Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Inauguração da Ponte de Linhares

Ponte Getúlio Vargas em Linhares, sobre o Rio Doce

No dia 22 de junho de 1954, o Presidente da República, Getúlio Dornelles Vargas, o Governador do Estado, Jones dos Santos Neves, o senhor Carlos Lindenberg, o dr. Eduardo Régis Bittencourt (diretor do DNER) e outras autoridades, chegam a Linhares em aviões que pousam em campo aberto pelo Prefeito. Em solenidade, com a presença dos linharenses, é feita a inauguração da Ponte Getúlio Vargas sobre o rio Doce e da Praça Régis Bittencourt, com a placa contendo as efígies de Getúlio e Jones, constando data da inauguração.

Discursos são pronunciados e neles faz-se louvor ao ex-Governador Carlos Lindenberg, que providenciou projeto e iniciou a ponte, e ao construtor encarregado, Manoel Alves palheiro, da Companhia Ipiranga.

As autoridades, acompanhadas de perto pelo povo, atravessam a ponte – que, segundo informações orais, era toda iluminada – e chegam ao lado sul. Num terreno próximo, pertencente à Estação Experimental Goitacases, “debaixo de uma figueira” – que não existe mais – foi organizado um churrasco ofertado aos visitantes e ao povo.

Depois do churrasco, o Presidente e a Comitiva vão de automóvel até o Pontal do Ouro, na lagoa Juparanã, e daí até a ilha do Imperador, na lancha “Vitória” – propriedade de Adelino Soares. Na ilha, um aplaca comemorativa é descerrada por Getúlio, onde se lê:

 

“S.M.D.P.II – 1860

Presidente Getúlio Vargas – 1954”

 

Getúlio pronunciou discurso agradecendo e disse estas palavras: “O Sr. Joaquim Calmon é um grande Prefeito de um grande Município.”

A seguir a comitiva se despede e volta para Vitória.

Mas, na cidade, as festividades de tão grato evento para todos continuam com espetáculos pirotécnicos magníficos e um grandioso baile no Salão Nobre da Prefeitura, que encerra este “dia e noite inesquecíveis”.

A partir de então, acelera-se o processo de crescimento deste município, e o rio Doce – de um modo um pouco diferente do sonhado por tantos no passado – torna-se um traço de união entre o norte e o sul do país, através da BR-101.

 

Fonte: Panorama Histórico de Linhares, 1982
Autora: Maria Lúcia Grossi Zunti
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Nota do Site: A estrutura da ponte foi totalmente interditada para tráfego de ciclistas e pedestres desde quando um pedaço de aproximadamente 200 metros caiu e matou uma manicure, em janeiro de 2009, atualmente outros vãos da ponte continuam caindo conforme se vê na foto de A GAZETA de 2011.



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Jones dos Santos Neves

Jones dos Santos Neves

Trabalhador incansável, Jones dedicou-se um pouco da arte de fazer política, talvez devido à sua vocação de verdadeiro estadista

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo