Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Inauguração da Ponte de Linhares

Ponte Getúlio Vargas em Linhares, sobre o Rio Doce

No dia 22 de junho de 1954, o Presidente da República, Getúlio Dornelles Vargas, o Governador do Estado, Jones dos Santos Neves, o senhor Carlos Lindenberg, o dr. Eduardo Régis Bittencourt (diretor do DNER) e outras autoridades, chegam a Linhares em aviões que pousam em campo aberto pelo Prefeito. Em solenidade, com a presença dos linharenses, é feita a inauguração da Ponte Getúlio Vargas sobre o rio Doce e da Praça Régis Bittencourt, com a placa contendo as efígies de Getúlio e Jones, constando data da inauguração.

Discursos são pronunciados e neles faz-se louvor ao ex-Governador Carlos Lindenberg, que providenciou projeto e iniciou a ponte, e ao construtor encarregado, Manoel Alves palheiro, da Companhia Ipiranga.

As autoridades, acompanhadas de perto pelo povo, atravessam a ponte – que, segundo informações orais, era toda iluminada – e chegam ao lado sul. Num terreno próximo, pertencente à Estação Experimental Goitacases, “debaixo de uma figueira” – que não existe mais – foi organizado um churrasco ofertado aos visitantes e ao povo.

Depois do churrasco, o Presidente e a Comitiva vão de automóvel até o Pontal do Ouro, na lagoa Juparanã, e daí até a ilha do Imperador, na lancha “Vitória” – propriedade de Adelino Soares. Na ilha, um aplaca comemorativa é descerrada por Getúlio, onde se lê:

 

“S.M.D.P.II – 1860

Presidente Getúlio Vargas – 1954”

 

Getúlio pronunciou discurso agradecendo e disse estas palavras: “O Sr. Joaquim Calmon é um grande Prefeito de um grande Município.”

A seguir a comitiva se despede e volta para Vitória.

Mas, na cidade, as festividades de tão grato evento para todos continuam com espetáculos pirotécnicos magníficos e um grandioso baile no Salão Nobre da Prefeitura, que encerra este “dia e noite inesquecíveis”.

A partir de então, acelera-se o processo de crescimento deste município, e o rio Doce – de um modo um pouco diferente do sonhado por tantos no passado – torna-se um traço de união entre o norte e o sul do país, através da BR-101.

 

Fonte: Panorama Histórico de Linhares, 1982
Autora: Maria Lúcia Grossi Zunti
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Nota do Site: A estrutura da ponte foi totalmente interditada para tráfego de ciclistas e pedestres desde quando um pedaço de aproximadamente 200 metros caiu e matou uma manicure, em janeiro de 2009, atualmente outros vãos da ponte continuam caindo conforme se vê na foto de A GAZETA de 2011.



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A República no Espírito Santo

A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo