Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Livre para Voar

Morro do Moreno, Voô Livre - Foto: Edson Quintaes

Há séculos o homem busca técnicas de vôo parecidas com as dos pássaros para alimentar o sonho de voar. E os pilotos de vôo livre em asa delta e parapente são unânimes em destacar a sensação de liberdade que é uma verdadeira terapia no ar.

No Espírito Santo existem vários pontos para a prática desse fascinante esporte, que são o Morro do Moreno, em Vila Velha e os municípios de Baixo Guandu, Pancas e Vila Valério.

Os especialistas em vôo livre no Estado revelam que a atual tecnologia e o desenho das asas modernas trazem o prazer de voar em segurança.

O Município de Pancas conta com uma excelente topografia para a prática do vôo livre, atraindo voadores para a região noroeste. Aliás, foi criada uma Associação da Categoria com 21 integrantes. “O vôo livre é um esporte de sucesso em Pancas, já faz parte de etapas do Campeonato da modalidade”, informa o diretor de Turismo e Cultura, Élson Augusto do Nascimento.

Já no município de Baixo Guandu, existe um projeto para incrementar a prática do vôo livre e parapente pelas excelentes condições topográficas da região, registrando no ponto mais alto mais de 900 metros. “É um esporte que enche os olhos dos amantes da liberdade”, diz o chefe do Departamento de Cultura e Lazer da Prefeitura, Pedro Bussular. Ele observa que todo ano é realizado em Baixo Guandu uma etapa do Campeonato Capixaba dessa modalidade.

O instrutor Tadeu Bersot revela que cresce a cada dia o número de pessoas buscando o vôo livre e parapente. “É prazeroso estar nas alturas, presenciar um cenário encantador, se ver livre como um pássaro. Conheço pessoas que tiveram mudança radical, estão de bem com a vida com essa atividade de curtir os ares”, atesta.

Ele, que tem 11 anos de vôo e 10 atuando como instrutor, conta que não leva muito tempo para uma pessoa começar a praticar vôos. No período de dois a quatro meses é o bastante para alguém estar preparado para essa aventura no espaço. “Quem deseja voar deve procurar alguém habilitado, seguindo as exigências contidas no treinamento”.

O Presidente da Associação e Federação de Vôo Livre do Espírito Santo, Abner Paiva Pinheiro Piva, vê o esporte ganhando cada vez mais adeptos graças a um trabalho de divulgação que passa pelo exercício do prazer de voar e a segurança existente por conta dos equipamentos modernos. No Estado, são aproximadamente 200 pilotos de asa delta e parapente, sendo 15% do sexo feminino.

“A prática do vôo livre só faz bem, todas as pessoas manifestam esse prazer”, descreve o dirigente da entidade, lembrando que existe um calendário anual para proporcionar divertimento dos participantes desse esporte. Dagma e Aline, de Venda Nova do Imigrante e Cachoeiro de Itapemirim, são as duas mulheres que se destacam na modalidade. Já entre os homens o piloto Franco Brow, de Vitória, já conquistou o título mundial de vôo livre. No ano de 1999 o Brasil tornou-se campeão mundial de asa delta por equipe.

Fonte: Revista Total Saúde – Abril/ maio de 2006

Links Relacionados:

 Vôo Livre no Moreno
 Vôo dos sonhos
 Morro do Moreno 
 Associação de Vôo livre do Espírito Santo

Aventura

Na rota dos tesouros

Na rota dos tesouros

Navios afundados e riquezas soterradas despertam interesse de aventureiros no ES

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Morro do Moreno

O Morro do Moreno, localizado em Vila Velha – ES, Brasil, debruçado sobre o Oceano Atlântico, é hoje um local perfeito para saltos de parapente, asa-delta e para a prática de escalada

Ver Artigo
Vôo dos Sonhos

Voar livre pelos céus como os pássaros. Esse é um sonho que os homens acalentam desde a Antiguidade...

Ver Artigo
Fotos da Descida Ecológica do Rio Jucu - 2006

Confira algumas cenas do evento que se realizou em 19 de março de 2006, já no trecho da chegada, na Barra do Jucu, sob a Ponte da Madalena

Ver Artigo
Tomaz Cavendish - Por Norbertino Bahiense

O que se sabe, entretanto, é que ele se deu com os holandeses, numa das suas investidas ao famoso Convento e não com o célebre Cavendish

Ver Artigo
O Caboclo Bernardo (Parte I) - Por Rubem Braga (1949)

Parece que não tinha nenhum sangue europeu; era apenas um índio, com seu nome cristão de Bernardo José dos Santos

Ver Artigo