Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jesuítas fundam o primeiro colégio

No local do primeiro colégio dos jesuítas e igreja de São Tiago, a sede do Governo do Estado, depois de muitas reformas - Foto: Chico Guedes

A chegada dos jesuítas ao Estado inaugura uma nova era, propiciando uma sensível mudança no modo de agir de muitos colonos e certa moderação nas atitudes dos indígenas

Os discípulos de Santo Inácio aportaram no Espírito Santo em 1551, representados pelo Padre Afonso Brás, de 27 anos, e o irmão Simão Gonçalves. A Capitania do Espírito Santo, vista de fora ou antes de se sentirem de perto as suas dificuldades, parecia um pouco a Terra da Promissão.

O Padre Afonso Brás, que já conhecia a costa desde a Bahia, não escondeu o seu entusiasmo:

..."Esta, onde ao presente estou, é a melhor e a mais fértil de todo o Brasil" (Leite, Serafim — História da Companhia de Jesus — vol. I).

Apesar de a história do Espírito Santo, nas primeiras épocas, ser uma sucessão de encarniçadas lutas entre os colonos que ocupavam apenas o litoral e os índios que desciam, de repente, em correrias até a costa, a Companhia de Jesus não encontrou, nesta Capitania, algumas das sérias dificuldades que acompanharam o seu desenvolvimento em outras partes do Brasil.

O que caracterizava o primeiro jesuíta que chegou ao Espírito Santo, o Padre Afonso Brás, além das atividades especiais de sacerdote, era a sua qualidade de arquiteto, exercida aqui, no Rio de Janeiro e em São Paulo, durante mais de meio século de apostolado nas terras do Brasil.

Assim escreve Serafim Leite, na sua História da Companhia de Jesus no Brasil, vol.VI: "O Padre Afonso Brás, em 1551, já principiara a construção de uma casa, cujos ecos chegaram logo à Bahia, onde pretendia ensinar as primeiras letras e os mandamentos cristãos. Quando o Padre Manuel da Nóbrega e Tomé de Souza (primeiro governador-geral do Brasil) passaram em Vitória, no ano de 1552, já encontraram o Colégio São Tiago, grande casa e igreja (onde é hoje o Palácio Anchieta). Entrando com o governador-geral na igreja, Nóbrega entoou o Veni Creator Spiritus, alusão ao nome da terra que pisavam. A igreja ou recebeu o nome de alguma capelinha que ali existisse anteriormente, ou talvez fosse inaugurada em 25 de julho de 1551, o que explicaria a invocação de São Tiago".

Afonso Brás foi assim o fundador do primeiro colégio da Capitania do Espírito Santo e também o primeiro professor de letras. Foi um admirável incentivador de jovens para a sua "escola de ler, escrever e algarismos". E arquiteto e construtor da Igreja de São Tiago da Vila Nova de Nossa Senhora da Vitória.

O historiador José Teixeira de Oliveira conta que o jesuíta ficou assombrado com a quantidade de índios que encontrou em terras capixabas: "São tantos, e a terra é tão grande que, se não guerreassem tanto e se não se comessem uns aos outros, não caberiam na terra".

Receava também batizar os gentios "pela sua inconstância e pouca firmeza". Diz que muitos deles, após terem recebido o primeiro sacramento, haviam fugido para os matos e "andavam depois piores do que antes, e voltavam a meter-se com seus vícios e comer carne humana". Afonso Brás não ficou no Espírito Santo. Transferiu-se para São Paulo, obedecendo a ordens do Padre Manuel da Nóbrega. Em terras paulistas, além dos serviços religiosos, espalhou largamente o seu talento de arquiteto e de artista das profissões elementares. Deixara plantada no Espírito Santo a Casa de São Tiago (hoje Palácio Anchieta), sob a forma de colégio e seminário. Esse colégio deveria ser um guia da educação por mais de duzentos anos. E depois, por outros muitos e muitos anos, pólo das atividades políticas e administrativas da Capitania, depois Província e hoje Estado.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 19/08/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Variedades

A História do Carnaval

A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
As aldeias e os jesuítas no ES – Por Celso Perota

Um tema que está para ser estudado com maior profundidade é a atuação dos jesuítas na Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Capitania melhora com a vinda de missionários

Primeiro foi Frei Pedro Palácios, franciscano. Depois vieram os padres jesuítas, o rei pediu sua ajuda para civilizar colonos e índios no Brasil

Ver Artigo
Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Ver Artigo
Anchieta, Cultura e Santidade

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa 

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo
Os vários grupos de índios – Por Celso Perota

Habitaram a área do atual Estado do Espírito Santo representantes de dois troncos lingüísticos: o tupi-guarani e o jê

Ver Artigo