Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Últimos Acontecimentos – Por Norbertino Bahiense

Tela de Benedito Calixto representando o Milagre da Seca.

Os programas em organização para os festejos comemorativos do IV Centenário da Cidade de Vitória deram motivo às seguintes publicações feitas na "A GAZETA":

"PELA PRIMEIRA VEZ, NA HISTÓRIA, A VIRGEM DA PENHA VISITARÁ VITÓRIA" (A Gazeta de 15-6-51).

Noticiando o programa dos grandes festejos comemorativos do IV Centenário de Vitória, "A Gazeta" de 6 de junho corrente afirma: “Pela primeira vez na história a imagem da virgem da Penha estará na Ilha de Vitória". A 10, este mesmo matutino publica a oração oficial aprovada pelas autoridades eclesiásticas e a epígrafe da notícia é: "Pela primeira vez, na história, a virgem da Penha visitará Vitória". Os grifos são meus. Houve engano do articulista. O grande acontecimento que se projeta para setembro não se registrará pela primeira vez. A história capixaba, a nossa tão mutilada história, já o assinala em 1769, em conseqüência de trágicos e dolorosos acontecimentos. Não são comuns as grandes secas no Espírito Santo como, infelizmente, acontece nos Estados nordestinos. Em 1769, entretanto, sofreu a nossa terra as tristes conseqüências de uma das mais dolorosas secas. Os campos se incendiavam, as fontes secavam, o solo se torrificava, os gêneros alimentícios desapareciam, os preços se elevavam vertiginosamente. Havia fome. Recorriam-se às preces, mas a calamidade continuava. Observou-se, então, que os efeitos da terrível seca, poupavam o monte da Penha, surgindo daí a lembrança de uma procissão da Santa, de Vila Velha até Vitória. Preparou-se uma embarcação à altura para ir buscar Nossa Senhora, com docel de damasco, flores, fitas e cortinas bordadas a ouro. Organizou-se grande comitiva de crentes e fiéis. Diversas embarcações são aprestadas. Enfeitam lanchas, escaleres e canoas que, abarrotadas descem até Vila Velha, tendo à frente o guardião do Convento de São Francisco. Sobem ao Convento e voltam em procissão, trazendo o citado guardião a Santa nos braços. Mas, ao chegarem no cais, lá estavam os oficiais da Câmara e as pessoas mais importantes de Vila Velha a lhes embargarem o ato, alegando que não consentiam no "rapto" da padroeira. Esclarecido, porém, que ela retornaria a Vila Velha com a mesma pompa, sob a responsabilidade do referido guardião do Convento de São Francisco, permitiu-se o seu embarque. O trajeto até Vitória e a chegada na Ilha, constituiu um inenarrável espetáculo de fé, revestindo-se de solenidade impressionante, desde o espocar de fogos, girândolas e salvas, até a presença total da população e forasteiros, tendo à frente as autoridades civis, militares e religiosas, confrarias e irmandades. Após o desembarque fez-se a procissão até o convento de São Francisco, sob o pálio e em luxuoso e bem ornamentado andor. Vem, então o acontecimento máximo — mais um grande milagre se verifica. Mal entrava a Santa no Convento de São Francisco e a chuva caía em catadupas. A multidão que se comprimia e estendia-se por toda a ladeira do velho Convento, caiu em êxtase ante a sublimidade do que acontecia. Isto é o que afirma a história e dessa afirmativa retirou Benedito Calixto a inspiração de belo quadro existente no Convento da Penha. Assim, em setembro próximo, não será a primeira vez que a Santa virá à Ilha de Vitória. O menino Jesus que traz nos braços, já foi mais longe. Mãos sacrílegas holandesas levaram-no até Recife, após o saque que, em tempos idos, fizeram ao Convento da Penha. Mas, algo de Superior o fez retornar ao histórico templo, mirante Supremo do Espírito Santo. Que venha a Santa até a nossa Capital, do mesmo modo como veio em 1769, em festiva e grandiosa procissão marítima, tendo à frente todas as guarnições dos nossos Clubes náuticos, todas as canoas, todos os botes e escaleres, todas as lanchas e navios que estiverem no porto, retornando por terra, em outra grande procissão de carros, já pela nova rodovia que, naquela data, estará inaugurada até o alto do Convento.”

"PELA PRIMEIRA VEZ, NA HISTÓRIA, A VIRGEM DA PENHA VISITARÁ VITÓRIA" (A Gazeta de 24-6-51)

"Em minha crônica lançada neste jornal a 15 do corrente, esclareci que em setembro, vindo a Virgem da Penha a Vitória para enriquecer os festejos comemorativos do 4º Centenário de nossa cidade, não o virá pela primeira vez, como fora anunciado. Mantenho a afirmativa. Não será a primeira vez. Também não disse que seria a segunda. E isto porque previa aparecessem credenciados historiadores para apontar outras vezes além daquela que indiquei, isto é em 1769 quando da ocasião da grande seca que nos atingiu. Muito antes do que esperava, surgiu alguém na arena histórica, não para combater, mas para esclarecer. Esse alguém, felizmente, é a consagrada historiadora espírito-santense D. Maria Stela de Novais. Não só a historiadora, mas a cientista, a pedagoga, a folclorista, a naturalista e a escritora a quem sinceramente e sem nenhum favor, admiramos e respeitamos. Trouxe-nos a festejada capixaba a preciosa contribuição de assinalar mais uma vinda da Virgem da Penha até a nossa Capital e isto em 1699, segundo Serafim Leite e cujo texto apontado, confesso, ignorava. Assim sendo, estão indicadas, com segurança, duas datas e portanto, duas vezes registrando o grande acontecimento. Diante da extensão do tempo em que a Santa está em Vila Velha, não será impossível surja mais alguma vez além da que se projeta para setembro próximo. Maria Stela de Novais aponta a fonte da sua afirmativa da vinda da Santa a Vitória em 1699, levando-nos a Serafim Leite. Diz, que, sobre a segunda viagem, por mim respigada "enquadra-se entre os milagres envoltos na lenda, que inspiraram os artistas e literatos. Benedito Calixto firmou-a, na tela, e Caldas Barbosa decantou-a, no Poema Mariano sobre a Penha". Peço vênia para apontar mais uma fonte histórica, na qual, também me estribei, quanto à viagem de 1769: Gomes Neto, em "AS MARAVILHAS DA PENHA". Sobre a opinião contrária da distinta conterrânea de vir aqui Nossa Senhora da Penha, ainda uma vez mais, faço-lhe um apelo para que reconsidere essa opinião e concorde seja feita a procissão até Vitória e de Vitória até Vila Velha. Uma grandiosa procissão marítima e rodoviária. A geração atual não terá de se queixar de não lhe ser dada a oportunidade do registro de tão grandioso acontecimento presenciado, pelo menos, por duas outras gerações anteriores — uma no século XVII e outra no século XVIII. Que a obtenha também a do século XX, da qual somos integrantes e apenas com uma feliz diferença: as anteriores conhecidas, se originaram na dor — a de 1951 será matizada pelas cores de uma gloriosa e consagradora festa."

"PELA PRIMEIRA VEZ, NA HISTÓRIA, A VIRGEM DA PENHA VISITARÁ VITÓRIA

(A Gazeta de 10-6-51)

Oração oficial pelo feliz êxito das comemorações do IV Centenário. Com a aprovação da Autoridade Eclesiástica já foi adotada em todas as igrejas e irmandades religiosas a oração oficial pelo feliz êxito das comemorações do IV Centenário de Vitória, cuja divulgação fazemos, a fim de que seja ela proferida em todos os lares, invocando as bênçãos divinas para as nossas grandes festividades de setembro próximo. É o seguinte o texto da oração oficial: "Ó Virgem Imaculada, Mãe de Deus, e Mãe nossa, que do alto do vosso Santuário da Penha, há quase quatro séculos abençoais estas terras batizadas com o nome do Divino Espírito Santo, derramai sobre vosso povo copiosas graças, a fim de que as celebrações do quarto centenário de Vitória sejam um hino de amor que vos dedicamos pelas vitórias até hoje alcançadas por vossa intercessão. Concorram elas para restaurar no povo espírito-santense a verdadeira fé e a prática da vida cristã. Obtende de Vosso Divino Filho bênçãos especiais para o nosso Bispo e para o Seminário Diocesano. Despertai numerosas vocações sacerdotais, esclarecei os governantes e guiai a todos na prática da caridade cristã e da verdadeira justiça social. Consolai os doentes, amparai os pobres, convertei os pecadores. Vós que sempre fostes a poderosa Auxiliadora do povo cristão, conduzi esta porção do rebanho de Cristo à vitória final contra todos os inimigos, para que ó "Rainha elevada aos Céus" estejamos todos, um dia, junto ao vosso trono celestial de glória. Assim seja". Como parte excepcional dos grandes festejos religiosos a serem realizados ter-se-á a visita da Virgem da Penha à nossa Capital. Fato inédito na nossa história religiosa. Do tradicional Convento construído por Pedro Palácios descerá a imagem milagrosa da Virgem da Penha, abençoando os habitantes da Ilha de Vitória, onde receberá a mais expressiva e elevada manifestação de seus devotos. A visita da Virgem da Penha marcará o ponto alto dos grandes festejos religiosos do IV Centenário de Vitória".

 

Fonte: O Convento da Penha, um templo histórico, tradicional e famoso 1534 a 1951
Autor: Norbertino Bahiense
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018



GALERIA:

📷
📷


Convento da Penha

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 16)

A História do Convento da Penha com Imagens (Parte 16)

Uma grande seca assolava toda a Capitania do Espírito Santo, no ano de 1769, de efeitos calamitosos, secando até as águas dos rios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedro Palácios – Por Solimar de Oliveira

Ave, condor da fé, que aos píncaros supremos elevastes, a arder na religiosa unção

Ver Artigo
O Roubo de 1925 ao Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

O Convento foi assaltado e roubado por mãos criminosas que levaram o manto, a coroa e as jóias da imagem de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora

Ver Artigo
Últimos Acontecimentos – Por Norbertino Bahiense

Isto é o que afirma a história e dessa afirmativa retirou Benedito Calixto a inspiração de belo quadro existente no Convento da Penha 

Ver Artigo
O Tombo do Convento da Penha – Por Norbertino Bahiense

Muito se comenta sobre o primitivo Tombo do Convento da Penha, onde muita coisa interessante deve figurar

Ver Artigo