Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro: o culto à personalidade

Bandeira do Espírito Santo

Por contraditório que pareça, Jerônimo Monteiro, mesmo tendo arruinado as finanças do Estado, firmou-se como líder político. Seu nome converteu-se numa grife. Ele próprio tinha consciência da importância de projetar para a posteridade uma imagem de político inovador e moderno. Com esse intuito, criou uma espécie de departamento de marketing e propaganda. Todas as suas obras eram fotografadas, para futuras exposições itinerantes pelo Estado. Nas cerimônias públicas, uma chuva de pétalas de rosas recepcionava-o.

Para estabelecer o seu governo como início de uma nova era, criou os primeiros símbolos do Estado: selo, brasão das armas e distintivo presidencial – o hino e a bandeira tricolor estadual foram oficializados depois, em 1947. O branco, o azul e o rosa deveriam ornamentar todas as insígnias estaduais e, seguindo a filosofia positivista do lema nacional, “Ordem e progresso”, determinou a inscrição da divisa “Trabalha e Confia” nos símbolos do Espírito Santo. De acordo com a tradição, tal slogan foi inspirado na sua formação religiosa em colégios jesuítas: “Trabalha, como se tudo dependesse de ti. Confia, como se tudo dependesse de Deus”. Stella de Novaes classifica o lema como “belo, profético, vibrante e glorioso”. Tamanha exaltação é, em parte, compreensível, pois a historiadora é sobrinha de Jerônimo Monteiro.

Ícone maior da República Velha no Espírito Santo, Jerônimo Monteiro praticamente nasceu (1870) e morreu (1933) com ela. Hoje, além de seu nome “batizar” uma cidade inteira, no sul do Estado, em muitas outras a avenida principal traz a sua marca. De certa forma, fazemos, mesmo que inconscientemente, o culto à personalidade e à memória de um “coronel ilustrado” que conseguiu sua própria grandeza. O monteirismo sobreviveu ao seu fundador.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002 
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Símbolos do ES
>>
 
A oligarquia dos Monteiro
>>
 
100 Anos de Jerônimo Monteiro 
>>
 
Jerônimo Monteiro
>>
 
Origem da família Monteiro 
>>
 
Pacto entre as elites 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Por que Morro do Moreno?

Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo