Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lei Eusébio de Queirós

Navio Negreiro

Depois de muito resistir e sofrer diversas agressões à sua soberania, o Brasil cedeu às pressões inglesas. Os deputados do Parlamento Brasileiro, após anos de discussão inflamados contra a prepotência inglesa, voltaram e aprovaram a Lei Eusébio de Queirós, em 1850. Ficou determinada a ilegalidade do tráfico negreiro.

Entretanto, não se extingue um costume tricentenário com uma simples lei. Por algum tento, o litoral do Espírito Santo continuou sendo uma zona de desembarque de tumbeiros. O contrabando foi necessário para abastecer regiões que tradicionalmente usavam a mão de obra escrava, como São Mateus, e também as novas fronteiras agrícolas do vale do Rio Itapemirim. Foi exatamente 3m 1850, ano da Lei Eusébio de Queirós, que a produção de café começou a ganhar destaque no sul da província.

Navios negreiros foram aprisionados na Barra do Itapemirim e em São Mateus, nos anos de 1852 e 1856. O interessante é que a embarcação confiscada em São Mateus era inglesa – Mary Smith – e transportava 350 negros.

Enseadas obscuras de Vitória, Guarapari e Piúma também serviam como ancoradouros de pequenas embarcações que traficavam gente.

Complementando as transações legais, internacionais, o “comercio ilícito” continuava abastecendo ao latifúndios com “peças” para trabalho agrícola.

 

Fonte: José P. Schayder - História do Espírito Santo, Uma aborgdagem didática e atualizada 1535-2002
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2011

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo