Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Inacianos trabalham sempre

Padre José de Anchieta

Os intervalos de paz eram eficientemente aproveitados, principalmente pelos jesuítas. Além da obra apostólica, de edificantes resultados sociais, quase tudo o mais se lhes ficou devendo, inclusive poderoso auxílio na defesa contra os invasores estrangeiros.

O primeiro estabelecimento de ensino era fundação deles. Colégio de Santiago, a princípio, em 1556 – quando foi fechado por ordem de Nóbrega – denominava-se o Colégio dos Meninos de Jesus do Espírito Santo.(8) Substituiu-o uma escola de ler, escrever e contar, de sua responsabilidade também.(9)

De suas aldeias derivaram quase todos os núcleos de povoação da capitania, mais tarde transformados em cidades e vilas. A primeira delas – formada com a gente de Maracaiaguaçu – data de 1555. Seria a aldeia de Nossa Senhora da Conceição (da Serra), hoje Serra.

Com a grande autoridade que lhe assiste no assunto, Serafim Leite afirma que “as aldeias do Espírito Santo formaram-se quase sempre a seguir a alguma entrada ao sertão”.(10)

A medicina e a enfermagem tinham nos inacianos os seus mais adiantados praticantes. Em 1558, a capitania foi varrida por uma epidemia que, em Vitória, chegou a matar treze pessoas por dia(11). Os índios foram, ao que se infere da leitura do texto donde recolhemos a informação, as únicas vítimas. Mais ou menos seiscentos deles “em breve tempo” foram sacrificados.(12)

Mais tarde, veremos os loiolistas como vanguardeiros da arquitetura colonial no Espírito Santo: seja a religiosa, seja a residencial.

Os índios aldeados representaram, em boa parte, o braço que construiu tudo aquilo, mas a direção, a técnica de trabalho foi – nos primeiros tempos – privilégio quase exclusivo dos jesuítas.

 

NOTAS

(8) - LEITE, HCJB, I, 224.

(9) - LEITE, HCJB, I, 224.

(10) - LEITE, HCJB, I, 231.

– Algumas vezes, iam os padres em pessoa ao sertão a buscar os índios ou os parentes dos que já viviam no Espírito Santo, e iam “a mais de cem leguas por caminhos muy asperos e não seguidos, em q. padesem muitos trabalhos de fome e sede, e outros perigos da vida”

(RODRIGUES, Anchieta, 195).

(11) - SÁ (?), Cartas, III, 18.

(12) - SÁ (?), Cartas, III, 18.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Religiosos do ES

Anchieta - Símbolo da fé no Brasil

Anchieta - Símbolo da fé no Brasil

Anchieta, na bacia do rio Benevente, foi o lugar em que o padre jesuíta mais conhecido do País escreveu suas principais obras literárias

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Inacianos trabalham sempre

Os intervalos de paz eram eficientemente aproveitados, principalmente pelos jesuítas

Ver Artigo
Cronologia do Convento da Penha

Cronologia da história do Convento da Penha

Ver Artigo
Os Jesuítas chegam – Por Serafim Derenzi

Inácio Lopes de Recalde, como se chamava no mundo, fora capitão do exército de Navarro. Trocou a espada de guerreiro pela cruz

Ver Artigo
As Ordens Religiosas concluem seus Conventos – Por Serafim Derenzi

No correr do setecentos, os jesuítas, em suas cartas, quando se referem a casa e a igreja de sua ordem em Vitória, chamam-nas de Colégio Santiago e igreja de S. Maurício

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas – Por Luiz Serafim Derenzi

No cenário do Brasil Colônia, a Capitania do Espírito Santo foi sempre obscura, por isso, não constituía problema para o governo metropolitano. 

Ver Artigo