Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ilha do Boi – Por Adelpho Monjardim

Escola de Aprendizes de Marinheiros que funcionou de 1909 até 1913, ao fundo Ilha do Boi

Hoje, ligada a Vitória, a Ilha do Boi perdeu as suas características, formando um dos seus mais belos e pitorescos bairros, com esplêndidas residências, um hotel de classe internacional e o Clube Ítalo Brasileiro do Espírito Santo, de alto gabarito.

Quando o Espírito Santo ainda era Donataria, a ilha pertenceu a um dos validos de Vasco Fernandes Coutinho, Dom Jorge de Menezes, fidalgo de alta linhagem, ligado à família real portuguesa. A ilha, então, passou a ter o seu nome. O nome indígena perdeu-se na noite dos tempos.

No Século XVII, ou princípios do XVIII, um veleiro, com carregamento de reses, naufragou nas proximidades da ilha, quando alguns bois foram dar às suas praias. Daí o nome, que mais certo seria no plural, pois que vários bois foram ali ter, tão perto estava.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Identidade Capixaba – Por Carlos Augusto Salles

Identidade Capixaba – Por Carlos Augusto Salles

Concordo com a afirmação de que nenhum depoimento, até hoje, foi capaz de explicar o "capixaba"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo
Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo
Carnaval - Por Renato Pacheco

Segundo Paulo Vellozo, grande folião da década de 30, depois que se extingüiu o Pega a Nega, no Clube Vitória, surgiu o Solta a Nega, bloco de rapazes, que substituiu a velha guarda

Ver Artigo