Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Heranças dos índios aos capixabas

Augusto Rusch e o Cacique Raoni no episódio do ritual da pajelança

Em todo o Brasil, somos conhecidos por "capixabas". "Capixaba" significa, na língua tupi-guarani, "plantação", "roçado", "lavoura", "preparação da terra para plantar". Aparentemente é uma forma de tratamento sem sentido, mas assim ficou estabelecido, no transcurso do tempo. Lembra-nos que herdamos traços da cultura indígena.

De norte a sul do Estado, nomes de cidades, distritos, vilas, bairros, avenidas, rios, montanhas e picos também não nos deixam esquecer as nossas origens. É uma verdadeira aula de língua ameríndia. Alguns poucos exemplos: Cariacica, Guaçuí, Ecoporanga, Guarapari, Ibitirama, Mucurici, Camburi, Guriri, Jucutuquara, Jucu, Piúma, Iconha, Itapemirim, Meaípe, Itaoca, Itaipava, Itapuã, Aghá, Muqui, Mochuara, Itaperuna, Apiacá, Iriri, Marataízes, Carapina, Itapecoá, etc...

Na culinária, o pirão de peixe e a "moqueca capixaba" são dois dos nossos principais pratos típicos. Devem ser preparados nas panelas de barro. Tudo - a iguaria e o utensílio - é tradição nativa.

No interior do Estado, em pequenos sítios, é requente a realização da coivara. É ainda comum, nos pequenos balneários de nosso litoral, a realização do "arrastão", que é um tipo de pesca artesanal praticada pelos "maratimbas". "Maratimba" é como chamamos o "caboclo capixaba", isto é, o biótipo humano resultante da miscigenação do branco com o índio - corresponde aos "caiçaras" ou "mamelucos" de São Paulo. Tais termos, embora de uso coloquial, devem ser evitados, pois no fundo, têm conotações preconceituosas e racistas.

A influência indígena vai mais longe. A medicina natural (homeopatia), típica dos índios, é corriqueiramente utilizada. No Espírito Santo, houve um caso inesquecível, em 1986. Augusto Ruschi, pesquisador de beija-flores e orquídeas em Santa Tereza, estava gravemente enfermo. Submeteu-se, por isso, a um ritual depajelança à base de ervas medicinais e defumadores de floresta. O fato virou notícia no mundo inteiro.

 

Fonte: História do ES - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar filho, abril/2013 

Índios

Jesuítas, índios e Cabo Frio

Jesuítas, índios e Cabo Frio

Após a obtenção de uma sesmaria para os seus índios – em 1610 – que sobreveio o período de prosperidade local, ainda hoje atestada pela igreja

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Araribóia

Foi chefe dos índios temiminós e personagem de realçada importância na expulsão dos franceses do Brasil, no século XVI...

Ver Artigo
Índios selvagens e civilizados

No tempo da expulsão dos Jesuítas, não havia selvagens em todo este distrito (sul do Espírito Santo); somente seis ou oito anos depois dela, começaram eles a cometer estragos (escrito em 1818)

Ver Artigo
Monumento ao Índio (Araribóia)

No ano de 1963, uma letra de uma velha marchinha de carnaval, de autoria de Júlio Alvarenga (“Bota o índio no lugar”), premiada em um concurso carnavalesco...

Ver Artigo
Heranças dos índios

Em algumas regiões do país, como o Norte e o Nordeste, a tradição indígena sobreviveu nos hábitos gerais: alimentação, instrumentos, transportes, habitação

Ver Artigo
Índios e jesuítas em Orobó

Há informações publicadas na Revista do Mepes de que cerca de 40 mil índios temiminós moravam entre o vale do Orobó, em Piúma, e as cabeceiras do rio Salinas 

Ver Artigo
Batalha contra os índios

Em São Mateus, em 1558, aconteceu o primeiro genocídio brasileiro, quando milhares de índios teriam sido mortos em represália ao assassinato de Fernão de Sá

Ver Artigo
Influência indígena no ES

Na Província do Espírito Santo as mulheres não se ocultam, como ocorre em Minas; recebem o estrangeiro, conversam com ele e auxiliam a fazer-lhe as honras da casa

Ver Artigo