Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

Rua Nestor Gomes

Quando da sucessão de Bernardino Monteiro, a política provocou, novamente, agitação e desassossego.

Numa tentativa de apaziguamento – diante do embate que se prenunciava apaixonado e violento – os partidos acordaram em apresentar o nome do coronel Nestor Gomes como candidato único à presidência do Estado. Mais tarde, entretanto, surgiu nova candidatura: a de Filomeno José Ribeiro.

O pleito decorreu em ambiente calmo, mas, quando da reunião do Congresso Legislativo Estadual para reconhecimento e posse do presidente eleito, estourou uma crise de tamanhas proporções que culminou na secção da Assembléia.

Parte desta, dirigida pelo deputado Geraldo Viana, reconheceu a validade da eleição de Nestor Gomes e continuou funcionando no paço do Congresso. A outra ala elegeu seu presidente o deputado Francisco Etienne Dessaune, que se proclamou chefe do executivo estadual.

No dia vinte e três de maio de 1920, pela manhã, parte do Batalhão de Polícia revoltou-se. Imediatamente, Bernardino Monteiro telegrafou ao presidente da República, solicitando o apoio da força federal. À tarde, transmitiu o cargo a Nestor Gomes.

As duas correntes assentiram, então, em entregar o governo a uma pessoa de confiança do chefe da Nação, que não aceitou a sugestão, por inconstitucional.

A vinte e seis de maio começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções.

Diante da nova situação, o presidente da República decretou a intervenção federal no Estado,(42) fazendo cessar o movimento armado.

Finalmente, a vinte e um de julho, foi sancionada, pelo presidente Epitácio Pessoa, a lei que reconhecia Nestor Gomes como presidente do Estado, depois de o Congresso Nacional se ter manifestado pela legitimidade de sua eleição.(43)

 

NOTAS

(42) - Decreto executivo número 14.191, de vinte e sete de maio de 1920.

(43) - O mesmo ato reconheceu a João de Deus Rodrigues Neto como vice-presidente.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, setembro/2017

História do ES

1625: Os Holandeses invadem o Espírito Santo

1625: Os Holandeses invadem o Espírito Santo

A guerra do açúcar, ensejada pelo domínio espanhol em Portugal, incendiava o Nordeste brasileiro, desde 1624...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Ensino e a primeira biblioteca pública do ES

Criado em 1843, só a vinte e cinco de abril de 1854 foi instalado o Liceu da Vitória

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

"No dia seguinte, a comitiva regressou a Vitória, onde o presidente Sousa Carvalho já havia providenciado uma canoa grande e cinco remadores, escravos, para subirem o curso caudaloso do rio Santa Maria, até a colônia de Santa Leopoldina"...

Ver Artigo
A Vila de Alenquer e a História do ES - Por João Eurípedes Franklin Leal

O nome, Espírito Santo, para a capitania, está estabelecido devido a chegada de Vasco Coutinho num domingo de Pentecoste, 23 de maio de 1535, dia da festa cristã do Divino Espírito Santo, entretanto... 

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros no ES - Auguste de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvencial, segundo o nome de batismo, ou Auguste de Saint-Hilaire,

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Princesa Teresa da Baviera

Uma das viagens menos comentadas à Província do Espírito Santo, foi a da Princesa Teresa Carlota, terceira filha de Augusta, Princesa de Toscana e do Príncipe Luitpolt, herdeiro da coroa do reino da Baviera

Ver Artigo