Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Itaúnas, 2012 - Foto: Walter de Aguiar Filho

As primeiras explorações do território do atual município de Conceição da Barra resultaram da penetração organizada em 1554, a fim de afastar os botocudos das vizinhanças de Vila Velha, onde se estabelecera Vasco Fernandes Coutinho, Donatário da Capitania do Espírito Santo. Assim, ao norte do Rio Cricaré, fundou-se a povoação que passaria a denominar-se Conceição da Barra, homenagem à Santa Padroeira.

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia.

ltaúnas, na língua nativa — pedra preta, era fértil região ocupada por uma tribo da poderosa nação aimoré, a mais numerosa e temível de quantas habitavam a Capitania. As densas florestas, os virentes campos, a caça, a pesca abundante. despertaram cedo a cobiça dos lusos, que desejaram aquelas terras, desalojando dali os legítimos senhores. Sob fúteis pretextos moveram aos índios impiedosa guerra de extermínio. Surpreendidos, estes viram arrasadas as suas aldeias e escravizados os seus filhos. Os que lograram escapar vagaram pelas matas sem teto e sem guarida.

Segundo o rito, o pajé lançou sobre Itaúnas a maldição: o espírito dos ventos impeliria as areias sobre toda a região cobrindo-a com o seu manto, transformando-a em deserto para todo o sempre.

Indiferentes à maldição, os lusos, raça superior, não ligaram ao amuo indígena. Lançando-se ao trabalho ergueram no meio da mata belo e próspero povoado. Crescendo, crescendo sempre, tornou-se futuroso e pleno de recursos. Ninguém mais se lembrava da maldição do vingativo pajé, nem mesmo os mais idosos. Já construídas boas casas, igreja, ruas, praças, escola e florescente o comércio, quando as areias começaram a lenta marcha sobre a vila. Embora tardia a vingança do pajé estava chegando. Poucos deram importância ao fato. Os mais variados motivos foram aventados. Tudo se normalizaria com a mudança do vento, que não era o da estação, diziam os acomodados - E naquele “engano d'alma ledo e cego”, procuraram se enganar. Implacável, como se guiado por mãos invisíveis, o alvo lençol de areia avançava, alcançando as primeiras ruas. A população começou a inquietar-se; quando as velhas histórias voltaram à baila — a maldição do pajé!

Lenta, porém segura, a marcha das areias. As casas começaram a ser invadidas. Dias e meses se passaram e as areias tornaram-se a tétrica obsessão. Subiam, subiam sem parar. Arenadas as primeiras ruas, expulsos dos seus lares, os habitantes foram abandonando a vila. Movimenta-se a Igreja. Ao cair da noite as procissões saem às ruas, formando lúgubres cortejos à luz bruxuleante das velas, ao som cavo das matracas, entoando cânticos que traduzem toda a angústia daquelas almas. Impertinente, o vento sopra sem parar e o surdo ruído das areias não cessa.

Passam-se os meses. O quadro se agrava. Não restam mais esperanças. Fechara-se a escola. As areias substituem os alunos. Nenhuma rua escapou ao assoreamento, sepultadas todas sob o alvo sudário. Só o campanário da igreja resiste ainda. Será o último a perecer. Sepultada sob a alva mortalha, a torre da igreja acabara de desaparecer. ltaúnas tornara-se um cemitério. Itaúnas deixara de existir. Como os homens, as cidades também morrem.

Um viajor que por ali passara diz ter ouvido planger o velho sino da igreja, sons misteriosos que brotavam do âmago da terra, gemidos de um moribundo. É o coração de Itaúnas, que ainda pulsa.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Cidades do ES

GRÉCIA CAPIXABA

GRÉCIA CAPIXABA

A expressão Grécia Capixaba era usada para qualificar o lugar habitado por pessoas cultas e inteligentes.

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo