Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro - Capítulo XII

Escola Modelo Jerônimo Monteiro em construção, Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

A Escola Complementar, anexa à Escola Normal, tinha a finalidade de preparar os alunos para o ingresso no Curso Normal, independente de exame vestibular, exigido apenas, para os candidatos que não tivessem aquele curso.

Repetimos com o Dr. Jerônimo: — Não pararam aí os esforços do Governo, empenhado em impulsionar o desenvolvimento de instrução pública.

O Ginásio Espírito-Santense, criado em Lei n° 460 de 24 de outubro de 1906 pelo Presidente Henrique da Silva Coutinho, recebeu a melhor atenção do Dr. Jerônimo, coadjuvado, aliás, pelo irmão, o Bispo Diocesano. A 9 de outubro de 1908, chegou-lhe a notícia de sua equiparação, por ato do Governo Federal, assinado no dia 8, para o que muito concorreram o interesse do Presidente do Estado e os esforços do Senador João Luís Alves.

O Colégio Nossa Senhora Auxiliadora muito deve ao Dr. Jerônimo, que, pelo Decreto n° 335, de 24 de abril de 1909, o equiparou à Escola Normal do Estado, sujeito ao seu regulamento e aos mesmos programas de estudo, sob a fiscalização do Inspetor Geral do Ensino. O Decreto de 24 de abril teve sua confirmação na Lei n° 642, de 21 de dezembro do mesmo ano, em atenção a um requerimento firmado pelo Sr. Bispo Diocesano.

Já estava o Colégio sob a direção da Irmã Maria Horta, que substituíra a Irmã Filomena Desteillou, sua fundadora, e que viajara a 19 de fevereiro do mesmo ano, transferida para o Hospital Central do Exército.

A equiparação do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora à Escola Normal veio trazer um surto de desenvolvimento ao querido educandário da juventude feminina espírito-santense, porque, de todos os recantos do Estado afluíram alunas para o seu internato. E, assim, necessário tomou-se a ampliação do velho prédio, ex-convento de Carmelitas. Antes, porém, que se empreendesse as obras e, mesmo se festejasse a Lei de 21 de dezembro, dura provação caiu sobre o pequeno mundo que ali edificava uma obra de virtude e cultura, em benefício da sociedade espírito-santense. Baseado em que o vetusto edifício pertencia à União, porque servira de alojamento à Força de Linha, no século XIX, o Ministro da Guerra, a 9 ou 10 de maio de 1909, exigia que as Irmãs desocupassem o prédio em 10 dias! Calculemos o terror e a tristeza das religiosas!... Na cidade, o clamor abalava o povo: — Querem tomar o Carmo! E a sociedade deu a melhor assistência às Irmãs.

 

Estava Dom Fernando em Missões na paróquia de Santa Isabel, quando recebeu o telegrama que reclamava sua presença imediata na Vitória. Mas o único transporte era a Estrada de Ferro Leopoldina, que se tomava na Estação Germânia, atualmente Domingos Martins. O tempo corria! Felizmente, porém, o encarregado da ingrata medida só podia viajar de navio, pois naquela época não existiam aviões, e assim Dom Fernando, que chegara no dia 13, empenhou-se com o Presidente do Estado, recorreu ao Sr. Núncio Apostólico e, pelo advogado Thiers Veloso, recorreu à Justiça, contra o Governo Federal. Desse modo, quando o emissário chegou a Vitória, nada pôde fazer, senão esperar a decisão suprema, quanto ao direito da Igreja, pois se tratava de um imóvel da Diocese.

E o caso foi entregue ao Dr. André Faria Pereira, para resolvê-lo, no Rio de Janeiro, pois o Sr. Bispo e o Dr. Jerônimo haviam conseguido dilação do prazo e permissão para que as Irmãs prosseguissem na sua tarefa educativa. É certo que o Dr. Jerônimo prestou toda a assistência às Irmãs; visitava-as, sempre que possível. E, numa dessas visitas, encontrou-se ali com o irmão, Cel. Antônio, mas em atitude compatível com o decoro social. Não é exato que estivesse de revólver em punho. Jamais um Monteiro, mesmo na Fazenda Monte Líbano, em meio de trabalhadores e longe de recurso policial, empunhara uma arma de fogo.

Aliás, o Cel. Antônio não era então Presidente do Congresso Legislativo, nem mesmo Deputado Estadual; exercia apenas, interinamente, o cargo de Oficial de Gabinete do Presidente do Estado, em substituição ao Dr. José Bernardino Alves Junior, em férias regulamentares.

Resolvida a questão do Carmo, entrou o prédio em reforma e ampliação, para receber as numerosas internas e abrigar as órfãs do Asilo Coração de Jesus, fundado pelo Sr. Bispo e a Irmã Maria Horta, de acordo com as normas das congregações religiosas. Uma subscrição popular foi a primeira fonte de recursos, a partir de 2 de novembro de 1909. As alunas da Escola Normal promoveram uma tômbola em benefício do Asilo, e a sociedade espírito-santense provou, mais uma vez, seu coração aberto às obras sociais de assistência aos que sofrem. Mas, se Dom Fernando se desvelara pelos pobres e órfãos, o coração do grande Presidente voltava-se, de igual, às criancinhas que na Santa Casa abriam os olhos à vida, privadas de carinho materno, ou viviam aos cuidados das Irmãs, daquela inesquecível Irmã Luísa Pirnay e, no Carmo, teriam o Asilo Coração de Jesus.

Daquelas trataremos quando chegarmos ao capítulo sobre a Santa Casa, ao passo que, agora, registraremos a providência tomada pelo Dr. Jerônimo para a manutenção do novo Instituto de Assistência. A Lei n° 646, de 22 de dezembro de 1909, dizia: "Fica o Governo do Estado autorizado a conceder 80.000$000 (oitenta contos de réis), em apólices de 5% ao ano, para o patrimônio do Asilo Coração de Jesus, sendo as ditas apólices inalienáveis, e revertendo ao Estado, em caso de extinção ou transformação do Asilo em outro qualquer estabelecimento, embora de caráter filantrópico". Assegurava, assim, uma renda anual de 4:000$000 ao novo instituto de caridade, depois de haver colaborado na reforma e ampliação do prédio.

A reconstrução do Carmo foi confiada ao jovem arquiteto André Carloni, que lhe acrescentou mais um andar e a varanda interna.

Finalmente, a 27 de novembro de 1910, num belíssimo dia, com a presença do Dr. Jerônimo e da sociedade vitoriense que, jubilosa, compareceu ao Carmo, Dom Fernando benzia o prédio reformado. Em seguida, festejados foram dois expressivos acontecimentos: a equiparação do curso normal ao instituto do Estado e a inauguração do Asilo Coração de Jesus.

A Irmã Horta chorava!...

Dom Fernando e Dr. Jerônimo abraçavam as orfãzinhas...

Elas cantaram o Hino a Dom Fernando e o Hino

 

AO DR. JERÔNIMO

 

I

Nossas almas estremecem.

De real contentamento,

Nesta hora, neste dia.

Neste ditoso momento.

Filho do Espírito Santo,

É glória sua, também. Salve, oh, nosso Protetor,

Da paz amigo e do bem! CORO

 

II

Dois sóis, hoje contemplamos,

Um dos Céus, no puro anil.

Outro, dentro desta casa.

Mais brilhante, mais gentil.

Filho do Espírito Santo, etc.. CORO

 

III

Mais brilhante e mais gentil.

Pela áurea inteligência

Peregrina e criadora,

Que lhe deu a Providência. CORO

 

IV

Do Governo seu à sombra.

Vai sereno e vai seguro,

O belo Estado marchando

Para o mais belo futuro. CORO

 

V

Adorável mão, que rege

Mundos sem fim, nos espaços,

Encha-lhe a vida de bênçãos.

De flores lhe cubra os passos. CORO

 

VI

O seu nome, que os fulgores

Do astro-rei ofusca e vence,

Brilha, como ouro nas páginas

Da História espírito-santense. CORO

 

VII

Ao festejado estadista,

A tão nobre cidadão,

Nossa homenagem sincera,

Nossa humilde gratidão.

CORO

Os dois hinos foram musicados pelo maestro Colombo Guárdia, professor de música do Colégio, que os acompanhou, ao piano. A letra era do Dr. J. J. Bernardes Sobrinho.

 

 

Notas:

 

A presente obra da emérita historiadora Maria Stella de Novaes teve sua primeira edição publicada pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo -APEES, em 1979, quando então se celebrava o centenário de nascimento de Jerônimo Monteiro, um dos mais reconhecidos homens públicos da história do Espírito Santo.

Esta nova edição, bastante melhorada, também sob os cuidados do APEES, contém a reprodução de uma seleção interessantíssima de fotografias da época — acervo de inestimável valor estético-histórico, encomendado pelo próprio Jerônimo Monteiro e produzido durante o seu governo — que por si só, já justificaria a reimpressão, além do extraordinário conteúdo histórico que relata.

 

 

Autora: Maria Stella de Novaes
Fonte: Jerônimo Monteiro - Sua vida e sua obra
2a edição Vitória, 2017 -  Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (Coleção Canaã Vol. 24)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2019

 

 

Igrejas

Sesmarias em geral

Sesmarias em geral

As leis estabeleciam que os pretendentes as solicitassem, por petição, indicando precisamente: lugar onde residiam, situação geográfica do provedor da Fazenda Real, da Câmara do município onde se encontravam as terras requeridas, e do Provedor da Coroa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XII

Escola Modelo Jerônimo Monteiro em construção, Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
Ano de 1558 – Por Basílio Daemon

Aporta ao Espírito Santo Pedro Palácios, leigo franciscano do Convento da Arrábida, em Portugal, sendo natural de Medina do Rio Seco, em Espanha   

Ver Artigo
Ano de 1556 – Por Basílio Daemon

Os temiminós foram aldeados em terras da hoje vila de Guarapari, às margens do rio do Peixe Verde, nome derivado do de Pirá-Obig   

Ver Artigo
Ação da Igreja na época Colonial – Por João Eurípedes Franklin Leal

Em Vila Velha, Afonso Brás cuidou de levantar uma igreja dedicada a de N. S. do Rosário, 1551

Ver Artigo
Ano de 1551 – Por Basílio Daemon

Em março de 1551, tendo chegado o Pe. Afonso Brás e um irmão de nome José de Paiva, deram começo à capela, consagrando-a a Nossa Senhora do Rosário   

Ver Artigo