Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mercado Municipal de Vila Velha

Mercado Municipal da Prainha

Quem passa na Prainha, à rua Antônio Ataíde verá entre o cruzamento das ruas Jorge de Menezes e Vinte e Três de Maio, à esquerda, um imóvel surrado, que tem em seu frontispício o dístico “Mercado S. Valadares”.

Garanto que muitos acharão que trata-se do Mercado Municipal São Valadares! Mas não, é o Mercado Municipal Silvino Valadares. O homenageado era casado com Maria Valadares, baluarte das tradições da Prainha e em especial da Igreja do Rosário e do Dispensário São Judas Tadeu. A liderança de Silvino era tal que chegou a ser vereador. Era pai de Soemir, Silma, Simaura, Soly e Alberto. Tinha a famosa padaria “Central” na Prainha, para a qual Augusto “Italiano” era um fornecedor de lenha.

Pois bem, por Lei Municipal o Mercado da Prainha procura homenagear muito bem uma liderança local que cheguei a conhecer no final de sua vida.

Esse mercado fora inaugurado na gestão do Interventor Municipal, Macieira, quando entre 1947 e 1948 restabelecia-se a autonomia de Vila Velha pela 2ª vez, no século vinte, deixando de ser distrito de Vitória.

Nesta época, com uma planta padrão, a Prefeitura da capital construiu o Mercado São Sebastião, ainda existente em Jucutuquara, e o de Vila Velha, ambos iguaizinhos praticamente em tudo.

O imóvel tinha um belíssimo estilo mourisco e fachada muito bem adornada com resistente portão de ferro batido.

Lá dentro conheci a partir de 25 de maio de 1960, quando para aqui mudei aos sete anos completos. À Direita, havia as bancas dos permissionários: Seu Arcanjo, Seu Getúlio, Seu João e outra da qual não me lembro o nome (uma senhora que parece aparentada da família Borges da Prainha). Ao meio vinha o famoso açougue de Santos com a bonita balança de dois pratos. Nos fundos, num beco, havia um quartinho unissex e um pequeno escritório do Seu José, o fiscal, muito respeitado.

O mercado era uma festa. Toda manhã bem cedinho, Arcanjo, Getúlio e João traziam em geral do mercado da Vila Rubim, verduras, legumes e frutas que ali revendiam. Todas as donas de casas da Prainha e arredores iam pela manhã se abastecer. Era um falatório animado. Na entrada, perto da banca de Seu Arcanjo, sempre encontrava por ali o famoso Pingüim, o Cachorro do Mato, Osmar Garoupa e seu irmão Osvaldo, ao que parece, em animado papo. Dona Augusta e outras senhoras sempre participavam de animadas discussões e apostas.

O piso do mercado era de ladrilho hidráulico e as paredes azulejadas de branco a meia altura. O pátio central descoberto era calçado de paralelepípedos. Só faltava o chafariz no centro para o mercado ficar mesmo mourisco. O mercado ficou mais ainda animado quando entrou a SAPS. Esse era o Serviço de Abastecimento da Previdência Social, que foi antecessor da COBAL. Pois bem, o governo vendia secos e molhados para o povo, a preços mais condizentes. O SAPS da Prainha saíra de um ponto alugado onde surgiu o Olímpico Esporte Clube, hoje a obra da Universidade Aberta. Havia um posto do SAPS no Centro, perto do Bardo Salvador e outro em Paul.

O SAPS da Prainha era gerenciado por Rochinha, recentemente falecido (curioso é que na Prainha havia o cariaciquense Seu Rochinha, ex-garçom do Cassino dos Oficiais do Batalhão). O caixa do SAPS era Dona Ondina, moradora da Toca e havia ainda os balconistas Seu Altair, Lourdes Caldeira e outros dois que não guardei o nome. Seu Domício, Gessé, Miguelzinho e Antero sempre estavam ali.

As filas no SAPS foram memoráveis. Chegaram a vender partidas de carne salgada de baleia vinda da Armação de Caravelas (Bahia). Nas crises de abastecimento de açúcar cristal, arroz e feijão dos anos 60, as filas eram enormes.

O Mercado era a alma da cidade, onde tudo se sabia, tratava-se e combinavam-se as coisas. Eu mesmo já maiorzinho, perguntava-me até quando aquilo ia continuar, pois passavam-se os anos e conhecia a maioria dos freqüentadores. Até o lendário Padre José de Lindwin conheci ali, já com batina surrada e faces encovadas, idoso, claro. Ele era um líder popular do pessoal do Mercado. Ademir Mal Criado era outro que ia muito ao mercado, assim como Átila, Gether, Augusto Italiano e outros.

Infelizmente, os quadros não se renovaram, o pequeno comércio foi ficando inviável, outros açougues foram abertos na cidade, assim como mercearias maiores. O SAPS saiu dali e virou COBAL lá na Glória. O primeiro supermercado foi o Suprebem, depois o Santa Martha em frente ao Banco do Brasil na Av. Jerônimo Monteiro, que no final dos anos 60 abalou o pequeno comércio.

Antes, na administração de Tuffy Nader, chegaram a a construir o Mercado da Glória, que depois virou o Colégio Ferreira Coelho. Em Paul, Américo no primeiro mandato, entre 1962 e 1966, construiu um mercadinho logo depois do viaduto.

No Mercado da Prainha só ficou praticamente Arcanjo, mesmo depois do fim do açougue do Santos. Não podemos esquecer do Seu China, o tintureiro Chi-Fooh e seu compadre, o famoso Seu Queiroz, o Comissário aposentado, que estavam sempre por lá, contando suas hilariantes histórias. Todo esse passado inesquecível, espero um dia voltar, e olha que eu era apenas um garoto que passava entre esse pessoal e observava como eram entrosados. Na fase final, minha mãe me mandava quase diariamente ao mercado para ver se Seu Arcanjo havia chegado, pois sua banca era a mais sortida e para agradar sempre comprava alguma coisa nas outras bancas. Depois, na velhice, ia sozinha, diariamente lá, fazer compras toda manhã e sempre ficava atualizada das novidades que alguma amiga lhe contava.

A política de transformar o mercado em imóvel destinado para a área de educação ali se repetiu. A PMVV desapropriou a casa da esquina para colocar o posto de saúde da Prainha, e no quintal fez um barracão para funcionar a banca de Seu Arcanjo. No resto do quintal, construiu o mercado que está lá até hoje, aproveitando apenas o portão de ferro e dois olhais de ventilação. Onde era o mercado original, bateram uma laje e embaixo passou a funcionar a FUNEVE, Fundação do Ensino Médio de Vila Velha. Por cima dessa parte ampliaram, estranhamente, o salão de festas do Clube Olímpico.

Arcanjo, voltando para o novo mercado, ali continuou até aposentar-se, tendo ao lado um açougue e de outro permissionário.

No segundo mandato de Américo, nos idos de 1977 em diante é que houve a fase do barracão acima citado, quando funcionou convênio com a CEASA e o sucesso foi enorme. Os supermercados ainda não comercializavam verduras.

Por todas essas histórias, o mercado da cidade merece revitalização para voltar aos bons tempos.

A Prefeitura de Vitória restaurou, mais uma vez, o Mercado São Sebastião e tem todas as plantas, ficando aí a sugestão, pois numa época que fala-se tanto de turismo, de empreendedorismo, por que não dar à Vila Velha uma sobrevida à sua alma?

 

Fonte: Roberto Brochado Abreu. Membro da Casa da Memória de Vila Velha.

 

LINKS RELACIONADOS:


>> Casa da Memória 
>> Rua do Sacramento 
>> Morro da Ucharia
>>  Mercado de Jucutuquara 
>> Mercados de Vitória
>>
 
Mercado da Vila Rubim 
>> O dispensário da Prainha 
>> 1º mandato de Américo Bernardes 
>> Américo Bernardes 
>> Tuffy Nader 
>> Emancipação de Vila Velha 



GALERIA:

📷
📷


Editor Roberto Abreu

Apelidos em Vila Velha

Apelidos em Vila Velha

Os canela verde não eram fáceis, impiedosos e colocavam facilmente apelidos. O rol foi elaborado por colaboradores da Casa da Memória de Vila Velha, em 1992 quando de sua inauguração, sendo que conheci alguns dos apelidados. Muitos já faleceram.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A origem do calendário da Festa da Penha - Por Roberto Abreu

Como o calendário da Igreja obedece o ciclo lunar, o calendário civil vinha dando uma discrepância na marcação das datas das festas de suma importância, como por exemplo:a Festa da Páscoa

Ver Artigo
Luiza Grinalda

Luiza Grinalda foi viúva de Vasco Fernandes Coutinho Filho, e por conta disso é homenageada com nome de rua que começa na Prainha de Vila Velha, ladeando o morro do Convento e vai até a atual Av. Champagnat

Ver Artigo
A Praça Duque de Caxias de Vila Velha

Pela planta cadastral de Vila Velha, feita pelo engenheiro Antonio Francisco de Athayde em 1894, vemos que ali era demarcada a praça Vasco Coutinho, cerca de 1/3 maior do que a atual

Ver Artigo
O carnavalesco Zezinho do Garrido

O carnavalesco Zezinho, humilde trabalhador braçal, já meio careca, calçou os “pé de anjo”, vestiu a calça branca de brim barato e a camisa de meia vermelha, saiu do barraco pobre, fechou a porta e foi pegar o bonde no ponto do Garrido

Ver Artigo
Lista de eleitores de Vila Velha

Lista de eleitores de Vila Velha 

Ver Artigo