Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Imigrantes Libaneses

Mansão dos Neffa em Vitória - Ao contrário dos imigrantes europeus, os libaneses não buscaram as propriedades agrícolas. Dedicaram-se ao comércio na Capital do ES

A grande corrente imigratória de libaneses para o Brasil ocorreu em 1914. Pressionados pela 1ª Guerra Mundial e pela dominação otomana, o resultado foi a fuga para o Brasil.

A verdade é que grupos de sírios, turcos e libaneses já viviam no Brasil desde a época colonial, uma vez que Portugal mantinha relações comerciais com esses países.

Mas foi entre os anos de 1910 e 1940 que a imigração libanesa se tornou mais expressiva.

A guerra de 1914-1918, trouxe um maior transtorno e problemas econômicos. A fome também assolou o país.

Havia também uma revolta generalizada contra os otomanos invasores.

Os libaneses se recusavam a prestar o serviço militar a esses invasores e, dessa maneira, a situação nacional, já tensa e tumultuada, mais ainda se agravou.

Chegando ao Brasil, muitos optaram por viver no Espírito Santo. E se instalaram, principalmente em Vitória, Cachoeiro de Itapemirim e Alegre.

Ao contrário dos imigrantes europeus, os libaneses não buscaram as propriedades agrícolas. Dedicaram-se ao comércio e às pequenas indústrias.

Eram os mascates que abasteciam de mercadorias os habitantes do ES. As vilas e cidades ensejavam a proliferação de pequeno comércio, como as lojas de tecidos, armarinhos, armazéns de secos e molhados.

As razões de escolha do Espírito Santo para viver estavam ligadas, principalmente, ao fato de que muitos tinham parentes no Estado. Correspondências e relatos de amigos falavam das excelentes condições de vida. Outros tinham vindo apenas de visita, mas decidiram ficar por causa dos problemas em seu país.

A imigração libanesa não foi uma imigração subvencionada pelo Governo do Líbano nem pelo Governo do Brasil. Eles viajavam por conta própria, muitas vezes ajudados por parentes e amigos já estabelecidos em terras capixabas.

Esse agrupamento junto a amigos e familiares certamente ajudava a manutenção, adaptação e segurança dos imigrantes. O vínculo do parentesco sempre foi importante para os libaneses.

Famílias de descendentes continuam hoje o trabalho iniciado pelos antepassados. Muitos contam histórias das dificuldades que enfrentaram, mas certos de que venceram os obstáculos. Ocupam um lugar de destaque nos vários ramos da atividade capixaba.

 

Fonte: Espírito Santo - História de suas Lutas e Conquistas
Autora: Neida Lúcia Moraes, 2002
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2013



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Calendário mostra evolução de Vitória

Calendário mostra evolução de Vitória

Curiosas fotos registram histórias do cotidiano da urbanização da capital de Espírito Santo no calendário impresso pela Prefeitura Municipal de Vitória em 1995

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo