Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mais uma de Catraieiro

Edson Quintaes aos 22 anos

Autor: Edson Quintaes

Li matéria dos catraeiros que fazem até hoje a travessia entre Vitória e Vila Velha. Gostei muito, e novamente fui ao passado ! ! !

Na década de 50 e 60 (até 1967...) eu tocava acordeom nas noites de várias cidades de nosso estado. E lembro-me muito bem quando tocava nos bailes do Clube Álvares Cabral, que ficava na Praça Costa Pereira, no centro de Vitória, após os bailes neste clube, eu pegava o meu acordeom (que pesava exatamente 13 kilos e meio...) e para sair o som, tinha que usar o fole do mesmo apertanto e voltando para o ar passar nas paletas e produzir a música...

No final do baile eu andava com o mesmo até o Cais das lanchas e como não tinha lancha naquele horário...(por volta das 4 horas da madrugada), eu chamava um catraeiro para me levar para o outro lado da baía...em Paul.

Para ficar mais barato, pois de madrugada o preço era bem mais caro...eu combinava com o catraeiro e REMAVA, (pagava metade por isso, e sobraria mais $...do meu cachê artístico)...e algumas vezes para complicar, a correnteza do mar era muito forte e eu tinha que forçar no remo para chegar do outro lado...o que sempre conseguia.

Aí vem o mais interessante:

Ao chegar em Paul eu pegava o meu acordeom (que eu levada dentro do estojo, uma espécie de mala) colocava nos ombros, ia caminhando até a Ilha das Flores (uns 3 km mais ou menos), com o CACHET DE MÚSICO no bolso, o acordeom nas costas e EM COMPLETA SEGURANÇA... nenhum assaltante... paz... tranquilidade...e chegava em casa por volta das 5 horas da madrugada...no escuro...com o dinheiro da noite.. e meu acordeom... tudo em perfeita ordem ! ! !

Que saudade da segurança... que saudade ! ! !...fiz esta caminhada por muitas vezes (e de terno, o paletó o meu pai tinha me dado (rs...), bem vestido como um músico profissional...) nunca fui assaltado e nem soube de ninguém que tivesse sido assaltado naquele trajeto...Cais das Lanchas de Paul até a Ilha das Flores.

Eu ia sempre caminhando por cima dos trilhos do bonde (que ia de Paul a Vila Velha)... suado...cansado após ter tocado em pé por 5 horas, um acordeom com aquele peso...remado na travessia do mar e andando até ao local de minha residência sem nenhum problema na segurança pública, parece hoje até um sonho ! ! !.

Alguém perguntaria: "... e hoje, você faria a mesma coisa.... ? " Eu responderia: "...fui..."

Na foto ao lado eu tinha aproximadamente 22 anos, hoje tenho 66.8...graças a Deus.

Veja mais artigos de Edson Quintaes:

 Curiosidades
 Vôo Livre no Moreno
 Fotos

Bonde

O Condutor

O Condutor

Para falar dos bondes temos que falar também de sua tripulação, que era composta de motorneiro, condutor, fiscal e fiscal geral. Essas categorias distinguiam-se umas das outras pelas indumentárias

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Bonde

O bonde proveniente de Paul fazia a sua última parada para apanhar ou deixar passageiros no ponto que antecedia Piratininga, nas proximidades do bar Ponto Chic, seguindo daí, sem mais parar, até Piratininga

Ver Artigo
Bonde em Vila Velha e Vitória

Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri

Ver Artigo
Mais uma de Catraieiro

Li matéria dos catraeiros que fazem até hoje a travessia entre Vitória e Vila Velha. Gostei muito, e novamente fui ao passado ! ! !Na década de 50 e 60 (até 1967...) eu tocava acordeom nas noites de várias cidades de nosso estado. 

Ver Artigo
Bonde

Os primeiros bondes a circular em Vitória eram do tipo locomotiva movido a carvão. Os veículos pertenciam à Companhia Ferro Carril e faziam a linha Vitória/ Praia do Suá

Ver Artigo
A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Ver Artigo