Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

KÁTIA BOBBIO

Convite para lançamento de Kátia Bobbio - Literatura de Cordel

Quando menina, Kátia, natural de Conceição da Barra, teve o primeiro contato com a literatura de cordel numas férias no interior da Bahia. Logo, ela resolveu juntar o cordel com o folclore capixaba. "Conceição da Barra é um lugar repleto de manifestações folclóricas ricas, como o Ticumbi e muitas outras", conta a escritora.

Considerada a primeira escritora de literatura de cordel capixaba, além de pintora, poetisa, declamadora e bacharel em direito.

São mais de 100 (cem) títulos de cordel escritos e publicados sobre temas variados, inclusive sobre monumentos, personalidades e vultos históricos do Estado do Espírito Santo. Com 98 exposições de pinturas entre individuais e coletivas e várias declamações e participações em escritos literários.

O conjunto de sua obra artística nos faz pensar, quão envolvente foi o seu percurso de vida, desde a infância até os dias atuais, pois ela retrata tão bem e em minúcias determinados movimentos históricos do Espírito Santo que o cenário artístico e cultural de cada época trabalhado, ganha um novo brilho e cor no que ela se propõe.

Premiada várias vezes com medalhas e menção honrosa. Conhece todo o Brasil. Viajou pela Europa e América Latina visitando museus e galerias de arte, ampliando ainda mais os seus conhecimentos em pintura e literatura. Mas a sua maior atração é pela beleza, que o seu Estado oferece. Por isso KÁTIA BOBBIO se dedica com tamanha sensibilidade a pintar e mostrar as maravilhas de sua terra em prol da ecologia capixaba. A sua obra é sempre marcada pela regionalidade, onde mostra as cidades do interior e os seus belíssimos pontos turísticos, as montanhas, as praias, os rios e lagoas, os mangues e as dunas do nosso litoral.

E, realmente, KÁTIA BOBBIO desde criança sempre esteve envolvida com as tradições de sua terra natal (Conceição da Barra), ora vestida de Anjo coroando Nossa Senhora, ora vestida de Pastorinha bailando em frente ao Menino Jesus, ao som do bandolim de dona Nininha.

Toda essa experiência e conhecimento sobre a história, cultura e geografia do povo capixaba, ela consegue transpor em seus trabalhos de obras de arte.

 

Fonte: Site Kátia Bobbio e Século Diário - pesquisado por Walter de Aguiar Filho, 25/04/2011 

Escritores Capixabas

O Jornalista e o Poeta - Por Adilson Vilaça de Freitas

O Jornalista e o Poeta - Por Adilson Vilaça de Freitas

"Vilaça, esse trecho do livro você vai escrever. Eu não sou poeta”, disse o Luzimar apresentando-me uma “lauda” fabricada com papel de embrulho da lanchonete. O texto está na página 70 do livro Massacre em Ecoporanga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As Associações ou fac et spera – Por Fernando Achiamé

O Lions e as domadoras. 'Está para o Rotary como a Pepsi para a Coca-Cola'

Ver Artigo
Os outros todos ou et coetera ou sursum corda – Por Fernando Achiamé

Na Seção de Obras Raras da Biblioteca Pública Estadual foram localizadas quatro pastas com recortes de jornais de Vitória e alguns do Rio de Janeiro contendo notícias da cidade referentes às décadas de 30 a 60

Ver Artigo
Os movimentos comunitários ou honi soit qui mal y pense – Por Fernando Achiamé

Em destaque estão a Associação de Moradores da Ilha de Santa Maria e Monte Belo e a Associação de Moradores da Praia do Canto. Escreve sobre os fatores do aparecimento destas associações

Ver Artigo
Movimento Sindical – Por Fernando Achiamé

Naquela época ficavam encostados junto dos armazéns do porto pelo lado da avenida Getúlio Vargas vários canos de ferro muito grossos que estavam sendo enterrados para aumentar o volume do abastecimento d'água de Vitória

Ver Artigo