Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Igrejas – Conventos – Edifícios públicos – Séculos XIX

Convento do Carmo, 1900

Não faltavam igrejas ecapelas para o culto romano, ignorando-se a existência de outra seita religiosa entreos habitantes. Todas as vilas e povoados possuíam sua matriz. Em Vitória, os pretos– que nem mesmo liberdade tinham – davam-se ao luxo de um templo privativo.(71)

Os três únicos conventos – de S. Francisco e do Carmo, em Vitória; da Penha,em Vila Velha – estavam reduzidos ao mínimo, embora todos fossem proprietários deprédios na Capital, e o santuário da Penha tivesse renda apreciável nas esmolas dos fiéis.

Todas as vilas e a cidade de Vitória possuíam seu Paço do Conselho, que serviade Câmara e alojamento para “alguma pessoa de consideração que esteja ou passe emserviço”. Digno de menção era o edifício do antigo Colégio dos jesuítas, que abrigava,além de outras repartições, a Junta da Fazenda Pública e a Administração dos Correios. O Hospital da Misericórdia – no conceito do presidente – era magnífico para a terra.(72)

 

NOTAS

(71) - “Há duas igrejas privilegiadas – o colégio dos extintos jesuítas fundado em 1551pelo padre Afonso Brás da Companhia de Jesus e a Misericórdia principiada antes de 1605./ Há quatro igrejas filiais que são S. Gonçalo, Santa Luzia, Conceição e Rosário dos Pretos.

Há uma capelania curada na povoação de Viana. Há três capelas, uma em Carapina e duasem Jucu. Cada uma das vilas e povoações tem uma matriz, servindo de tal em Benevente eNova Almeida os colégios dos extintos jesuítas” (Memória).

(72) - “...a casa é térrea e forma um quadrado de cento e sessenta palmos de lado: a áreada mesma figura de cinqüenta e cinco palmos de lado com uma porta principal e oito janelasenvidraçadas em cima de um morro de cento e cinqüenta palmos acima do nível do mar isoladae com seu cemitério amurado a cento e cinqüenta braças distante, forma agradável perspectiva, sendo as paredes e alicerces próprios para sustentar um ou dois andares de sobrado” (Memória).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, abril/2018

História do ES

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Basílio Daemon arrola, entre as construções iniciais, “um forte no lugar onde hoje [1879] se acha a Fortaleza de Piratininga”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo