticalmente nem ecologicamente).

Um missionário de Tenerife, a maior das Ilhas Canárias, província da Espanha, de nobres famílias da Península, Llarena, Loyola, Núnez e Anchieta e ainda soldado do grande santo Inácio de Loyola arribou e estas terras brasileiras a 13 de julho de 1553.

Era o Apóstolo José de Anchieta. Depois de haver evangelizado em outros cantos deste país, veio para a Capitania do E. Santo ao lugar chamado Reritiba, hoje Anchieta. "Neste ano de 1585, conduzido pelo zelo da civilização dos índios e bem-estar dos mesmos, partiu daquela aldeia vizinha para fundar com o nome de Aldeia do Rio Verde ou Aldeia de Santa Maria de Guaraparim, este reduto".

Era este lugar uma das quatro reduções que os jesuítas formaram na província do E. Santo, a última do Beato José de Anchieta. A primeira foi a de São João, de 1562, entre a Serra e Vitória. A segunda a de Reritiba, 1565. A terceira a de Reis Magos, Nova Almeida, 1569. A quarta e última a de Santa Maria de Guaraparim. Depois desta última redução, Anchieta deixou de ser Provincial e Diretor e, extenuado, recolheu-se a Reritiba onde veio a falecer a 9 de junho de 1597.

Em Guaraparim, no alto de uma colina levantou uma igreja e convento para os missionários, sob a invocação de Santa Ana ou, como diz também a história, de Santa Maria.

Antes daquela data acima, em 1558, existia próximo a Guaraparim um núcleo de índios Temiminós chefiados pelo Jaguaruçu, ou Cão Grande, e que depois se misturava com os Tupiniquins, índios do Esp. Santo. Porém a aldeia maior a fundou oficialmente Anchieta, Provincial naquela data de 1585.

Para a inauguração de Guaraparim, compôs o mais extenso e vivo Auto tupi de sua coleção, como a personagem original da Alma de Pirataraka, índio que há pouco acabara de falecer. Este auto é o mais indianista, preparado todo em tupi porque os índios desta recente aldeia pouco ou nada sabiam de português.

Consistia em louvores a Maria Imaculada e sua proteção sobre Guaraparim, terminando com a dança de dez meninos que louvam a vitória de Maria.

Confirma-se por este Auto que a igreja era dedicada a Sant'Ana e N. Srª. da Conceição era a padroeira da aldeia e ainda que se teria terminado em 1585 a igreja e para sua inauguração Anchieta teria escrito este Auto.

 

Fonte: Guarapari é o seu nome - 2ª edição - 1987
Autor: Pe. Antonio Núnez
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2012

Matérias Especiais

Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De vento em popa

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo

Ver Artigo
Referências bibliográficas do livro

Já vi quem iniciasse a leitura de um livro pelas suas referências bibliográficas. Para os macróbios da historiografia será de grande valia

Ver Artigo
Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro

Ver Artigo
Segunda Viagem ao Interior do Brasil. Espírito Santo

Esse lugar (Lagoa Juparanã) será, certamente, então, um dos mais bellos do imperio do Brasil 

Ver Artigo
Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo