Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro: o culto à personalidade

Bandeira do Espírito Santo

Por contraditório que pareça, Jerônimo Monteiro, mesmo tendo arruinado as finanças do Estado, firmou-se como líder político. Seu nome converteu-se numa grife. Ele próprio tinha consciência da importância de projetar para a posteridade uma imagem de político inovador e moderno. Com esse intuito, criou uma espécie de departamento de marketing e propaganda. Todas as suas obras eram fotografadas, para futuras exposições itinerantes pelo Estado. Nas cerimônias públicas, uma chuva de pétalas de rosas recepcionava-o.

Para estabelecer o seu governo como início de uma nova era, criou os primeiros símbolos do Estado: selo, brasão das armas e distintivo presidencial – o hino e a bandeira tricolor estadual foram oficializados depois, em 1947. O branco, o azul e o rosa deveriam ornamentar todas as insígnias estaduais e, seguindo a filosofia positivista do lema nacional, “Ordem e progresso”, determinou a inscrição da divisa “Trabalha e Confia” nos símbolos do Espírito Santo. De acordo com a tradição, tal slogan foi inspirado na sua formação religiosa em colégios jesuítas: “Trabalha, como se tudo dependesse de ti. Confia, como se tudo dependesse de Deus”. Stella de Novaes classifica o lema como “belo, profético, vibrante e glorioso”. Tamanha exaltação é, em parte, compreensível, pois a historiadora é sobrinha de Jerônimo Monteiro.

Ícone maior da República Velha no Espírito Santo, Jerônimo Monteiro praticamente nasceu (1870) e morreu (1933) com ela. Hoje, além de seu nome “batizar” uma cidade inteira, no sul do Estado, em muitas outras a avenida principal traz a sua marca. De certa forma, fazemos, mesmo que inconscientemente, o culto à personalidade e à memória de um “coronel ilustrado” que conseguiu sua própria grandeza. O monteirismo sobreviveu ao seu fundador.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002 
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Símbolos do ES
>>
 
A oligarquia dos Monteiro
>>
 
100 Anos de Jerônimo Monteiro 
>>
 
Jerônimo Monteiro
>>
 
Origem da família Monteiro 
>>
 
Pacto entre as elites 



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo