Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Hermógenes Fonseca, cidadão universal

Hermógenes Lima Fonseca - Fonte: Século Diário (Rogério Medeiros) e Denise Machado, a guardiã da imagem de seu ex-companheiro

São Binidito falô pra nóis prestá atenção.

Nóis pobre só tem valô quando rico tem precisão.

Nóis já prestemo atenção no que são Binidito falô

Só quando rico tem precisão é que nóis pobre tem valô.

 

Versos do Ticumbi, Conceição da Barra, 1978.

 

João Guimarães Rosa dizia que “uma pessoa não morre, fica encantada”.

Guimarães Rosa era pessoa iluminada que criava a imagem existente. Qualquer criança, aliás, até os adultos compreendem essa sua constatação. Ma nem ele esclareceu como é que fica uma criatura que já nasce “encantada”. Talvez porque sejam tão poucas as que nascem especiais. Mas acontece. Não fosse assim o mundo não seria nem possível. São essas fontes de luz que fornecem a energia para a volta do mundo, das penas e dores de nós outros, pobres mortais necessitados de beber do alimento servido por esses sábios, sempre e eternamente para não secarmos sob o sol do deserto da ignorância. E uma dessas translúcidas almas humanas era o Seu Armojo.

Armojo, nascido Hermógenes Lima Fonseca, caboclo resistente, amava, sobretudo, o prazer da vida e de transitar suave e íntegro pelas belezas que ele via inteiras, na essência das manifestações dos homens e da natureza. Ele próprio um elemento anelado no encadeamento de suas descobertas e na alegria radiante de desfrutar com todas as revelações do seu conhecimento. Pródigo em expandir amizades, não criava limites ou fronteiras e vibrava com a conversa pura da mesma forma como se emocionava com o movimento do vento balançando as folhas das árvores e o perfume de apetite das fumaças evaporadas das panelas de barro ungidas pelo descoberto Sargento, mestre na feijoada gorda e de todos os quitutes da magia do sítio Pixingolê, panelas que deslumbravam, também, pela multiplicação de suas dádivas, porque nunca ficavam vazias, mesmo quando a multidão de chegantes ultrapassava todas as expectativas. Hermógenes não era especialista em nada, ele era tudo. Universal, em seus movimentos desabrochava a cultura. Não andava com uma lanterna na mão, era ele a própria lanterna, independente e viva, a realçar e apresentar a alegria sem culpa de estar vivo. Nunca ouvi Hermógenes fazer qualquer comentário sobre Epicuro, o filósofo grego nascido em Samos ou Atenas, 341 a. C., mas, certamente, ambos fizeram a mesma descoberta e Mestre Armojo andava carregado de filosofia de vida, pleno da idéia de felicidade e do prazer pelo simples reconhecimento de estar vivo e em comunhão com tudo o mais. Ele, de certa forma, tentou e conseguiu criar entre nós o “Jardim de Epicuro”, uma confraria que em Atenas de 306 a. C. reúne, revolucionariamente – além de homens -, mulheres, escravos e estrangeiros que difundem em livros, panfletos e cartas, as concepções de que a vida pode e deve ser vivida em alegria e felicidade mesmo que os problemas sejam mentalmente e fisicamente duros e difíceis. Através da luta de Armojo, a “Vila dos Confins”, um sítio por ele concebido para ser erigido na periferia de Vitória, de preferência na chapada do contorno, próximo ao aeroporto, contendo sínteses das principais edificações das vilas, lugarejos e seus equipamentos, como a moenda, a roda d’água, os quitungos, etc., ficou marcada indelevelmente em nossas mentes e corações, De muitos já ouvi referências a ela como se sua concretude fosse mais que uma vontade mas um fato passível, até mesmo, de ser comprovado pela fotografia e filmagem. Eis que sua necessidade, como ele previa, é mais forte que sua inexistência.

Hermógenes pugnou incansavelmente para, pelo seu próprio exemplo, difundir uma saudável crítica ética que buscava discernir entre o verdadeiro e o falso, buscando sedimentos eficazes para que pudéssemos compreender a sua máxima de que a vida pode ser vivida com paz e alegria. Essa era, no fundo, a sua revelação do mundo. Como diria Epicuro, 300 anos antes de Cristo, e Hermógenes, hoje e em qualquer data, “a sensação deve servir-nos para proceder, raciocinando, à indução de verdade que não são acessíveis aos sentidos”. Hermógenes Lima Fonseca nasceu em Conceição da Barra e se apaixonou pelo mundo. Cidadão íntegro, a luta pela justiça social o conduziu à política partidária e, em Vitória, onde já residia desde os nove anos, realizou um feito jamais alcançado por qualquer outro político; filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), se candidatou à Câmara Municipal e, num eleitorado de 17 mil votantes, se elegeu com 6 mil votos, o que seria, hoje, mais do que o obtido pelos deputados federais mais votados. Mas esse feito memorável não o impressionou, indiferente ao poder, que não cultuava, muito pelo contrário, logo, logo se entregou com mais vigor nas lides culturais que ele entendia ser a base da formação dos homens e o caminho para a ampliação de suas satisfações. E aí, mais uma vez, sua estrela o acompanhou. Foi incansável e brilhante. Seus trabalhos correram mundo, Seu nome é legenda. Nada o perturbou. Seguiu vivendo na esteira das alegrias que plantava. Pesquisar o folclore, viajar pelas trilhas da cultura popular é tarefa para sábios. Os agentes dessas manifestações têm a prudência de não ir entregando seus conhecimentos a qualquer um que chega buscando suas luzes. É preciso ser transparente e puro para aliviar as resistências e perceber as sutilezas das primeiras notícias. Andar com Armojo pelos ermos das roças era um prazer indescritível. Parando nos botecos de madeira com balcão oferecendo um ou dois tipos de biscoitos em dois dedos de prosa mais do que todos os pesquisadores e antropólogos que tinham visitado aquele vilarejo ou cercania da fazenda até aquele dia. E assim ele ia se completando de energia bruta e lapidava tudo com os doces relatos de suas histórias. Armojo, que nasceu encantado, sempre morou na estrela-mãe que o recebe agora para todo o sempre, para que possamos recordá-lo com alegria que ele soube aflorar e nos oferecer com o coração aberto e a mente sempre ativa e lúcida dos sábios que justificam a existência do mundo humano. Obrigado e até breve, amigo.

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA — Personalidades de Vitória – Volume 15 – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Autor do texto: Orlando Bonfim Netto
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Especiais

Teatro Capixaba Pre-Anchietano - Por Oscar Gama Filho

Teatro Capixaba Pre-Anchietano - Por Oscar Gama Filho

Não é, entretanto, muito claro o motivo pelo qual a obra de Anchieta continua a ser estudada, pesquisada e reeditada, enquanto que a obra de outros jesuítas seus contemporâneos e de mérito igual não é sequer citada

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vila Velha depois de Vasco

Dona Luzia Grinalda, nora de Vasco Coutinho, era casada com Vasco Coutinho Filho. Ao falecer o “velho” Coutinho, herda o governo seu filho bastardo Vasco Fernandes Coutinho Filho

Ver Artigo
Vasco Coutinho veio na certa!

Quando Vasco Fernandes Coutinho, o primeiro donatário do ES, recebeu a doação do Rei D. João III em 1534, o local para onde viria já era conhecido

Ver Artigo
Hermógenes Fonseca, cidadão universal

Hermógenes pugnou incansavelmente para, pelo seu próprio exemplo, difundir uma saudável crítica ética que buscava discernir entre o verdadeiro e o falso, buscando sedimentos eficazes para que pudéssemos compreender a sua máxima de que a vida pode ser vivida com paz e alegria

Ver Artigo
Onde morava o Primeiro Donatário?

Na Pedra das Caiçaras, onde hoje está localizado o Clube Libanês, na Praia da Costa, no final dos anos 60 ainda havia vestígios da residência

Ver Artigo
Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

No Brasil, as iniciativas mais concretas de preservação do patrimônio histórico que vão desembocar na criação do IPHAN, na década de 30

Ver Artigo