Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro - Capítulo XIII

Fazenda Sapucaia, Cariacica (1910). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Estendeu-se a Reforma do Ensino a todos os recantos do Estado, com mobiliário adequado e farto material escolar, prédios para Grupos Escolares, em Cachoeiro do Itapemirim, Santa Leopoldina e São Mateus; curso complementar, já referido; e escolas isoladas, noutros pontos de população menos densa. Tudo fiscalizado e nos moldes da Capital, tudo gradativo e bem dirigido, com o predomínio da língua portuguesa nas escolas particulares, frequentadas pelos descendentes de imigrantes.

Na "Mensagem" de 1912, lê-se que:

a Reforma introduzida, num estreitíssimo período de dois meses, encontraria aceitação do público, constituindo as novas escolas centro de atração e de convergência da população infantil da nossa Capital.

Nelas, matricularam-se crianças que se conservavam afastadas das escolas, pela nenhuma confiança que o ensino nelas ministrado inspirava aos seus genitores, que, de preferência, as entregavam aos cuidados de professores particulares.

O aumento da matrícula e, sobretudo, da frequência escolar sofreu logo benéfica e extraordinária modificação, elevando-se a matrícula de 710 a 932 alunos, e a frequência, de 572 a 867.

Após referir-se às despesas com esse trabalho ingente, conclui:

Os grandes sacrifícios, no presente, terão, no futuro, compensadora reprodução, no preparo e no levantamento intelectual da nova geração preciosa esperança e valioso penhor de nossa civilização. Os bons resultados do novo método e da boa organização do ensino são, a cada passo, testemunhados, não só pelos próprios pais de alunos, como por todos os que, de ânimo desapaixonado, se dão ao pequeno trabalho de observá-los, em nossas escolas.

Refere-se, depois, à educação física e aos sentimentos cívicos despertados constantemente, pela recordação dos nossos grandes feitos e dos nossos dignos e venerandos antepassados.

Deve-se ao Dr. Jerônimo a formação cívica dos espírito-santenses, descendentes de estrangeiros, que, nas colônias, ignoravam o nosso idioma. Recusavam-se, mesmo, a cantar o Hino Nacional e a canção Sou Brasileiro, porque, diziam, eram italianos, de Alfredo Chaves; outros, alemães nascidos em Rio Fundo.

Subiam ao céu do Espírito Santo hinos pátrios, Hino Nacional, Sou Brasileiro e outros, ao passo que as festinhas escolares criavam, no mundo infantil, verdadeira fascinação pelo estudo e a consciência dos deveres morais e cívicos. E, em tudo, aparecia o Dr. Jerônimo, acariciando as crianças, estreitando-as à grandeza do seu coração, vivendo, modesto e feliz, páginas áureas de Coelho Neto, resumidas em que "a educação é uma arte de amor; realizá-la é colaborar com Deus completando-lhe dignamente a obra".

Em 1909, o Governo promoveu o primeiro Congresso Pedagógico do Espírito-Santo, que se instalou no dia 8 de junho. Coube ao Prof. João Sarmet a primeira tese. Dissertou sobre A Palavra. Outros oradores, como o Prof. João Nunes, a Profa Marieta Calazans, os Profs. Carlos Mendes, Amâncio Pereira, Osmédia Fonseca e os Drs. Diocleciano de Oliveira e Antônio de Andrade e Silva trataram de temas deveras sugestivos, relacionados com suas especialidades no magistério. E os comentários abalavam a cidade. Todos se voltaram para a Pedagogia. Nenhum compêndio de Compayré e Carré et Liquier ficou nas estantes.

Atendeu, igualmente, o Dr. Jerônimo aos pendores artísticos dos seus conterrâneos e criou o Instituto de Belas Artes, para as vocações que se estiolavam, sem recursos de orientar-se e desenvolver-se. Esse Instituto resultou da Lei n° 616, de 11 de dezembro de 1909, e o contrato pelo Governo e o Prof. Carlos Reis, para dirigi-lo, firmou-se a 30 de dezembro. A 11 de março de 1910, o Decreto n° 595 deu-lhe Regulamento. Iniciaram-se as aulas no dia 19.

Muito concorreu o Instituto de Belas Artes para estimular as vocações artísticas, na Vitória. No Parque Moscoso e nas praias, seus alunos pintavam ao ar livre, ao passo que, no grande salão onde fora instalado, a frequência era vultosa. Duas vezes na semana, havia aulas noturnas para as pessoas impossibilitadas da frequência diurna.

Duzentos trabalhos foram expostos, quando o Marechal Hermes da Fonseca visitou o Espírito Santo, em 1911. E tão bem impressionado ficou o então Presidente da República, que formulou o desejo, verdadeira ordem, para que os mesmos trabalhos fossem levados ao Rio de Janeiro e expostos na Associação dos Empregados do Comércio. S. Exa. prestigiou a exposição, inaugurando-a pessoalmente.

Reduzida a verba destinada ao Instituto, no Governo do Cel. Marcondes Alves de Sousa, para a economia de 7:800$ 000, o Prof. Carlos Reis pediu demissão do cargo de diretor e regressou ao Rio de Janeiro. Três horas após, estava nomeado para um cargo muito melhor, pois, em um mês, ganhava mais que durante um ano inteiro, no Espírito Santo.

                                     * * *

Faltava, porém, uma parte do grandioso programa educacional do Dr. Jerônimo de Sousa Monteiro. Na sua magistral Plataforma, dizia ele:

Incumbe ao Governo, pela fundação de escolas técnicas, que não ministrem só o ensino clássico, fazer desenvolver as qualidades práticas dos alunos, habilitando-os para empreender logo um trabalho produtivo, no terreno industrial, mercantil e agrícola.

É necessário banir de vez a crença de que só as profissões liberais podem garantir vitória, na luta pela existência e de que só elas proporcionam uma posição de superioridade e saliência na sociedade. "A nossa mocidade deve ser preparada e aparelhada para o embate no campo das indústrias, do comércio e da agricultura, onde está travada a luta pela expansão econômica procurada e reclamada por todos os países".

De acordo com esse programa, a 21 de maio de 1909, o Governo adquiriu a Fazenda Luduvina, a quatro quilômetros de Cariacica, para o ensino agrícola. Denominou-a Fazenda Sapucaia estabelecida oficialmente, segundo o Decreto n° 381, de 3 de julho, embora iniciada, desde 31 de maio, sob a direção do Sr. Agostinho Marciano de Oliveira, contratado em Minas Gerais. Foi inaugurada, festivamente, a 4 de dezembro.

                                     * * *

Ao receber o telegrama do Ministro da Agricultura sobre a possibilidade de o Estado oferecer um prédio para uma Escola de Aprendizes Artífices, a ser criada no Espírito Santo, o Dr. Jerônimo apressou-se em responder que desejava que fosse o Estado um dos primeiros a utilizar-se da feliz iniciativa do Presidente Nilo Peçanha, ao instituir o Ensino Profissional. Pôs à disposição do Ministério um prédio espaçoso, com a afirmativa de, no futuro, construir outro adequado à nobilíssima finalidade. A Escola de Aprendizes Artífices do Espírito Santo, dirigida pelo Dr. José Monjardim, inaugurou-se a 24 de fevereiro de 1910, na Rua Presidente Pedreira. Atualmente, é a Escola Técnica da Vitória, em Jucutuquara.

Em 1909, já existiam no Espírito Santo, 134 (cento e trinta e quatro) escolas primárias, com a matrícula de 4.535 (quatro mil quinhentos e trinta e cinco) alunos.

De acordo com a autorização constante da Lei n° 547, de 28 de novembro de 1908, o Dr. Jerônimo, pelo Decreto n° 373, de 19 de junho de 1909, criou três escolas-modelo de agricultura. E todo o ensino agrícola era supervisionado pelo Dr. Fidélis Reis, posto à disposição do Estado, pelo Ministério da Indústria. Por isso, junto à Fazenda Sapucaia, estava o Aprendizado Agrícola, para meninos pobres, que se instruíam gratuitamente, para a garantia de um futuro laborioso e útil.

Cogitou o Dr. Jerônimo, ainda, do Aprendizado São José, que seria iniciado com o produto dos presentes, que o povo lhe oferecera. Mandou, para isso, avaliá-los e depositou, nas mãos do Sr. Bispo, a quantia de 1:743$000, conforme recibo que Dom Fernando assinou, a 22 de maio de 1912. Seria um instituto de ensino prático, de artes, ofícios, agricultura, etc., para meninos pobres, com internato e externato.

Logo, o Sr. Dr. Hércules Campagnole & Irmãos subscreveram a quantia de 1:270$000. E os Srs. Welszflog & Irmãos, 1:000$000.

A consagração do Aprendizado a São José significava "um testemunho público e permanente, por mim, prestado ao grande Protetor dos Aprendizes e à bela e edificante Religião Católica, que tanta paz e tão sublimes alegrias proporcionam aos nossos espíritos" — escreveu o Dr. Jerônimo, na "Mensagem" de 1912.

Para a fundação desse instituto, havia Dom Fernando providenciado a Fazenda Piabanha, no Itapemirim. A morte colheu-o antes dessa realização!...

Assim, para o Dr. Jerônimo, a educação dos seus conterrâneos devia ser completa. Sonhara o saudoso Presidente proporcionar lhes todos os recursos, para iniciativas futuras.

Concluída a Reforma do Ensino, o Prof. Gomes Cardim retirou-se para São Paulo. Foi substituído pelo Dr. Diocleciano Nunes de Oliveira, nomeado Inspetor Geral do Ensino Público, a 8 de janeiro de 1910. Conhecida de todos foi sua dedicação à Escola Normal do Estado, onde passava o dia inteiro. Às 7:30 horas, lá estava e a tudo atendia, até a saída do último funcionário, à tarde, aliando sempre energia à bondade. Eram lindas as festinhas "Hora de Arte", que promovia, no palco das Escolas Normal e Modelo, para cultivar as vocações artísticas e literárias dos estudantes, que frequentavam os diversos cursos: normal, complementar e primário. Foi grande amigo e devotado auxiliar do Dr. Jerônimo. Faleceu a 3 de março de 1919.

Desse modo, com a colaboração de Gomes Cardim, Diocleciano de Oliveira e outros, o Dr. Jerônimo estava realizando o que sonhara, no grande Estado Bandeirante e na visita a Minas Gerais, quando percorria seus estabelecimentos de instrução.

E apresentava-se o Espírito Santo no segundo lugar, no Brasil, quanto à organização do ensino, suplantado apenas pelo seu padrão — o Estado de São Paulo.

 

Nota:

 

A presente obra da emérita historiadora Maria Stella de Novaes teve sua primeira edição publicada pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo -APEES, em 1979, quando então se celebrava o centenário de nascimento de Jerônimo Monteiro, um dos mais reconhecidos homens públicos da história do Espírito Santo.

Esta nova edição, bastante melhorada, também sob os cuidados do APEES, contém a reprodução de uma seleção interessantíssima de fotografias da época — acervo de inestimável valor estético-histórico, encomendado pelo próprio Jerônimo Monteiro e produzido durante o seu governo — que por si só, já justificaria a reimpressão, além do extraordinário conteúdo histórico que relata.

 

 

Autora: Maria Stella de Novaes
Fonte: Jerônimo Monteiro - Sua vida e sua obra
2a edição Vitória, 2017 -  Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (Coleção Canaã Vol. 24)
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2019

 

 

Especiais

Defesa da Capitania do ES - Por Edward Athayde DAlcântara

Defesa da Capitania do ES - Por Edward Athayde DAlcântara

Por que em 1702, vinte anos depois, se haveria de construir um novo forte no mesmo local, se em 1682 já se falava do Forte São Francisco Xavier?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1566 - Por Basílio Daemon

Tendo sido chamado à Bahia em meados deste ano o irmão José de Anchieta a fim de receber ordens sacras, recomenda-lhe o padre Manoel da Nóbrega que chegasse à capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

Jerônimo Monteiro e autoridades descendo as escadas do palácio em direção ao cais do Imperador, em um evento público, ao final do seu governo (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

TRABALHA E CONFIA, inspirada certamente na formação religiosa do Presidente: "Trabalha, como se tudo dependesse de ti; Confia, como se tudo dependesse de Deus"

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XIX

Existia o Quartel de Polícia, no Moscoso, edifício relativamente novo, cujas fundações, porém, exigiam constantes reparos

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XVIII

A 28 de agosto, o Dr. Jerônimo seguiu para o Rio de Janeiro, a fim de retribuir a visita do Dr. Nilo Peçanha

Ver Artigo