Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Máximas e histórias capixabas - Sérgio Figueira Sarkis

Sede do Clube Saldanha da Gama, No Forte São João - Foto de Antônio Carlos, 1950

Tradicionalmente, somos conhecidos em todo o Brasil como gozadores e críticos de nós mesmos. Para exemplificar, cito uma máxima que, à época, causava espanto aos de fora: "Pior que Vitória, é Vitória com chuva."

Este era — e continua sendo! — um direito só nosso: falar mal da cidade. Mas, coitado do estrangeiro que resolvesse esculhambar nossa querida Capital. Uma outra segue na mesma linha: "Vitória é uma ilha cercada de lama por todos os lados e, em virtude disto, seus habitantes são todos espírito de porco."

• • •

Título de um livro escrito por um patrício, muito conhecido naqueles anos, tendo quebrado comercialmente diversas vezes: "Falências e concordatas e suas consequências benéficas".

• • •

Joubert Furtado era um gozador de primeira categoria. Inteligente, espirituoso, em qualquer reunião, liderava o grupo com suas piadas irreverentes e contagiantes. Um dia, indo para o trabalho, encontrou-se com um xará, alto dirigente de um órgão do Estado, com a maledicência local apontando-o como autor de irregularidades administrativas e financeiras.

— Oi, xará! Tudo bem?

— Tudo bem!

— Foi bom te encontrar. Estou precisando de um avalista para um título no banco e gostaria de solicitar seus préstimos para tal.

— Impossível.

— Poxa xará! Temos tanta coisa em comum. Meu nome é Joubert. O seu também. Tenho Furtado. Você também...

• • •

Neném Grijó, em viagem ao Rio de Janeiro, andando distraidamente numa rua do Centro daquela cidade, esbarra num senhor e o faz cair ao chão. Mais que depressa, além de procurar ajudá-lo a se levantar, pede desculpas. Enfurecido, o senhor não aceita as mesmas, vira-se para Neném, e diz:

— Sabe com quem está falando? Eu sou contra-almirante!

E o Neném, prontamente:

— Grandes merdas. Eu sou contra Getúlio!

• • •

Alice era uma solteirona não muito chegada a beleza. Inteligente e espirituosa, preparou-se toda para uma festa no Clube Saldanha da Gama. Comprou uma mesa e convidou umas amigas para acompanhá-la. Foi das primeiras a chegar. Baile começado, salão aberto, suas amigas começaram a ser convidadas as dançar. E ela, nada. Quatro horas da manhã, a orquestra tocando seus últimos acordes, Alice levanta-se e diz, batendo com a mão na barriga:

— Já que ninguém veio me tirar para dançar, vou embora para casa dar minha cagadinha e dormir.

 

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Hoje em dia - Por Carlos Tourinho

Assim como poderíamos imaginar que o Centro da cidade, hoje em processo de esvaziamento e em campanha de revitalização, poderá voltar a ser um lugar bom de se morar

Ver Artigo
Os Acqua Loucos e a inauguração do Clube Cauê

Na Praia de Santa Helena, ao lado da atual Praça Cristóvão Jacques, que tanta controvérsia vem causando, sobre o Morro Itapebuçu, localizavam-se as instalações da Western Telegraph Company

Ver Artigo
Encerramento do livro: No tempo do Hidrolitrol

Trata-se do texto cujo título é "Encontro Desastroso", do livro "Coquetel de Saudades", de Dario Derenzi

Ver Artigo
Praia Tênis Clube - Por Sérgio Figueira Sarkis

Lembro de alguns com a presença de Affonso Queiroz do Valle, Evanildo Silva, Luiz Paulo Dessaune, Reynaldo Broto e Vânia Sarlo

Ver Artigo
As cinzas de Luiz Flores Alves - Por Sérgio Figueira Sarkis

Filósofo, professor, escritor, economista, inventor e caçador. Dentre todas estas indicações, era, antes de tudo, excelente proseador

Ver Artigo