Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

João de Laet

Convento da Penha Expedição Thayer - Hartt, 1870

Auguste de Saint Hilaire no seu livro “SEGUNDA VIAGEM AO INTERIOR DO BRASIL – ESPÍRITO SANTO”, registra:

“João de Laet que escrevia em 1633 descreveu melhor a baía do Espírito Santo que os modernos. Eis, com efeito, como se exprime:“. . . porém, o porto da cidade, segundo nossos patrícios observaram, assim me apresenta: abre-se em proporcionado seio, o que este continente admite aberto para o oriente em que há algumas ilhotas esparsas; porém, para o lado do norte, recifes e baixios jazem insidiosos aos navegantes; mas, de repente, os que chegam observam primeiramente um monte alto em forma de campainha, ao qual os navegantes dirigem seu rumo; o local está, porém, entre o continente, duas léguas pouco mais ou menos da praia; depois, um pouco próximo das plagas de areia, vê-se uma torre branca em um monte a pique, não distante do oceano; é uma igrejinha que os portugueses chamam Nossa Senhora da Penha, fechada por um âmbito murado onde outrora houve o município, do qual ainda restam algumas casas e hoje chamam esse lugar de Vila Velha cuja chegada é precedida por enseadas, as quais aperta, ao chegar, uma ilha pequena e oblonga. Daí em diante a navegação é mais fácil e menos perigosa. Aos que chegam, porém, mostra-se primeiramente, o lado direito, uma pedra surgindo do solo à maneira de cone obtuso; depois pela esquerda, um monte elevado a que os portugueses chamam de Pão de Açúcar, porque tem essa forma. Dessa região para a direita vê-se um porto largo e um pequeno quadrado edificado, de pequenas casas, e assim finalmente chega-se à mesma cidade construída à direita, com um porto largo a três léguas do alto mar, pouco mais ou menos, e não cortada por nenhum fosso nem muralhas”.

 

Fonte: O Convento da Penha – Um templo histórico, tradicional e famoso – 1534 a 1951
1º Lugar no “Prêmio Cidade de Vitória – 1951
Autor: Norbertino Bahiense

Convento da Penha

O Pórtico do Convento

O Pórtico do Convento

Certa vez, na Casa da Memória de Vila Velha, houve uma pergunta a respeito do antigo Portão dos Fiéis.- O que nos dizem aquelas duas figuras humanas moldadas no “frontispício” desse portão?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo
As Festividades da Penha – Por Heribaldo Lopes Balestero

Gottfrio Alberto Anders prestou homenagem à memória de Frei Pedro Palácios, inaugurando-lhe a estátua na praça fronteira ao pórtico, na Prainha

Ver Artigo
Visitantes Ilustres do Convento da Penha – Os Primeiros (Parte I)

Outras personagens lá estiveram e entre elas a própria Dona Luísa Grinalda, que, como Governadora da Capitania

Ver Artigo
Origem do nome Convento da Penha

Nossa Senhora da Penha era o cognome da Nossa Senhora dos Prazeres ou das Alegrias, amplamente venerada pelos fiéis que cultuavam Maria Santíssima. Os antigos portugueses a veneravam como Nossa Senhora da Penha de Cintra,

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo