Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maria da Glória de Freitas Duarte

Professora Maria da Glória de Freitas Duarte

Nasceu em Vila Velha no dia 29 de maio de 1915, onde fez os seus primeiros estudos. Na sua infância e juventude participou intensamente dos famosos teatrinhos de Vila Velha, dirigidos por seu tio Clementino Barcellos, bem como de outras manifestações culturais e folclóricas da sua terra natal.

Professora formada pela Escola Normal D. Pedro II em 05 de dezembro de 1933, foi nomeada em 13 de maio de 1936, por decreto do então Prefeito Dr. Francisco Freitas Lima, para o cargo de professora pública municipal, iniciando a sua carreira na Escola Municipal de Jaburuna, em Vila Velha.Ao se casar mudou-se para o Rio de Janeiro, o que a afastou do ensino público municipal. Ao regressar, retornou ao magistério como professora do estado. Foi, além de professora primária, diretora de vários Grupos Escolares em Vila Velha e Vitória, e também professora no Ginásio Maria Ortiz, a antiga Escola Normal onde estudara. Após 33 anos dedicados ao magistério, se aposentou em 10 de novembro de 1966 como Diretora do Grupo Escolar Sílvio Rocio, em São Torquato.

Paralelamente às suas atividades na área educacional, se dedicou à pintura, bem como às letras, publicando crônicas em jornais e escrevendo poesias. Em 1970 escreveu o livro "Vila Velha de Outrora", sobre as tradições culturais e folclóricas da sua terra natal, fruto tanto de conhecimento próprio e de tradições transmitidas por seus ancestrais radicados naquela cidade desde tempos imemoráveis, como também de laboriosas pesquisas, inclusive em campo. Com este trabalho participou do Concurso "Jaime Duarte do Nascimento" da Academia de Letras Humberto de Campos de Vila Velha, obtendo o prêmio maior. Em 1990, em uma promoção da Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Espírito Santo, foi esse trabalho editado, vindo a constituir o Volume 3 da "Coleção Prata da Casa" da Divisão de Literatura do DEC.

Proferiu palestras sobre o folclore vilavelhense, inclusive para as diretoras das escolas municipais de Vila Velha, sendo também convidada a integrar a Academia de Letras Humberto de Campos de Vila Velha bem como a Academia Feminina de Letras do Espírito Santo.

Foi sócia do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, e faz parte da “Antologia de Escritoras Capixabas”, do Prof. Francisco Aurélio Ribeiro (1998).

Faleceu aos 91 anos, no dia 23 de setembro de 2006.

Em 2008 foi homenageada pelo município de Vila Velha, que deu o seu nome à escola UMEF Professora Maria da Glória de Freitas Duarte.

 

Contribuição: Francisco Mascarenhas de Barcellos, jan/2011

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Peixe na telha - Por Walter de Aguiar Filho

Só pela sua simpatia, o peixeiro da banca da esquina já me dá a sensação de que realmente seu produto é de primeira. E é. Faço uma festa comprando um quilo e meio de camarão e um bitelo de um dentão de três quilos

Ver Artigo
Identidade(s) capixaba(s) – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O conceito de "Identidade" é complexo, pouco desenvolvido e pouco compreendido, na contemporaneidade

Ver Artigo
Tímidos Ensaios – Por Monsenhor Eurípedes Pedrinha (1891)

Cuidou para logo Coutinho assentar habitações na margem direita dessa mimosa baía, e trocar-lhe o nome de Mboab

Ver Artigo
Ouro Negro

No começo de 1960, o Espírito Santo vivia o pior momento da sua história. A cafeicultura, que sustentava a economia desde a segunda década do séc. XIX

Ver Artigo
Hermogem

Eu, Tertolino Balbino, desde os meus 25 anos que eu cunhecí o senhor Hermogem Fonseca.

Ver Artigo