Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lembranças do internauta

Ponta da Fruta, anos 50

Sou neto do falecido Alfeu Coutinho. Sobrevivia de apanhar madeira na Ponta da Fruta e vender na sua casa na R. São Luiz em Aribiri. O pai do Guilherme, o sr. Vitorino Rauta o conheceu. Constantemente estava por aquelas bandas, numa casa de estuque do meu avô, já demolida. Não tinha luz, ônibus e nem água encanada. Era vela ou lamparina e poço. Só existiam três comércios: do Zé Brasilício, D. Judite-mãe do Jorge Goes-ex-presidente do Tribunal de Justica e do Sampaio.

A lagoa era usada para banho de limpeza corporal e lavar roupa. A carona para ida e vinda era fornecida pelo EUSÉBIO, motorista da prefeitura de Vila Velha, e eterno técnico de futebol, numa caçamba. Joguei vários anos pelo Atlântico F.C, mesmo tendo de me deslocar de PAUL. Estas lembranças me vieram há mente com a foto da Igreja da Ponta da Fruta. Incluir há ponte Madalena, Barramar,etc. Apanhava o bonde em Paul e soltava em frente há Praça D.Caxias e seguia para o Colégio Marista. Estudei lá, ano de 1958.

Fui do tempo do Albuíno ex-governador e Ivanovitch, goleiro do Atlético. Maurinho, João Manoel, Domicio, Julio Prates (foi da minha sala) Chicô,todos médicos.

Servindo o Exército soltava defronte ao BC. Tomei muito banho na prainha em frente a entrada antiga do Convento. O CABEÇÃO ainda vive em Atayde. Quantas recordações. Enviei para muitos/as pessoas.

Encerro citando Ataulfo Alves: "Eu daria tudo que tivesse, prá voltar aos dias de criança, eu não sei prá que que a gente cresce, se não sai da mente esta lembrança". Mostrei para meus filhos/as e esposa as fotos. Infelizmente não sei se a nova geração conseguirá ter uma coisa que tivemos: SEGURANÇA. Andavamos a qualquer hora do dia ou da noite por nossa linda cidade e ninguém era assaltado ou morto.

Desculpem se tomei o precioso tempo de vocês, mas não suportei e tive que escrever estas singelas palavras.

Por: Nilo walter - Itapuã

 

LINKS RELACIONADOS:

>>  Memórias de um canela-verde
>>  Sessão Nostalgia... 
>> Reminiscências
>>
 
A última lancha da noite
>> O acordeom de Edson Quintaes 
>> Entrevista com Cabeção 



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo