Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro

Jerônimo Monteiro

Houve um tempo em que Vitória foi transformada em um canteiro de obras. Prédios antigos eram derrubados para a abertura de avenidas, construção de praças e jardins e implantação de rede de água e de energia elétrica. A reforma do sistema de ensino vinha através da construção de colégios e do surgimento das escolas particulares. Quando aconteceu isso tudo? Há quase um século, no Governo de Jerônimo Monteiro, de 1908 a 1912.

Essa revolução ocorrida em Vitória e no Espírito Santo é contada no livro"Jerônimo Monteiro", escrito pelo historiador Carlos Benevides Lima Jr. para a coleção Grandes Nomes do Espírito Santo.

A coleção terá 36 títulos, sendo que os 12 primeiros serão lançados até agosto de 2005. Os dois primeiros foram sobre o engenheiro Ceciliano Abel de Almeida e sobre a cantora Maysa Matarazzo.

Os próximos lançamentos serão as biografias do ex-senador João Calmon (em março); do arcebispo de Vitória Dom João Baptista da Motta e Albuquerque (27 de abril); do donatário Vasco Fernandes Coutinho (23 de maio); do padre José de Anchieta (6 de junho).

Os volumes sobre os cronistas Rubem Braga e José Carlos Oliveira, a cantora Nara Leão, o cientista Augusto Ruschi e o ex-governador Jones dos Santos Neves ainda não têm data definida.

Para Carlos Benevides Lima Jr., que já tem 3 livros publicados sobre a baía de Vitória e 2 sobre Conceição da Barra, Jerônimo Monteiro foi o que hoje em dia poderia ser chamado de um homem empreendedor.

"Ele modernizou a administração, urbanizou a Capital e levou o desenvolviemnto ao interior, até então entregue à iniciativa dos imigrantes europeus", explica ele.

Carlos Benevides acentua, porém, que todo esse trabalho teve um preço. "O Governo ficou endividado, mas, mesmo assim, quando deixou o cargo, ele elegeu seu sucessor, Mascondes de Souza", revela.

Algumas obras do governo de Jerônimo Monteiro:

Jerônimo Monteiro, no seu histórico e insuperável governo reformou o Palácio, modificou também a escadaria. Foi um projeto e construção do engenheiro francês Justin Norbert. As escadarias de palácio da Santa Casa de Misericórdia e a do Carmo foram obras de Jerônimo Monteiro.

Já em Vila Velha e Vitória a introdução do bonde como meio de transporte deu-se em 1910, no governo de Jerônimo Monteiro.

 

Fonte: A Gazeta



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Quem era Luiz Barbosa Leão - Por Elmo Elton

Quem era Luiz Barbosa Leão - Por Elmo Elton

Luiz Barbosa Leão, veio para o Brasil com dezoito anos, a conselho de dois tios: Dom Antônio Barbosa Leão, bispo do Porto e José Barbosa Leão, médico cirurgião, político, jornalista e filósofo 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Nêni recebeu da avó Riqueta, em 1919, uma função: “fazer o levantamento da escrita” da Fazenda Monte Líbano

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo III

Nasceu Jerônimo a 4 de junho de 1870, na casa-grande inaugurada em 1869, no batizado de Helena

Ver Artigo
Zacimba Gaba – Princesa, Escrava e Guerreira

Zacimba, que havia, “ainda mocinha”, cruzado o Atlântico naquelas precárias embarcações que traziam até 500 escravos, sabia muito bem o que devia representar a liberdade para o seu povo

Ver Artigo
Francisco Gil Araújo - Por Nara Saletto

Francisco Gil de Araújo nasceu na Bahia, filho de um rico mercador, Pedro Garcia, e de Maria de Araújo, descendente do famoso Caramuru

Ver Artigo