Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lançamento da Pedra Fundamental do Siribeira Clube

Comodoro Heliomar na Inauguração da nova sede do Siribeira Clube de Guarapari

Ata da solenidade do lançamento da pedra fundamental e início da construção da sede social do “Siribeira Clube”.

Aos dez (10 dias do mês de junho do ano de mil novecentos e cinquenta e um (1951), às dez, horas, nesta cidade de Guarapari, município do Estado do Espírito Santo, presentes o senhor doutor Hermes Curri Carneiro, Secretário da Agricultura, do Estado, por si e como representante do Exmº Sr. Governador do Estado, Jones Santos Neves, o doutor Meroveu Pereira Cardoso, Juiz de Direito da Comarca, o  senhor Epaminondas Oswaldo de Almeida, Presidente da Câmara Municipal, membros da Diretoria do “Siribeira Clube” e grande número de sócios e pessoas gratas, realizou-se a solenidade do início da construção da sede definitiva do mencionado Clube, fundado, nesta cidade, em 18 de fevereiro de mil novecentos e quarenta e sete (1947), com finalidade náutica social e esportiva.

A referida sede se erguerá em terreno próprio, de marinhas, cedido pelo Governo da União e localizado na península Siribeira, assim chamada por possuir árvore secular, desse nome e onde também foi buscar a dita organização social e esportiva nome de batismo.

A solenidade foi aberta com a palavra do Comodoro do Clube, Heliomar Carneiro da Cunha que, historiando a vida da sociedade desde a sua fundação, chegou ao ato do Lançamento da pedra fundamental da sede social para congratular-se com o senhor Prefeito Municipal pelo valor que a obra representará na vida turística e social da cidade e com os senhores associados pela valiosa e decidida colaboração que prestaram para a realidade de uma iniciativa que a todos pertence.

Do que se passou foi lavrada a presente ata que, assinada por mim, Alceu Serrano Vieira, na qualidade de secretário ad-hoc e por todas as pessoas presentes, será depositada com moedas correntes e jornais do dia, em urna própria, no alicerce do prédio como se faz, de hábito, ao ser lançada a pedra fundamental de construções destinadas a relevo e projeção nos destinos sociais e esportivos de um povo.

 

Fonte: Informativo Siribeira, nº 4 - Ano III,  1º Trimestre 1985
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

 

 

 

 

 

 

Variedades

1ª Gafieira de Vitória - Por Marien Calixte

1ª Gafieira de Vitória - Por Marien Calixte

"Está Cruel" foi a primeira gafieira ou casa de danças de Vitória. O sobradinho número 170 da avenida Duarte Lemos, na Vila Rubim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O 1º Clube Carnavalesco de Vitória

Funda-se neste ano de 1874, nesta capital, uma sociedade com o título Clube Recreio Carnavalesco, com o fim de oferecer a seus sócios distrações

Ver Artigo
A História do Carnaval no Brasil - Por Haroldo Costa

Defendo com ardor e a mais profunda convicção que o nosso Carnaval representa hoje a mais fiel tradução das nossas heranças, contradições, perplexidades e perspectivas

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo
A maior tentação do poeta é ser poeta (para Otinho)

Poetas são exímios jogadores de esperteza. A palavra é sua peça de xadrez, seu dominó. Ao contrário dos que blasfemam, o poeta não é nuvem, nem inútil. O poeta tem corpo, é coisa sólida, pois seu poema é o corpo, mesmo quando morto, e seu poema é a alma de quem o lê

Ver Artigo
Casas antigas guardam histórias e mistérios (1ª parte)

No centro da cidade, casas quase centenárias a abandonadas causam medo e desconfiança 

Ver Artigo