Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Itapoã

Praia de Itapõa

Apenas quatro casas rodeadas de muito verde e árvores frutíferas. Assim era Itapoã, em 1965. Só mato, capoeira pura. Existiam também mais três casas em construção.

Na época, o bairro era um sítio, batizado com o nome de Apicum do Poço, com criação de gado e cavalo. Onde hoje é um valão, corria um córrego tão limpo que era possível as crianças tomarem banho e pescar peixes.

As ruas eram de areia e, para ir à praia, costumava-se passar por trilhas cheias de pitangueira, cajueiro, goiabeira e outras árvores frutíferas.

Como não havia água encanada, era preciso comprá-la em barris, que os moradores despejavam na caixa d'água no alto de suas casas.

Foi na década de 70 que surgiram os primeiros conjuntos habitacionais. O primeiro a ser erguido foi o Jerônimo Monteiro, que tinha 15 casas, que se tornaram moradias de funcionários públicos. Mais tarde, foram construídos o Conjunto Militar e Eldorado. Por volta de 1975, no Conjunto Itapoã, surgiram os primeiros prédios.

Com o aumento do número de moradores, a população de Itapoã foi se organizando e fazendo reivindicações. As casas ganharam luz elétrica, o transporte urbano melhorou e o comércio começou a crescer.

O bairro, que era quase todo brejo, foi sendo aterrado para a construção de mais moradias. Na década de 80, a região já estava tomada por casas populares.

Nos últimos anos, grandes empreendimentos imobiliários vêm mudando a cara do bairro. Muitas casas foram demolidas para dar lugar aos condomínio de luxo que tomaram conta de toda a orla.

 

Fonte: Jornal A Tribuna (Publicado nos anos 2000)



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Rua São Francisco – Por Elmo Elton

Rua São Francisco – Por Elmo Elton

O referido cruzeiro, de pedra lavrada, artístico, medindo quase dois metros acima do pedestal, foi demolido em 1925

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praia do Canto ontem e hoje (1998)

Entrevista feita pelo jornal da AMPC em 1998 com Chrisógono Teixeira da Cruz que nasceu no coração de Vitória,na rua Barão de Monjardim, num tempo em que a Praia do Canto era um lugar tão distante do centro quanto Guarapari. 

Ver Artigo
Rua do Rosário – Por Elmo Elton

Recebeu este nome por estar localizada ao pé do morro onde, no século XVIII, foi construída a igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos

Ver Artigo
Praça do Imperador (ex-praça das Colunas) – Por Elmo Elton

Em 1860 toda a cidade de Vitória se engalanou para receber a visita de Sua Majestade o Imperador Pedro II

Ver Artigo
Parque Moscoso (ex-Campinho) - Por Elmo Elton

O aterro do Campinho, local primitivamente chamado Lapa do Mangal, área pantanosa, foi ativado, a partir de 3 de setembro de 1888, quando presidente da província o Dr. Henrique Ataíde Lobo Moscoso

Ver Artigo
De bonde com Grijó - Coisas dos tempos de vida pacata

Grandes circos passaram por nossa cidade, dentre eles o Olimecha, Stewanovisk, Irmãos Temperani, Piolim, Garcia, Liendo, Thiany, Grand Circo Americano e outros de menor porte

Ver Artigo