Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jesuítas fundam o primeiro colégio

No local do primeiro colégio dos jesuítas e igreja de São Tiago, a sede do Governo do Estado, depois de muitas reformas - Foto: Chico Guedes

A chegada dos jesuítas ao Estado inaugura uma nova era, propiciando uma sensível mudança no modo de agir de muitos colonos e certa moderação nas atitudes dos indígenas

Os discípulos de Santo Inácio aportaram no Espírito Santo em 1551, representados pelo Padre Afonso Brás, de 27 anos, e o irmão Simão Gonçalves. A Capitania do Espírito Santo, vista de fora ou antes de se sentirem de perto as suas dificuldades, parecia um pouco a Terra da Promissão.

O Padre Afonso Brás, que já conhecia a costa desde a Bahia, não escondeu o seu entusiasmo:

..."Esta, onde ao presente estou, é a melhor e a mais fértil de todo o Brasil" (Leite, Serafim — História da Companhia de Jesus — vol. I).

Apesar de a história do Espírito Santo, nas primeiras épocas, ser uma sucessão de encarniçadas lutas entre os colonos que ocupavam apenas o litoral e os índios que desciam, de repente, em correrias até a costa, a Companhia de Jesus não encontrou, nesta Capitania, algumas das sérias dificuldades que acompanharam o seu desenvolvimento em outras partes do Brasil.

O que caracterizava o primeiro jesuíta que chegou ao Espírito Santo, o Padre Afonso Brás, além das atividades especiais de sacerdote, era a sua qualidade de arquiteto, exercida aqui, no Rio de Janeiro e em São Paulo, durante mais de meio século de apostolado nas terras do Brasil.

Assim escreve Serafim Leite, na sua História da Companhia de Jesus no Brasil, vol.VI: "O Padre Afonso Brás, em 1551, já principiara a construção de uma casa, cujos ecos chegaram logo à Bahia, onde pretendia ensinar as primeiras letras e os mandamentos cristãos. Quando o Padre Manuel da Nóbrega e Tomé de Souza (primeiro governador-geral do Brasil) passaram em Vitória, no ano de 1552, já encontraram o Colégio São Tiago, grande casa e igreja (onde é hoje o Palácio Anchieta). Entrando com o governador-geral na igreja, Nóbrega entoou o Veni Creator Spiritus, alusão ao nome da terra que pisavam. A igreja ou recebeu o nome de alguma capelinha que ali existisse anteriormente, ou talvez fosse inaugurada em 25 de julho de 1551, o que explicaria a invocação de São Tiago".

Afonso Brás foi assim o fundador do primeiro colégio da Capitania do Espírito Santo e também o primeiro professor de letras. Foi um admirável incentivador de jovens para a sua "escola de ler, escrever e algarismos". E arquiteto e construtor da Igreja de São Tiago da Vila Nova de Nossa Senhora da Vitória.

O historiador José Teixeira de Oliveira conta que o jesuíta ficou assombrado com a quantidade de índios que encontrou em terras capixabas: "São tantos, e a terra é tão grande que, se não guerreassem tanto e se não se comessem uns aos outros, não caberiam na terra".

Receava também batizar os gentios "pela sua inconstância e pouca firmeza". Diz que muitos deles, após terem recebido o primeiro sacramento, haviam fugido para os matos e "andavam depois piores do que antes, e voltavam a meter-se com seus vícios e comer carne humana". Afonso Brás não ficou no Espírito Santo. Transferiu-se para São Paulo, obedecendo a ordens do Padre Manuel da Nóbrega. Em terras paulistas, além dos serviços religiosos, espalhou largamente o seu talento de arquiteto e de artista das profissões elementares. Deixara plantada no Espírito Santo a Casa de São Tiago (hoje Palácio Anchieta), sob a forma de colégio e seminário. Esse colégio deveria ser um guia da educação por mais de duzentos anos. E depois, por outros muitos e muitos anos, pólo das atividades políticas e administrativas da Capitania, depois Província e hoje Estado.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 19/08/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Variedades

A Igrejinha de Monte Serrat

A Igrejinha de Monte Serrat

A Igrejinha de Monte Serrat é solidamente construída em alvenaria, com grossas paredes, embora tenha uma área bastante reduzida, onde mal cabem 5 pessoas em pé. O material de construção foi levado para o alto da pedra no lombo de animais de carga ou às costas de pessoas que ajudaram na obra

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
As aldeias e os jesuítas no ES – Por Celso Perota

Um tema que está para ser estudado com maior profundidade é a atuação dos jesuítas na Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Capitania melhora com a vinda de missionários

Primeiro foi Frei Pedro Palácios, franciscano. Depois vieram os padres jesuítas, o rei pediu sua ajuda para civilizar colonos e índios no Brasil

Ver Artigo
Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Ver Artigo
Anchieta, Cultura e Santidade

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa 

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo
Os vários grupos de índios – Por Celso Perota

Habitaram a área do atual Estado do Espírito Santo representantes de dois troncos lingüísticos: o tupi-guarani e o jê

Ver Artigo