Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Loteamento da Praia da Costa

Foto antiga com a Praia da Costa ao fundo

A ocupação da orla litorânea da cidade começou com o loteamento das terras pertencentes à família Motta durante o segundo mandato do prefeito Eugênio Pacheco de Queiroz, por volta de 1940. A divisão da gleba foi projetada pelo topógrafo Francisco Assumpção de Carvalho (Carvalhinho), que radicou-se na cidade e casou-se com a jovem Zilda Caldeira, filha de família tradicional, com quem teve 3 filhos. A área loteada estava localizada entre a praia da Sereia, a base do Morro do Moreno, o rio da Costa e o limite das terras de Manoel Ferraz Coutinho.

De início, os lotes não despertaram interesse entre os moradores locais, ainda que oferecidos com áreas amplas para receberem residências espaçosas a preços acessíveis. Na verdade, o vilavelhense foi surpreendido com tal tipo de coisa porque ao longo de muitos anos acostumou-se à idéia de que era dono absoluto do seu espaço e do mar infinito. Foi assim que viveu desde a transferência da sede da capitania para a ilha até a metade do século. Todo filho de Vila Velha podia ser comparado às gaivotas no seu vôo livre, flutuando bem alto ao sabor do vento nordeste, que sopra constantemente trazendo o cheiro do mar. Na realidade, ele só despertou com a presença de gente diferente morando em casa nova, logo adiante. Era mais um amigo que ganhava, alegrou-se, mas depois percebeu que perdia um pouco do espaço que pensava ser seu.

Logo depois surgiu o loteamento da segunda grande área litorânea compreendida entre a praia da Costa, o loteamento da propriedade Motta, o rio da Costa e as terras de outros proprietários do lado sul da cidade. Era a gleba conhecida por sítio Flexal ou Frechal, de propriedade de Manoel Ferraz Coutinho. O empreendimento teve a autoria de Albuquerque e Clodomir de Sá Adnet, que vieram de Vitória e fundaram a Sociedade Imobiliária Nossa Senhora da Penha. O loteamento foi aprovado pelo prefeito Domício Ferreira Mendes, em 1950.

E assim, Vila Velha foi descoberta pelas empresas imobiliárias, e como a procela que se lança sobre o rochedo, assim chegaram as empresas de construção que há alguns anos vêm "coroando" Vila Velha como o município que mais cresce no estado. A cidade conta atualmente com uma infinidade de forasteiros, cujos modismos a transformaram, repentinamente, numa cidade cosmopolita e muito estranha.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo - 1999
Autor: Jair Santos

LINKS RELACIONADOS:

 A origem da Praia da Costa



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Rua Santos Pinto – Por Elmo Elton

Rua Santos Pinto – Por Elmo Elton

Rua Santos Pinto, essa artéria, desaparecida quando da abertura da Rua Nestor Gomes, situava-se onde se construiu o jardim fronteiro à Praça João Clímaco

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Muito interessante é o caso da rua do Grito, uma inversão política da liderança comunitária, o povo foi sempre oprimido, mas agora chegava  a hora da “nossa” independência, do “nosso” grito: do “grito do povo”

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Avenida Florentino Avidos (ex-rua do comércio)

A primitiva rua do Comércio, que data do século XVII, tinha começo na General Osório e ia até o cais Schmidt

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo