Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Inacianos trabalham sempre

Padre José de Anchieta

Os intervalos de paz eram eficientemente aproveitados, principalmente pelos jesuítas. Além da obra apostólica, de edificantes resultados sociais, quase tudo o mais se lhes ficou devendo, inclusive poderoso auxílio na defesa contra os invasores estrangeiros.

O primeiro estabelecimento de ensino era fundação deles. Colégio de Santiago, a princípio, em 1556 – quando foi fechado por ordem de Nóbrega – denominava-se o Colégio dos Meninos de Jesus do Espírito Santo.(8) Substituiu-o uma escola de ler, escrever e contar, de sua responsabilidade também.(9)

De suas aldeias derivaram quase todos os núcleos de povoação da capitania, mais tarde transformados em cidades e vilas. A primeira delas – formada com a gente de Maracaiaguaçu – data de 1555. Seria a aldeia de Nossa Senhora da Conceição (da Serra), hoje Serra.

Com a grande autoridade que lhe assiste no assunto, Serafim Leite afirma que “as aldeias do Espírito Santo formaram-se quase sempre a seguir a alguma entrada ao sertão”.(10)

A medicina e a enfermagem tinham nos inacianos os seus mais adiantados praticantes. Em 1558, a capitania foi varrida por uma epidemia que, em Vitória, chegou a matar treze pessoas por dia(11). Os índios foram, ao que se infere da leitura do texto donde recolhemos a informação, as únicas vítimas. Mais ou menos seiscentos deles “em breve tempo” foram sacrificados.(12)

Mais tarde, veremos os loiolistas como vanguardeiros da arquitetura colonial no Espírito Santo: seja a religiosa, seja a residencial.

Os índios aldeados representaram, em boa parte, o braço que construiu tudo aquilo, mas a direção, a técnica de trabalho foi – nos primeiros tempos – privilégio quase exclusivo dos jesuítas.

 

NOTAS

(8) - LEITE, HCJB, I, 224.

(9) - LEITE, HCJB, I, 224.

(10) - LEITE, HCJB, I, 231.

– Algumas vezes, iam os padres em pessoa ao sertão a buscar os índios ou os parentes dos que já viviam no Espírito Santo, e iam “a mais de cem leguas por caminhos muy asperos e não seguidos, em q. padesem muitos trabalhos de fome e sede, e outros perigos da vida”

(RODRIGUES, Anchieta, 195).

(11) - SÁ (?), Cartas, III, 18.

(12) - SÁ (?), Cartas, III, 18.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Religiosos do ES

E o Ururau zarpou...

E o Ururau zarpou...

Com lenços e lágrimas, famílias desesperadas acenaram para os homens da província que foram sequestrados dois dias antes, durante a procissão de Corpus Christ nas ruas da cidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

E o Ururau zarpou...

Com lenços e lágrimas, famílias desesperadas acenaram para os homens da província que foram sequestrados dois dias antes, durante a procissão de Corpus Christ nas ruas da cidade

Ver Artigo
Cronologia do Convento da Penha

Cronologia da história do Convento da Penha

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte II)

JABOATÃO não especifica o dia do lançamento da pedra fundamental; mas parece que já foi em fins do ano, pois em meados de 1652

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte I)

No ano imediato de 1651 o Custódio Frei Sebastião do Espírito Santo lançou a pedra fundamental nos alicerces

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte III)

Em1653, o Convento ainda não acabado recebeu de D. João IV uma ordinária do Rei

Ver Artigo