Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Imigrantes Libaneses

Mansão dos Neffa em Vitória - Ao contrário dos imigrantes europeus, os libaneses não buscaram as propriedades agrícolas. Dedicaram-se ao comércio na Capital do ES

A grande corrente imigratória de libaneses para o Brasil ocorreu em 1914. Pressionados pela 1ª Guerra Mundial e pela dominação otomana, o resultado foi a fuga para o Brasil.

A verdade é que grupos de sírios, turcos e libaneses já viviam no Brasil desde a época colonial, uma vez que Portugal mantinha relações comerciais com esses países.

Mas foi entre os anos de 1910 e 1940 que a imigração libanesa se tornou mais expressiva.

A guerra de 1914-1918, trouxe um maior transtorno e problemas econômicos. A fome também assolou o país.

Havia também uma revolta generalizada contra os otomanos invasores.

Os libaneses se recusavam a prestar o serviço militar a esses invasores e, dessa maneira, a situação nacional, já tensa e tumultuada, mais ainda se agravou.

Chegando ao Brasil, muitos optaram por viver no Espírito Santo. E se instalaram, principalmente em Vitória, Cachoeiro de Itapemirim e Alegre.

Ao contrário dos imigrantes europeus, os libaneses não buscaram as propriedades agrícolas. Dedicaram-se ao comércio e às pequenas indústrias.

Eram os mascates que abasteciam de mercadorias os habitantes do ES. As vilas e cidades ensejavam a proliferação de pequeno comércio, como as lojas de tecidos, armarinhos, armazéns de secos e molhados.

As razões de escolha do Espírito Santo para viver estavam ligadas, principalmente, ao fato de que muitos tinham parentes no Estado. Correspondências e relatos de amigos falavam das excelentes condições de vida. Outros tinham vindo apenas de visita, mas decidiram ficar por causa dos problemas em seu país.

A imigração libanesa não foi uma imigração subvencionada pelo Governo do Líbano nem pelo Governo do Brasil. Eles viajavam por conta própria, muitas vezes ajudados por parentes e amigos já estabelecidos em terras capixabas.

Esse agrupamento junto a amigos e familiares certamente ajudava a manutenção, adaptação e segurança dos imigrantes. O vínculo do parentesco sempre foi importante para os libaneses.

Famílias de descendentes continuam hoje o trabalho iniciado pelos antepassados. Muitos contam histórias das dificuldades que enfrentaram, mas certos de que venceram os obstáculos. Ocupam um lugar de destaque nos vários ramos da atividade capixaba.

 

Fonte: Espírito Santo - História de suas Lutas e Conquistas
Autora: Neida Lúcia Moraes, 2002
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2013



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ano de 1822 – Por Basílio Daemon

Ano de 1822 – Por Basílio Daemon

Colocou-se em frente a Palácio, onde o escriturário de Fazenda Carlos Augusto Nogueira da Gama leu em voz alta, ao povo e soldados, a proclamação feita por D. Pedro I

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo