Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mapa da Capitania do Espírito Santo – Atlas Manuscrito de 1631 - Parte I

Mapa de 1631 o Morro de João Moreno, Pão de Açúcar e o Forte de São Miguel

Este foi o mais antigo documento que compulsamos, mas na verdade, é uma cópia do original que se encontra em poder da mapoteca do Ministério das Relações Exteriores (Biblioteca do Itamarati). Como Ra comum, a escala está consignada em léguas portuguesas; a légua atualmente equivale no Brasil a 6.600 metros e em Portugal a 6.200 metros. Como o mapa é muito antigo existe a possibilidade de que a correspondência em metros não confira com a atual medida.

O autor deste atlas manuscrito é o cartógrafo português João Teixeira Albernás, o velho, pois que o seu filho, também cartógrafo, tinha o mesmo nome, daí porque usa-se pospor ao nome do pai o algarismo romano I e ao filho, II.

Estão gravadas no mapa nomes de vários locais que hoje ainda permanecem inalterados, como a ilha dos Franceses, na altura do município de Anchieta; ponta de Tubarão; rio Reis Magos; rio Cricaré; rio Mucuripe. O rio Itapemirim aparece sem a letra “m” no final. Aparece a representação da Serra das Esmeraldas a oeste, mais distante do litoral.

Continuando, neste mapa, há o desenho da ilha de Vitória, bem assim como parte do continente em seu entorno.

Como Vitória era tão pequena naquela época, o Pão da Sucar (o nosso Penedo), encontra-se assinalado fora do sítio citadino, pois Vitória não atingia nem as proximidades do nosso Pão de Açúcar. Separando a ilha de Vitória do continente está gravado o rio de Maroype.

Está assinalado no canal de acesso a Vitória o forte de São Miguel, na ilha de Vitória.

Não há coordenadas geográficas nos três mapas aqui descritos, apenas a indicação do Norte geográfico.

 

Um dos documentos tem por título original, no português antigo, o seguinte: Topografia da Barra e do Espírito Santo o qual dá nome a toda capitania para se verem como (...) todas as vilas fortalezas. Referido documento é de autoria do engenheiro José Antônio Caldas, tendo sido elaborado quando da visita feita à nossa terra, por ordem do governador geral da Bahia.

Esse documento, ao que tudo indica, deve ser um dos primeiros trabalhos cartográficos do nosso território, mostrando, inclusive, a baía do Espírito Santo.

O original encontra-se na Biblioteca da Ajuda (Portugal). Encontra-se a reprodução no livro de José Teixeira de Oliveira, História do Estado do Espírito Santo, 2ª edição, 1975.

 

Outro documento de valor histórico é o mapa intitulado “Costa do Espírito Santo ao Cabo de São Tomé” (no original, Costa do Sprito Santo ao Cabo D: S: Thomé). Trabalho de João Teixeira Albernás, datado de 1666. O autor era cartógrafo e filho de João Teixeira, e neto de Luís Teixeira, estes também cartógrafos. Todos os três realizaram trabalhos cartográficos sobre o Brasil.

Segundo nos informa José Teixeira de Oliveira, o mapa original é uma carta manuscrita, aquarelada, com toques de ouro. Predominava os tons de amarelo, azul alaranjado e roxo, com traços a ouro.

Devido ao idioma português antigo os nomes atuais de alguns lugares do nosso território têm grafias diferentes como Goropari (Guarapari).

Cópia em preto e branco, modesta se comparada ao original, conforme já nos referimos. A escala gráfica, conforme o costume da época, é consignada em léguas portuguesas.

 

Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, nº 61 - 2007
Autor: Ricardo Brunow Costa
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2011

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Mapa da Capitania do Espírito Santo – Parte II





GALERIA:

📷
📷


História do ES

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Azambuja Suzano – Por Levy Rocha

Teve no Espírito Santo, atividade destacada, não só no ministério, como na advocacia e na política, tendo sido, também, deputado da 1ª Assembléia Provincial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discórdias na Capitania - Início Século XVIII – Ainda o caminho das minas

À Bahia chegaram delações contra o capitão-mor Francisco de Albuquerque Teles, obrigando o governador geral a dirigir-se ao provedor da Fazenda Manuel Correia de Lemos

Ver Artigo
Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro

Ver Artigo
O Construtor do Relógio da Praça Oito

Quem passa pela Praça Oito, em Vitória, vê, ali, um relógio de grande porte, mas lhe não sabe a história nem, sequer, o nome daquele que o construiu

Ver Artigo
Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Ver Artigo
Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Ver Artigo