Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Insurreição de Queimado

Igreja de Queimado, na Serra - ES

O professor Estilaque Ferreira, que se doutorou na Universidade de São Paulo (USP) e é professor de História do Brasil na Ufes, estuda Afonso Cláudio há dois anos. Há alguns anos descobriu um manuscrito inédito de 350 páginas do governador e historiador. "Se sabemos da existência do Quilombo de Queimados e da luta dos escravos é graças a Afonso Cláudio. Foi ele ainda quem descobriu que Domingos José Martins era capixaba", assinala o professor.

Afonso Cláudio foi estudar Direito em Recife, tornando-se abolicionista. De volta ao Espírito Santo, foi trabalhar no jornal "A Província do Espírito Santo", de Muniz Freire e Cleto Nunes. Estudou a história dos negros no Estado, particularmente a revolta do Quilombo de Queimados, na Serra.

A Insurreição do Queimado, escrito em 1884, é o mais esclarecedor documento sobre a revolta ocorrida na Serra, de autoria de Afonso Cláudio.

A Insurreição do Queimado aconteceu no município de Serra, em 1849. Vários escravos se rebelaram para cobrar uma promessa feita por Frei Gregório José Maria de Bene. Na época, o missionário italiano desejou construir uma grande igreja na região de Queimado, município de Serra. Para isso, Gregório convenceu os escravos a trabalhar na obra com a promessa que todos seriam alforriados.

Como o prometido não foi cumprido, durante cinco dias, liderados por Elisiário, os revoltosos percorreram as fazendas obrigando alguns donos de escravos a assinar cartas de alforria. O movimento foi contido pela polícia da província. Os rebelados foram presos e julgados, cinco deles foram condenados à morte.

Um milagre salvou o líder da insurreição. Elisiário escapou da cadeia, depois que a cela foi esquecida aberta. Os negros atribuíram o acontecimento a Nossa Senhora da Penha. Elisiário refugiou-se nas matas do Morro do Mestre Álvaro e nunca mais foi recapturado.

A insurreição foi o maior movimento em favor da liberdade registrado no Estado, que travaram uma batalha que culminou com centenas de mortos.

 

Fontes: Estação Capixaba, Século Diário e outros, 2001



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Principal transporte em terra, tropa deixa rastro de poesia

Com o crescimento da produção do café, aumentaram as necessidades de transportes, não havia outra alternativa se não o uso de animais de carga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo