Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

João de Laet

Convento da Penha Expedição Thayer - Hartt, 1870

Auguste de Saint Hilaire no seu livro “SEGUNDA VIAGEM AO INTERIOR DO BRASIL – ESPÍRITO SANTO”, registra:

“João de Laet que escrevia em 1633 descreveu melhor a baía do Espírito Santo que os modernos. Eis, com efeito, como se exprime:“. . . porém, o porto da cidade, segundo nossos patrícios observaram, assim me apresenta: abre-se em proporcionado seio, o que este continente admite aberto para o oriente em que há algumas ilhotas esparsas; porém, para o lado do norte, recifes e baixios jazem insidiosos aos navegantes; mas, de repente, os que chegam observam primeiramente um monte alto em forma de campainha, ao qual os navegantes dirigem seu rumo; o local está, porém, entre o continente, duas léguas pouco mais ou menos da praia; depois, um pouco próximo das plagas de areia, vê-se uma torre branca em um monte a pique, não distante do oceano; é uma igrejinha que os portugueses chamam Nossa Senhora da Penha, fechada por um âmbito murado onde outrora houve o município, do qual ainda restam algumas casas e hoje chamam esse lugar de Vila Velha cuja chegada é precedida por enseadas, as quais aperta, ao chegar, uma ilha pequena e oblonga. Daí em diante a navegação é mais fácil e menos perigosa. Aos que chegam, porém, mostra-se primeiramente, o lado direito, uma pedra surgindo do solo à maneira de cone obtuso; depois pela esquerda, um monte elevado a que os portugueses chamam de Pão de Açúcar, porque tem essa forma. Dessa região para a direita vê-se um porto largo e um pequeno quadrado edificado, de pequenas casas, e assim finalmente chega-se à mesma cidade construída à direita, com um porto largo a três léguas do alto mar, pouco mais ou menos, e não cortada por nenhum fosso nem muralhas”.

 

Fonte: O Convento da Penha – Um templo histórico, tradicional e famoso – 1534 a 1951
1º Lugar no “Prêmio Cidade de Vitória – 1951
Autor: Norbertino Bahiense

Convento da Penha

O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Inscrições – Por Maria da Gloria de Freitas Duarte

Em Vila Velha e nos seus arredores são encontradas várias inscrições, históricas ou não, como as que registramos

Ver Artigo
História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo