Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Manifestações típicas do ES

Conchas

Artesanato de conchas: As conchas e os búzios são belos e acessíveis materiais para a criação do artesanato marinho. Com conchas são feitos colares, pulseiras, utilidades domésticas (potes, jarras) e objetos de adorno, como espelhos e quadros. Piúma detém a primazia do artesanato de conchas no Estado, nacionalmente conhecido, mas é possível encontrar a arte das conchas em locais como Iriri, Barra do Jucu, Guriri, dentre outras cidades.

Panela de Barro: é a produção mais típica de cerâmica do Estado, feita pelas paneleiras de Goiabeiras. A produção é utilitária. O barro vem de Barreiros, Maruípe, amassado em bolos de cerca de 50 quilos, misturado com areia para dar liga.

As panelas grandes são chamadas mães e as pequenas, filhas. Na venda, as filhas são acomodadas no interior das mães, formando uma casada.

A tinta utilizada é tirada da casca de mangue socada, aguada, que dá a todas as panelas originárias de Goiabeiras, uma coloração negra.

Moqueca Capixaba: ao lado da torta capixaba, a moqueca domina a culinária litorânea do Estado. Feita de siris, lagosta ou caranguejo e postas de peixe.

Difere da moqueca baiana principalmente, por não levar azeite de dendê. É um prato saboroso e belo, preparado e servido ainda fervendo, na panela de barro, acompanhado de arroz branco, pirão de farinha de mandioca e pirão de banana da terra.

Fonte: A Tribuna (21/05/2000) 

LINKS RELACIONADOS:

>> Receita da Moqueca Capixaba
>> Panela de Barro
>> A diferença entre Siri e Caranguejo 
>>
 
Piúma

História do ES

Nazi-Fascismo no ES

Nazi-Fascismo no ES

A radicalização política e ideológica marcou os anos 30 do século XX. Na Europa, o nazi-facismo de Hitler e Mussolini lutava contra o comunismo de Stalin. No Brasil, representando esses dois campos doutrinários, digladiavam-se a Ação Integralista Brasileira – AIB – de Plínio Salgado e a Aliança Nacional Libertadora – ANL – de Luís Carlos Prestes...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo