Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Histórias fabulosas

Logo da caminha OS PASSOS DE ANCHIETA - Foto: Piso da Estrada das Sete Voltas no Convento da Penha

A Companhia de Jesus não foi a única ordem religiosa a exercer atividade na Capitania do Espírito Santo, no período colonial. A obra dos jesuítas será complementada pela ação missionária dos franciscanos, capuchinhos, carmelitas e beneditinos.

Das centenas de religiosos que passaram pela capitania, entretanto, o jesuíta José de Anchieta é o mais venerado. Nasceu na Espanha, nas Ilhas Tenerife, em 1534. Asmático, recomendaram-lhe os bons ares do Brasil. Chegou à colônia em 1553, aos 19 anos e fixou-se no Espírito Santo somente em 1587, aos 53 anos - antes dessa data, apenas visitou esporadicamente as terras capixabas. Dez anos depois, em 1587, faleceu, no dia 9 de junho. Seu corpo foi conduzido por 300 pessoas durante 3 dias, da Aldeia de Reritiba (atual município de Anchieta) até o Colégio de Santiago em Vitória (atual Palácio Anchieta, sede do governo do ES), onde foi sepultado. Já na celebração do enterro, foi declarado Apóstolo do Brasil - título que divide com o padre Manoel da Nóbrega, outro jesuíta.

Segundo o historiador Serafim Leite, em 1609 grande parte dos restos mortais do padre Anchieta foi levada para a Bahia. Por ordem papal, foram retirados de lá e espalhados por casas e colégios jesuítas, inclusive de Roma. Entretanto, há diversas versões para os fatos. Outros afirmam que, na travessia do Atlântico, um naufrágio provocou a perda destas relíquias.

Importa, historicamente, que o processo de beatificação de Anchieta foi aberto em 1617.

Em 1736, suas virtudes foram declaradas heróicas pelo Vaticano e, em 1980, o papa João Paulo II beatificou-o. Está em andamento sua santificação.

O percurso por onde passou o cortejo fúnebre do jesuíta, e que ele próprio, quando vivo, percorria a pé todos os meses, foi transformado, em 1998, no caminho religioso denominado Passos de Anchieta. Acredita-se que o andarilho, repetindo a trajetória do beato, adquire, no final da caminhada, conforto espiritual. São, no total, 105 quilômetros. É preciso ter fé.

Depois de padre Anchieta, o enigmático frei Pedro Palácios merece destaque. Natural das Astúrias, na Espanha, chegou ao Espírito Santo em 1558. Pertencia à Ordem Franciscana e, em virtude do voto de pobreza, comportava-se como um eremita – vivia isolado, jejuando e rezando. Possuía apenas um cão e um gato como companheiros inseparáveis. Sobrevivia de esmolas. Seu abrigo era uma gruta incrustada no rochedo onde, ele mesmo, iniciou a construção de uma capela – templo-base do qual foi erguido, tempos depois, o Convento da Penha. Morreu em 1570. Conta-se que, antevendo a própria morte, despediu-se dos devotos.

Outras histórias poderiam ser contadas, envolvendo religiosos no Espírito Santo. São muitas, misteriosas, verossímeis, às vezes fabulosas.

 

Fonte: História do Espírito Santo - Uma abordagem didática e atualizada 1535 – 2002
Autor: José P. Schayder

Matérias Especiais

 Vitória era assim

Vitória era assim

Há cem anos atrás, a capital da província do Espírito Santo, muito embora já gozasse dos foros de cidade, não passava de um povoado 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo
Morro Inhoá

No pé do morro Inhoá, havia a edificação onde originalmente funcionou a primeira fábrica de sabão

Ver Artigo
A fonte de Inhoá

Desde a época do Primeiro Donatário, Vasco Fernandes Coutinho, já se bebia água da fonte de Inhoá

Ver Artigo
A santa da Praia é Rita - Sandra Aguiar

A comunidade contou logo com uma paróquia, a Santa Rita, cuja primeira sede data de 1935

Ver Artigo
A Cidade em outros tempos

Bondes, lanchas, manguezais e catraeiros nos remetem há uma época que creio não retornará. Vou citar alguns fatos e nomes de alguns personagens

Ver Artigo