Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Influência indígena no ES

Índias

Na Província do Espírito Santo as mulheres não se ocultam, como ocorre em Minas; recebem o estrangeiro, conversam com ele e auxiliam a fazer-lhe as honras da casa. Tecelagem de algodão é coisa a que estão acostumadas; quase todas também fazem renda mais ou menos comum e têm o hábito de trabalhar de cócoras em pequenos estrados, de um pé, mais ou menos, acima do soalho; é, certamente, ao exemplo dos índios, que não escondiam as mulheres, que as da Província do Espírito Santo devem a liberdade de que desfrutam e este resultado não é único neste país, com referência aos costumes dos portugueses em contato com numerosos indígenas.

A língua portuguesa tem sido modificada no Espírito Santo por essas contínuas influências, e muitas palavras que se usam nesta região não seriam, por certo, compreendidas às margens do Tejo ou do Minho, nem mesmo no Rio Grande do Sul ou em Minas Gerais. Assim, os luso-brasileiros da Província do Espírito Santo servem-se, para dizer uma plantação, da palavra capixabi; da palavra Manibo por sobras da mandioca; de quibando por joeira; arupembua, uma paneira, etc.

Tive dificuldade em compreender os habitantes desta parte do Brasil, mais que os de Minas Gerais. Achava que, em geral, falavam mais depressa, com pronúncia menos clara, e que os homens do povo, em particular, se serviam de expressões menos corretas; feria-me o ouvido, sobretudo, a supressão quase inteira do R final, talvez adquirida dos negros e que torna a pronúncia deste últimos tão infantil e atoleimada.

 

Fonte: Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce, 1974
Autor: Auguste de Saint-Hilaire
Nota do Site: Panorama do Espírito Santo no início do século XIX
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2013

História do ES

Maximiliano, Saint-Hilaire e Rubim

Maximiliano, Saint-Hilaire e Rubim

Vale demorar um pouco para apreciarmos a situação da capitania tal qual a viram três observadores: o príncipe de Wied Neuwied, Auguste de Saint-Hilaire e Francisco Alberto Rubim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo