Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maraçapeba ou Maria Sapeba – Por Maria Stella Novaes

Fonte: http://evoluahomosapiens.blogspot.com.br/

É um peixe muito conhecido, em Vitória. Chama-se, igualmente, linguado. Parece uma grande fina e tem a boca torta

Segundo a sabedoria popular, o "defeito" resultou de um castigo à insolência do peixe, porque "arremedou" Nossa Senhora, quando estava no mundo e precisava atravessar um canal pedregoso, durante a maré baixa.

O peixe estava apanhando Sol, reclinado numa pedra, à flor-d'água. A Virgem perguntou-lhe:

— Maraçapeba, a maré sobe, ou desce?

O linguado, assim chamado pela forma apresentada, respondeu-lhe, desdenhoso, repetindo a pergunta, como se criticasse da Virgem.

Desde então, ficou de boca torta.

Há variantes dessa lenda.

O Des. Afonso Cláudio diz que "quando Jesus Cristo andou pelo mundo, certa vez, no mar, em companhia de São Pedro, desejou saber que horas seriam, porque a maré parecia não encher nem vazar.

São Pedro, vendo-o assim, tão preocupado, lhe disse:

— Senhor, qualquer peixe dirá que horas serão, porque todos eles têm as horas de suas refeições marcadas.

Jesus, ouvindo-o, passou os olhos pelo mar e, vendo um linguado ou maraçapeba à superfície, indagou:

- Maraçapeba, a maré enche ou vaza?

O peixe por inqualificável desdém, procurou imitar a voz do Salvador e fazendo um trejeito, como quem torce o queixo para um lado, reproduziu a pergunta, sem lhe dar resposta. Então, Jesus, assim falou:

- De hoje em diante, como pena à zombaria e afronta que fizeste ao teu Criador, te arrastarás, na lama, como uma folha que o vento arrasta ao lado, para granjear o teu sustento, e a tua boca será torta, a fim de que todos os teus irmãos te evitem e contigo jamais se confundam.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Agroturismo Capixaba - Por Érika Almenara

Agroturismo Capixaba - Por Érika Almenara

Várias são as alternativas de hospedagem para aqueles que querem conhecer o agroturismo no Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo