Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Indústrias – Construção naval – Artes e ofícios

"dentista ferreiro"

Além de alguns curtidores de couro – que juntavam esta habilidade à profissão de sapateiro – “mastão miseráveis que não merecem o nome de fabricantes e não curtem nem para oconsumo da terra”, havia preparadores de cal de ostras.

As fábricas de açúcar e aguardente andavam por sessenta e oito, sendoque a maior produzia, anualmente, cento e cinqüenta caixas de quarenta acinqüenta arrobas.

Olarias – em número de oito – faziam telhas, tijolos e utensílios para cozinha.

Embora não existissem estaleiros, até sumacas se construíam aqui e, commaior facilidade, lanchas de doze e dezesseis toneladas. Mas eram raras essas obras,não obstante dispor a província de florestas riquíssimas de madeiras próprias eoperários especializados.

Alguns ourives, rábulas, carpinteiros, marceneiros, sapateiros, seleiros,pedreiros, alfaiates, ferreiros, carniceiros, tecelões, latoeiros, em boa parte,cativos. Nem um dentista, “mas é suprida esta falta por um ferreiro curioso”, explica o presidente.(68)

A pescaria vinha decrescendo por vários motivos: diminuição do peixe, emprego das lanchas de pesca no transporte de farinha, falta de proteção aospescadores contra o recrutamento e, mais, a presença de piratas no Atlântico Sul. Deste modo, as dez embarcações de outros tempos estavam reduzidasa duas, e o pescado era insuficiente para o consumo local. Utilizavam-se alinha, a rede, fisgas, tarrafas e muzuás. Também aqui concorria o trabalhodos escravos.(69)

 

NOTAS

(68) - “As artes liberais são mui pouco ou nada cultivadas na Província. A música daCapital se compõe de oito pessoas quase todas da mesma família e que tocam as mesmas peçasem todas as festas, que compõe um rabecão, dois violinos, uma flauta e quatro cantores e sesucede isto com esta arte divina o que acontecerá com as outras! Em suma, há seis ourives,um pintor e dois aprendizes; cinco rábulas, dois armadores. De ofícios mecânicos cincomestres de carpinteiros, três oficiais e um aprendiz; sete oficiais de calafates; dez carpinteirosda Ribeira; dez mestres de marcenaria, vinte e quatro oficiais e dezesseis aprendizes; trintaoficiais de pedreiros; dois cabouqueiros; trinta e oito mestres de sapateiros, trinta e umoficiais e quarenta aprendizes; vinte e quatro alfaiates, vinte e cinco oficiais e vinte e umaprendizes; treze ferreiros; quatro carniceiros; trinta e sete tecelões; um latoeiro, três seleiros.

De todos estes são cativos quinze. Não há dentista, mas é suprida esta falta por um ferreiro curioso. Não há encadernador, mas serve de tal um rábula e assim se suprem e se remedeiamas faltas como se podem” (Memória).

(69) - “O costume dos pescadores é cada um pescar para si e dar a quinta parte do peixeao dono da canoa ou lancha, à exceção do mestre que não paga quinto; e quando pescamcom rede metade do pescado é para o dono dela” (Memória).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Serious Game -  Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 105

Serious Game - Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 105

Em pesquisa estatística realizada pelo Professor Mário Ribeiro Cantarino Filho, em 1966, quais eram as duas modalidades mais preferidas pelos desportivas praticantes na época?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo