Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro - Capítulo V

Jerônimo com o irmão, Dom Fernando de Sousa Monteiro. Autoridade religiosa com relativa influência entre os líderes políticos. APEES - Coleção Maria Stella de Novaes

Agitava-se a política, no Espírito Santo, com a perspectiva da próxima decadência do prolongado e forte domínio do Dr. Moniz Freire, que durava já mais de doze anos, pois desde 1892, quando iniciara o seu primeiro período presidencial, detinha o comando da maioria, no Estado. Periclitava sua aliança com o sucessor, Cel. Henrique da Silva Coutinho, eleito para o quadriênio de 1904 a 1908, e que assumira o poder a 14 de julho, porque motivos extraordinários impediram de fazê-lo a 23 de maio, data legal. Recebeu-o das mãos do Dr. Argeu Monjardim, Vice-Presidente, genro do Dr. Moniz Freire. Logo, porém, revoltava-se contra seu antecessor, contra a subserviência, e reagia, apoiado principalmente nos Srs. Augusto Calmon e Joaquim Lírio. Segundo Amâncio Pereira, consumou-se a desavença, a 9 de janeiro de 1905, motivada pela apresentação de candidatos a Governadores Municipais. E, de acordo com a imprensa local, atuaram, nessa passagem da Administração Pública, figuras militantes na política na Vitória, entre as quais, os mencionados Srs. Joaquim Lírio e Augusto Calmon.

Relatava-nos um velho contínuo do Palácio que o telefone não parava. O Dr. Moniz Freire telefonava de uma Repartição Pública Federal. E, diante dessa insistência, pessoa da família Coutinho, interessada na "independência" ou final da preponderância monizista, apanhou uma tesoura e cortou o fio telefônico: — "Agora, quem manda é o Presidente do Estado. É VOCÊ!"

Vitória, nesse tempo, era uma terra de disse-e-me-disses. Tudo se complicava, porque a política dominava todos os setores de atividade. Em tudo influía. Até nas eleições da mesa diretora da Santa Casa da Misericórdia. Tanto assim que, em junho de 1905, o Presidente do Estado apelou para Dom Fernando de Sousa Monteiro, que estava em Visita Pastoral, em Santa Teresa: — "Que viesse pacificar a exaltação de ânimos. Evitar que se derramasse o sangue, no instituto criado para lenir dores e pensar chagas dilacerantes".

Deveria a eleição processar-se no dia 9, mas, escolhido árbitro, o Sr. Bispo conseguiu uma prorrogação de modo que pudesse examinar o Livro das Atas. Vetou algumas eivadas de falhas; conciliou os espíritos e ganhou almas para Deus e a Pátria. Aliás, o Sr. Bispo muito colaborou, sempre, para acalmar situações tensas, em vista de suas boas relações com todas as correntes políticas.

O Cel. Henrique Coutinho respirou, tranquilo; pessoalmente e por escrito, manifestou ao Sr. Bispo sua gratidão.

E, apesar das dificuldades a vencer, acrescentava: — "Estou crente de que, em pouco tempo, poderei dar ao meu querido Bispo notícias muito fagueiras, por enquanto, apenas noticio que está depositada, em Londres, a quantia necessária para a construção de uma ponte que ligue esta Capital às estações das estradas de ferro, e para quinhentos metros de cais.

"Parece um sonho tamanha felicidade, porém é, mercê de Deus, uma verdade.

"No primeiro paquete chegam o Engenheiro e instrumentos para a sondagem e, em seguida, começarão as obras"

"Deus nos auxilia, meu bom amigo, NOSSA terra ainda há de ser grande e nossa Capital, um encanto".

 * * *

Combatido aqui e no Congresso Nacional pela corrente oposicionista, no apogeu de sua preponderância, vendo de rastos o crédito do Estado, no País e no exterior, voltou-se o Cel. Coutinho para o jovem político exilado em São Paulo. Exilado, sim, mas desfrutando prestígio conquistado, desde que exercera o mandato, na Câmara Federal, como representante de sua terra. A 27 de novembro de 1905, o Presidente do Estado escrevia a Dom Fernando: — "Comunico-lhe que estou em constantes comunicações epistolares com o nosso muito prezado Dr. Jerônimo, e que, ainda, não perdi a esperança de que, por intermédio dele se faça uma grande transação, em benefício do nosso querido Espírito Santo.”

"Não tenho instado mesmo para que ele venha assumir o lugar que lhe destino, porque se me afigura que, estando ele em liberdade e fora daqui, pode agir com muito mais eficiência".

Contudo, a 13 de janeiro de 1906, o "Jornal Oficial" divulgava a nomeação de Jerônimo para Secretário Geral do Estado. Era ele, então, chefe da "União Municipal", folha de Santa Rita de Passa Quatro. Não aceitou a nomeação.

 * * *

Aproximavam-se as eleições para o Congresso Federal, e o Cel. Henrique Coutinho, cada vez mais angustiado pela falta de recursos e de homens capazes para a luta desigual, passou a Jerônimo o seguinte S.O.S. "Moniz, no Sul do Estado, trabalhando; amigos dali me aconselham peça ao amigo venha auxiliar-me, com o seu grande prestígio, urgentemente. Pode fazê-lo? Ponho em suas mãos. Henrique Coutinho, Presidente do Estado".

Realizaram-se, de fato, as eleições a 30 de janeiro de 1906, com o seguinte resultado, segundo o "Jornal Oficial", de 4 de março do mesmo ano.

 

Senador

Augusto Calmon - 7.621 votos

(separados) - 206 votos

Dr. Moniz Freire - 2.462 votos

(separados) - 78 votos

 

Deputados

Dr. Bernardino Monteiro - 6.467 votos

(separados) - 113 votos

Dr. Pinheiro Júnior - 6.282 votos

(separados) - 114 votos

Dr. Galdino Loreto - 6.021 - votos

(separados) - 116 votos

Dr. Torquato Moreira - 4.197 votos

(separados) - 268 votos

Dr. Bernardo Horta - 2.723 votos

(separados) - 72 votos

Dr. José Monjardim - 2.420 votos

(separados) - 73 votos

Dr. Graciano Neves - 2.160 votos

(separados) - 79 votos

 

A 5 de março, no Paço Municipal da Vitória, foram diplomados os eleitos pela maioria: Augusto Calmon, Senador; Bernardino, Galdino, Pinheiro e Torquato, Deputados.

A 21, o ''Jornal Oficial'' noticiava que o Dr. Moniz Freire seguira para o Rio de Janeiro, a fim de contestar a eleição do Cel. Augusto Calmon e dos Deputados do Governo. O mesmo fez Augusto Calmon: viajou, para defender-se. Mas o Dr. Moniz Freire, apoiado pelo Governo Federal, conseguiu a anulação de quarenta e nove sessões, sobre as setenta e quatro realizadas. E, assim, cortar os Deputados Bernardino Monteiro, Pinheiro Júnior e Galdino Loreto. Salvou-se o Dr. Torquato Moreira, embora os três candidatos vencidos tivessem apresentado trinta e oito documentos sobre a legitimidade dos seus diplomas.

Profligando a apuração, falaram, na Câmara Federal, os Deputados Afonso Costa e Irineu Machado ("Jornal Oficial" 27/5/1906). O Deputado Afonso Costa declarou: — "A comédia está acabada".

Mas, no regresso ao Espírito Santo, foram os "depurados", como se dizia, então, festivamente recebidos. Augusto Calmon e Galdino Loreto, na Vitória; Pinheiro Júnior, no Castelo; Bernardino Monteiro, em Cachoeiro do Itapemirim, conforme o registramos, noutro capítulo. Era uma compensação, do povo, às agruras da política!...

A 31 de dezembro de 1906, realizaram-se as eleições para deputados estaduais, nas quais o Governo conseguiu maioria, no Congresso Estadual. Entraram, então, os "vencidos" nas eleições federais — Bernardino Monteiro, Galdino Loreto, Pinheiro Júnior e Augusto Calmon, que foi eleito Presidente da Casa, para a Legislatura de 1907.

Antes, omitiremos os comentários da imprensa e as lamentações ou declarações do Senador Moniz Freire, na Tribuna do Parlamento, a 25 de maio do mesmo ano, quando acusava acerbamente a traição e a falsidade daquele que, desde 1900, estava destinado: — ''Seria meu sucessor".

Tal depoimento sincero ressalta bem como se faziam as sucessões presidenciais naquele tempo. Desde o princípio do Governo, o Dr. Moniz Freire pensava no sucessor que iria impor ao Estado.

O certo é que o Cel. Henrique Coutinho não apresentou as razões de divergir do seu antecessor — que o fizera seu substituto. Preferiu o silêncio. Mas, na defesa, profundamente humana e hábil do seu ex-colega, o Senador Joaquim Catunda, que respondeu a todas as acusações, aos queixumes e às lamentações do Dr. Moniz Freire, recebeu sincero conforto, nessa passagem dura do seu Governo. Simultaneamente, na Câmara Federal, o Deputado Galdino Loreto ripostava, com vantagem, o Senador capixaba.

Conjuntamente, estreitou-se, no Espírito Santo, o cerco dos monizistas contra o Presidente do Estado. A 21 de setembro de 1905, por exemplo, duas Câmaras Municipais apresentaram denúncia ao Congresso Legislativo Estadual contra S. Exa., enquanto, no Senado, o Dr. Moniz Freire tratava dessa ocorrência, verdadeira manobra para afastar, legislativamente, o chefe do Governo do seu cargo. Seria substituído pelo Vice-Presidente Argeu Monjardim, genro do Senador Moniz Freire. Mas a denúncia caiu, porque não conseguiu a aprovação, por dois terços do Congresso. O Deputado Pio Ramos, em face da delicadeza da situação, que resultaria em verdadeiro caos político-administrativo, votou com a bancada governista. Os Deputados Antônio Ataíde e Pinheiro Júnior proferiram rigorosa repulsa à denúncia, enquanto, na Câmara Federal, o Deputado Galdino Loreto defendia, brilhantemente, o Cel. Coutinho. E, no Senado, o Sr. Joaquim Catunda afirmava: — “O Cel. Henrique Coutinho é um homem são, é um administrador honesto de quem não se conhecem nem atos de violência nem esbanjamento dos cofres públicos".

E continuava a situação enche-tempo, inútil ao bem do povo, com a falta de quórum, no Congresso, até encerrar-se a Legislatura 1905, enquanto se agravava a situação financeira do Estado, em consequência da construção onerosa da via férrea Sul do Espírito Santo e da queda vertiginosa do preço do café. No Relatório apresentado ao Dr. Jerônimo, a 23 de maio de 1908, dizia o saudoso Presidente: — "... nunca o café, de onde haurimos os recursos financeiros de que precisamos, desceu a preços tão vis, como se pode bem evidenciar do que encontrei vigorando, na praça, quando assumi o Governo, 8 mil e tanto, e aquele a que desceu, logo em seguida, — R$ 3$300, quase a terça parte".

Em 1904, ao tomar posse do Governo, encontrara, no Tesouro do Estado e no Banco da República do Brasil, a quantia de 60:257$76i. E se o café decrescia de preço, crescia a propaganda contra o Estado, porque a crise econômica, além de entravar a máquina administrativa, colocava-o em situação deprimente até na Europa. Existiam dívidas volumosas, em consequência de requerimento de empreiteiros do Sul do Espírito Santo, do contrato com Domingos Giffoni, sobre a imigração italiana e outros compromissos, que datavam do Governo anterior. O Palácio estava sem mobiliário, sem água, luz, esgotos e utensílios. O Quartel da Polícia, a desabar! O prédio da Corte da Justiça em igual condição.

 

Notas:

 

A presente obra da emérita historiadora Maria Stella de Novaes teve sua primeira edição publicada pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo -APEES, em 1979, quando então se celebrava o centenário de nascimento de Jerônimo Monteiro, um dos mais reconhecidos homens públicos da história do Espírito Santo.

Esta nova edição, bastante melhorada, também sob os cuidados do APEES, contém a reprodução de uma seleção interessantíssima de fotografias da época — acervo de inestimável valor estético-histórico, encomendado pelo próprio Jerônimo Monteiro e produzido durante o seu governo — que por si só, já justificaria a reimpressão, além do extraordinário conteúdo histórico que relata.

 

 

Autora: Maria Stella de Novaes
Fonte: Jerônimo Monteiro - Sua vida e sua obra
2a edição Vitória, 2017 -  Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (Coleção Canaã Vol. 24)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2019

Especiais

Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

No Brasil, as iniciativas mais concretas de preservação do patrimônio histórico que vão desembocar na criação do IPHAN, na década de 30

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Luto, enterros e cemitérios – Por Areobaldo Lellis Horta

As camisas, quando não eram pretas, usava-se um peitilho daquela cor, havendo um linho preto, com que os homens se trajavam

Ver Artigo
A Arte Teatral – Por Areobaldo Lellis Horta

Amâncio Pereira e Aristides Freire foram dois inconfundíveis animadores da nossa arte teatral

Ver Artigo
Varíola e Febre Amarela – Por Areobaldo Lellis Horta

A primeira vez que assisti aqui a um surto de varíola e outro de febre amarela, era eu aluno do curso primário

Ver Artigo
Três Cometimentos – Por Areobaldo Lellis Horta

Seriam sete da manhã quando, tomando um bote no Porto dos Padres, atravessamos para Argolas, onde grande já era a afluência de pessoas

Ver Artigo
Como era o Ensino - Areobaldo Lellis Horta

Quando criança, o ensino era ministrado entre nós, o curso primário pelas escolas primárias e o secundário pelo Ateneu Provincial para o sexo masculino

Ver Artigo