Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Hospedaria dos imigrantes

Hospedaria Pedra D Água, inaugurada em 1889

Os imigrantes italianos que vieram para o Brasil foram submetidos à exploração no momento do embarque em Gênova e nos outros portos, uma vez que eram obrigados a chegar aos portos com muita antecedência em relação à data de partida. Um concluio dos agentes de viagem e companhias de navegação criou uma rede de exploradores que viviam da boa fé dos imigrantes, incentivando-os a gastos desnecessários. Viam-se totalmente depenados do pouco dinheiro que traziam, sendo obrigados a pagar hotéis e incentivados a comprar bugigangas que lhes eram oferecidas como indispensáveis no Brasil. Muitos foram forçados a comprar quadros de santos, como forma de devoção e proteção para a longa viagem.

Houve choques culturais dentro dos navios entre imigrantes da própria nacionalidade em função das variadas regiões de origem. Eles apresentavam diferenças de hábitos e língua.

A vinda dos imigrantes foi difícil e dolorosa. Perderam entes queridos na viagem e, ao chegar, muitos foram encaminhados para a hospedaria em Barra do Piraí, Rio de Janeiro. Nesse alojamento, eles ficavam em quarentena (muitas vezes não chegavam a ficar todo o período e outras ultrapassavam 40 dias). Era um período de observação para o caso de terem contraído alguma doença no navio. Ali esperavam os seus destinos.

Aconteceu de alguns seram encaminhados para outras regiões e essa separação dos parentes e amigos deixava as famílias traumatizadas. Alguns só conseguiam notícias depois de muitos anos. A Hospedaria Pedra D'Água foi construída na entrada da baía de Vitória, em 1887. Mas só recebeu imigrantes em 1889. Antes, já havia um recolhimento no local ou acomodação no Porto e em alguns hotéis da época, só que não davam hospedagem para todos os imigrantes. Porém, muitas vezes, permaneciam meses, vítimas da morosidade do serviço público, ficando dependentes do Estado até para se alimentarem.

 

Fonte: Santa Teresa Viagem no Tempo 1873-2008
Autora: Sandra Gasparini
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010

História do ES

Ao encontro da Surucucu – Por Auguste François Biard (Parte V)

Ao encontro da Surucucu – Por Auguste François Biard (Parte V)

Eu estava em presença, pela primeira vez, de uma terrível surucucu, serpente venenosíssima

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo