Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro

Jerônimo Monteiro

Houve um tempo em que Vitória foi transformada em um canteiro de obras. Prédios antigos eram derrubados para a abertura de avenidas, construção de praças e jardins e implantação de rede de água e de energia elétrica. A reforma do sistema de ensino vinha através da construção de colégios e do surgimento das escolas particulares. Quando aconteceu isso tudo? Há quase um século, no Governo de Jerônimo Monteiro, de 1908 a 1912.

Essa revolução ocorrida em Vitória e no Espírito Santo é contada no livro"Jerônimo Monteiro", escrito pelo historiador Carlos Benevides Lima Jr. para a coleção Grandes Nomes do Espírito Santo.

A coleção terá 36 títulos, sendo que os 12 primeiros serão lançados até agosto de 2005. Os dois primeiros foram sobre o engenheiro Ceciliano Abel de Almeida e sobre a cantora Maysa Matarazzo.

Os próximos lançamentos serão as biografias do ex-senador João Calmon (em março); do arcebispo de Vitória Dom João Baptista da Motta e Albuquerque (27 de abril); do donatário Vasco Fernandes Coutinho (23 de maio); do padre José de Anchieta (6 de junho).

Os volumes sobre os cronistas Rubem Braga e José Carlos Oliveira, a cantora Nara Leão, o cientista Augusto Ruschi e o ex-governador Jones dos Santos Neves ainda não têm data definida.

Para Carlos Benevides Lima Jr., que já tem 3 livros publicados sobre a baía de Vitória e 2 sobre Conceição da Barra, Jerônimo Monteiro foi o que hoje em dia poderia ser chamado de um homem empreendedor.

"Ele modernizou a administração, urbanizou a Capital e levou o desenvolviemnto ao interior, até então entregue à iniciativa dos imigrantes europeus", explica ele.

Carlos Benevides acentua, porém, que todo esse trabalho teve um preço. "O Governo ficou endividado, mas, mesmo assim, quando deixou o cargo, ele elegeu seu sucessor, Mascondes de Souza", revela.

Algumas obras do governo de Jerônimo Monteiro:

Jerônimo Monteiro, no seu histórico e insuperável governo reformou o Palácio, modificou também a escadaria. Foi um projeto e construção do engenheiro francês Justin Norbert. As escadarias de palácio da Santa Casa de Misericórdia e a do Carmo foram obras de Jerônimo Monteiro.

Já em Vila Velha e Vitória a introdução do bonde como meio de transporte deu-se em 1910, no governo de Jerônimo Monteiro.

 

Fonte: A Gazeta



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O dia 13 de fevereiro de 1930 amanheceu com sol forte, típico dia de verão. O adolescente Antônio Gil Vellozo, de 13 anos, acordou contente. É que o pai, o provecto professor Luiz Adolfo Thiers Vellozo...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Saldanha e o seu oceano - Peter Falcão

O Espírito Santo tinha times fantásticos de polo aquático no Saldanha, Álvares e Náutico Brasil, entre outros clubes

Ver Artigo
Centro de línguas para a comunidade - Por Jô Drumont

A experiência iniciou-se em 1993, com apenas 60 alunos. Quatro anos após, já contava com cerca de 7.500 inscritos

Ver Artigo
UFES 65 anos - reminiscências do curso de Direito - Por Getúlio Marcos Pereira Neves

Ao professor Antônio Benedito Amâncio Pereira devo o início da minha vida funcional

Ver Artigo
Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
Campus Alaor de Queiroz Araujo - Por Aldo José Barroca

Na década de 1930, estudantes capixabas já frequentavam cursos superiores em Vitória, até que, em 5 de maio de 1954, o governador Jones dos Santos Neves criou a Universidade do Espírito Santo, unindo os cursos dispersos

Ver Artigo