Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jesuítas bandeirantes e morte de Francisco de Aguiar Coutinho

Embora Misael Pena tenha escrito que Francisco de Aguiar Coutinho se retirara da capitania “sem deixar nenhuma outra notícia a seu respeito”,(22) sabe-se hoje que a seis de março de 1627 já estava morto, pois nessa data foi nomeado Manuel d’Escovar Cabral para governar a donataria.(23)

Em meio às atribulações trazidas ao Brasil pela presença dos holandeses em seu território, continuava presente no espírito de governantes e governados a preocupação das minas. No Espírito Santo, os jesuítas, que a princípio só tinham olhos e atenções para os índios e sua conversão, passaram a se interessar também – como toda a gente – pelas esmeraldas. Até mesmo um alvará, acompanhado de quatro mil cruzados, conseguiram os inacianos da Coroa.(24)

A expedição que organizaram, dirigida pelo padre Inácio de Siqueira, esteve no sertão entre 1636 e 1641.(25) Penetrou até o atual Estado de Minas Gerais e regressou sem ter alcançado seu objetivo – a Serra das Esmeraldas – “que, na verdade, não se descobriu nunca, porque, de fato, como tal, não existia, e era uma transposição telúrica da Lagoa Dourada amazônica, aliás fecunda como acicate permanente de entradas e bandeiras”.(26)

Os padres da Companhia voltariam novamente a perlustrar as terras das esmeraldas, em 1646. Acompanhavam-nos agora Domingos e Antônio de Azeredo,(27) filhos de Marcos de Azeredo. Como a anterior, a nova expedição não logrou resultados, atribuindo-se o malogro às desavenças entre os dois irmãos sertanistas e Antônio do Couto e Almeida, então capitão-mor do Espírito Santo.(28)

 

NOTAS

(22) - História, 64.

(23) - Diz a provisão de Diogo de Oliveira: “havendo respeito a estarem vagos os Cargos de Capitão-mor, Ouvidor, e Provedor da Fazenda da Capitania do Espirito Santo deste Estado por fallecimento do Donatario della, e pelas duvidas, que a Camara da Villa de Nossa Senhora da Victoria da mesma Capitania moveu a Francisco Garcia dos Santos sobre o provimento, que trouxe da pessoa, que sucedeu na dita doação ... hei por bem de prover ao dito Manoel d’Escovar Cabral dos ditos cargos de Capitão-mor, Ouvidor, e Provedor da Fazenda da dita Capitania do Espirito Santo para os servir misticamente” (DH, XV, 118-9).

(24) - FREIRE, Capitania, 54.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

História do ES

A história do Jornal A GAZETA

A história do Jornal A GAZETA

Conheça a história do jornal A GAZETA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Governos melancólicos do Século XIX no ES

Os jornais espelham a vida pacata. Noticiário relativo à administração e política de aldeia

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Periodização da História do ES

REPUBLICA VELHA (1889-1930) Durante a República Velha, as elites do Espírito Santo, independente de seus pequenos desentendimentos no campo político, tentaram dar um impulso à economia local.

Ver Artigo
A República

Aos dezesseis de setembro de 1888, reuniu-se, em Cachoeiro de Itapemirim, o primeiro Congresso Republicano Provincial do Espírito Santo

Ver Artigo