Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jones dos Santos Neves

Jones dos Santos Neves

UCHÔA DE MENDONÇA

Dia 29 de dezembro de 2001 é uma data importante para o Estado do Espírito Santo. Marca o centenário de nascimento de uma das personalidades mais fascinantes, mais criativas e mais dinâmicas de nossa história política: o homem público Jones dos Santos Neves.

Nascido na localidade de Bananal, na fazenda de propriedade do seu pai, em São Mateus, esse homem probo, que começou sua vida com a profissão de farmacêutico, tornou-se político, chegando a interventor federal, no período do Estado Novo, de 1943 a 1945, quando elegeu-se senador da República. Voltou ao governo do Estado em 1951, pelo voto direto, realizando uma notável administração, abrindo o Estado ao desenvolvimento industrial.

Trabalhador incansável, Jones dedicou-se um pouco da arte de fazer política, talvez devido à sua vocação de verdadeiro estadista, permitindo, assim, que a demagogia dos adversários apresentasse, como seu substituto, um concorrente populista, apelidado de “Chiquinho” (Francisco Lacerda de Aguiar), que destruiu a economia do Estado – tudo aquilo que tinha sido construído por Carlos Lindenberg e Jones dos Santos Neves, os dois primeiros governadores depois do fim do regime do Estado Novo. Foi necessário o retorno de Carlos Lindenberg, em 1959, para restaurar as finanças e a moralidade pública, terrivelmente arrasadas por atos inconseqüentes de “Chiquinho”.

Em outubro de 1962, Jones dos Santos Neves, estimulado por amigos admiradores, voltou à política capixaba, desta vez para concorrer novamente ao governo, tendo como candidato de oposição o mesmo “Chiquinho” Aguiar. Por um destes infames lapsos de memória do eleitor, elegeram novamente o “dr Chiquinho”, voltando o Estado a mais um período de profundo descrédito. Com o surgimento do movimento revolucionário de 1964, diante dos escândalos que ocorriam no Espírito Santo, os militares pressionaram o então governador “Chiquinho” para renunciar – o que aconteceu, em 1966.

Jones assistiu aos acontecimentos do Estado de perto, porque aqui continuou, largando seus negócios no Rio de Janeiro, para permanecer no Espírito Santo até o final de seus dias. Idealista, correto, mereceu dura campanha por parte dos seus oposicionistas, porque não respondia aos ataques que lhe eram movidos, principalmente contra alguns de seus secretários, que eram acusados de desonestidade – o tempo provou que tudo não passava de calúnias, informações infundadas e que jamais foram provadas. Enquanto isso, aqueles opositores, quando no poder, pintaram e bordaram, mostrando que a coisa era totalmente inversa. Assim, o Espírito Santo, pela má política, perdia um dos mais respeitáveis governantes, que prestou ao Estado os mais relevantes serviços.

A satisfação de Jones veio em 1967, com a eleição de seu ex-auxiliar e amigo Chistiano Dias Lopes Filho, que realizou um dos mais extraordinários governos do Estado.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002
AUTOR: JOSÉ P. SCHAYDER

O ARTIGO FOI PUBLICADO NA GAZETA EM 28/12/2001 – SOFREU PEQUENOS CORTES A ALGUMAS ADAPTAÇÕES CONFORME FONTE ACIMA CITADA PG. 149.

História do ES

Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo