Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Humberto de Campos - Por Roberto de Abreu

Humberto de Campos - Desenho feito por Dilermando Lemos, 2010

Humberto de Campos Veras

Escritor, nasceu em Muritiba, Maranhão, a 25/10/1886, e faleceu no Rio de Janeiro, a 25/12/1934.

Com seis anos de idade foi levado por sua família para a Paraíba, no Piauí. Estudou no Externato de São José e no Colégio Saraiva. Em 1889 empregou-se como tipógrafo, na tipografia "O Comercial". A serviço da "Casa Trasmontana" e do "Jornal do Maranhão", voltou nesse mesmo ano ao seu estado natal. Em 1902 esteve novamente no Piauí. Em 1903 percorreu os rios Puruas, Madeira e Iuruá desempenhando incumbências recebidas de um escritório de Belém. Embora com a saúde abalada, visitou a seguir, obras contra a seca no Ceará, Piauí e Maranhão. Em 1908 volta ao Amazonas a fim de dirigir a exploração de seringais. As deploráveis condições de vida dos homens empregados nesse serviço revoltaram a Humberto de Campos, que escreveu sobre o assunto numa série de artigos para a "Folha do Norte", de Belém.

O valor do jovem escritor foi revelado por esses artigos ao Senador Antônio Lemos, que o fez seu secretário particular, redator da "Província do Pará", chefe de seção da Prefeitura da Capital, diretor da Secretaria do Conselho Municipal, Secretário da Comissão Executiva do Partido Republicano Paranaense e secretário da municipalidade. Em 1912, porém, com a queda do partido a que pertencia aquele senador, veio Humbeto de Campos para o Rio, passando a trabalhar na redação do "Imparcial". Em 1919 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Entre os inúmeros livros que publicou, destacam-se:

- Poeira em 1911;
- Serra de Booz em 1918;
- Tonel de Diógenes em 1919;
- A Serpente de Bronze em 1921;
- A Bacia de Pilatos em 1923;
- A Funda de Davi em 1924;
- Antologia dos Humoristas Galantes em 1926;
- Alcova e Salão em 1927;
- Memórias em 1932;
- O Monstro e Outros Contos em 1932;
- O Brasil Anedótico;
- O Conceito e a Imagem da Poesia Brasileira;
- Crítica em 1933.

Deixou no prelo "Destino" e "Os Donos dos Nossos Versos".

Humberto de Campos escrevia as suas crônicas sempre impregnadas de um sentido humano extraordinário. A bem dizer nunca foi grande poeta, nem romancista, foi um dos maiores cronistas do Brasil.

Ao que consta, nunca veio ao Espírito Santo, apesar de ser homenageado com a denominação em Vila Velha de um espaço cultural com seu nome: Academia de Letras Humberto de Campos.

 

Por: Roberto Brochado Abreu - Membro da Casa da Memória de Vila Velha (31/07/2007)



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Mário Aristides Freire – Secretário da Fazenda (1930-1943)

Mário Aristides Freire – Secretário da Fazenda (1930-1943)

Distingue-se, na obra administrativa desses doze anos, a atuação do secretário da Fazenda – Mário Aristides Freire. 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo