Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Igreja do Rosário

Igreja do Rosário - Barco 1980

A Igreja do Rosário, situada na Prainha de Vila Velha, teve sua construção iniciada em uma pequena colina e próximo do córrego Incerica pelo colonizador da Capitania do ES, Vasco Fernandes Coutinho, que desembarcou em 23 de maio de 1535, no domingo em que a Igreja comemorava o dia do Divino Espírito Santo, fazendo cumprir a Bula Papal, que determinava que, ao chegar ao local doado, deveria erguer uma igreja, para difundir a religião católica. A Pedra d'Ara foi trazida pelo donatário e mais tarde recebeu as relíquias.

A sua construção é muito frágil, consiste de: tabatinga (argila retirada das margens do córrego de Incerica), calcário (conchas maceradas no pilão) para dar liga, areia e água. Devido a esta fragilidade, por volta de 1912, a vibração provocada pelo tráfego dos bondes que passavam próximo, suas paredes começaram a abrir, sendo obrigado a colocação de tirantes para segurar as mesmas.

A Casa de Misericórdia para abrigar os doentes foi construída em 1595 a pedido do Padre José de Anchieta.

Quando os jesuítas Afonso Brás e Simão Gonçalves chegaram à Capitania do Espírito Santo, vieram até a Vila do Espírito Santo e encontraram a Igreja abandonada devido à fuga da maioria dos moradores do povoado para Vitória, em virtude dos constantes ataques dos índios.

A Capela era tão pequena, que os jesuítas relatavam, mesmo com a população reduzida ela não abrigava a comunicade local nas missas.

Segundo dados históricos, a Nave Maior é datada do século dezoito, pois em sua estrutura encontra-se tijolo queimado, bem como no Frontão superior.

A Igreja tinha como função, além dos cerimoniais religiosos, difundir as notícias das Províncias e do Reino, e servia como cartório de registros.

Em 1750 foi guinada à Paróquia e, em 1751, a ela foi destinada a pedra d'Ara, que fica encravada no Altar Mor, com as relíquias dos Mártires São Colombo e São Liberato conforme Diploma do Vaticano autenticado com o Selo Hispânico em cera vermelha.

O altares atuais da igreja foram inaugurados em uma missa celebrada em maio de 1908, sendo o Altar Mor bento com as imagens de Nossa Senhora do Rosário, São José e São João Batista.

Esta igreja sempre foi marcada pelo abandono, sua primeira grande reforma se deu através da Carta Régia de 18/11/1709, quando a Fazenda Real concedeu duzentos mil réis. Em 1855 foram reparados o assoalho e o telhado. Quando Dom Pedro II esteve aqui, em 28 de janeiro de 1860, ficou sensibilizado com o estado da Igreja e doou quatrocentos mil réis para consertos. No final da década de 50, foi substituído todo madeiramento do piso por ladrilho hidráulico. Finalmente, em 1990, houve a última grande reforma, que não respeitou a característica primitiva, removendo todo contra-piso em pé-de-moleque do período colonial, colocação de laje no coro, ao invés de madeira, tamponamento da antiga passagem para a casa de misericórdia, que servia de gruta para Nossa Senhora de Lourdes, dentre outros.

Autor: Gether Lima

História do ES

Saint-Hilaire nos “Passos de Anchieta”, em 1818

Saint-Hilaire nos “Passos de Anchieta”, em 1818

A expedição de Saint-Hilaire partindo de Benevente em direção a Meaipe, Perocão, Ponta da Fruta, Barra do Jucu, Vila Velha e Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo