Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Monumento ao Índio (Araribóia)

Foto: Walter de Aguiar Filho, agosto/2011

O Monumento: é constituído de uma estátua de bronze, com a figura de um índio guerreiro, em tamanho natural assentado sobre uma pedra, apontando seu arco e flecha para a Baía de Vitória.

 

Localização: Praça Américo Poli Monjardim – Centro

 

Concepção Artística: Carlo Crepaz

Obs.: após a transcrição da música, de 1963 – autor Júlio Alvarenga, há o cumpra-se em 15-05-1963 - Sólon Borges – Prefeito Municipal.

 

Inscrição: Marcha carnavalesca – “Bota o índio no lugar”

 

Histórico:

Ele veste apenas uma tanga. Agora está um pouco escurecido no rosto e nas pernas por ficar ao ar livre, ali na Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, mas ainda parece um homem forte com rosto nobre e autêntico guerreiro. A história deste monumento é bem folclórica. Inicialmente este índio apontava a flecha para a entrada da Baía de Vitória, entre o Morro do Penedo e o Morro do Forte de São João, com a inauguração da Avenida Beira Mar, no governo de Carlos Lindenberg, a estátua foi retirada e guardada no depósito da PMV. Nesta época simbolizava apenas o ÍNDIO, primeiro ocupante de nossas terras, mas depois o povo o batizou com o nome do guerreiro capixaba ARARIBÓIA.

No ano de 1963, uma letra de uma velha marchinha de carnaval, de autoria de Júlio Alvarenga (“Bota o índio no lugar”), premiada em um concurso carnavalesco na antiga TV Vitória, canal 4, nos tempos da Rede TUPI, foi cantada à exaustão pelos foliões nas ruas e nos clubes da capital, descontentes com a saída da estátua do índio da Beira Mar.

Assim era a marchinha: “ Bota o índio no lugar / ele quer tomar banho de mar / Bota o índio no lugar / ele é da avenida Beira-Mar / Era Araribóia / ele quer voltar pra lá / Doutor, por favor / Bota o índio no lugar”.

O índio retornou ao seu local original em 1963, através do processo nº 904/63. No final da década de 70, o índio foi retirado deste local durante a administração do Prefeito Chrisógono Teixeira da Cruz, e foi passar uma longa temporada no aterro da COMDUSA (Enseada do Suá) na Praia do Canto, mais especificamente no final da Av. Nossa Senhora dos Navegantes, na Praça da Finlândia, mas depois de novas pressões de populares e intelectuais voltou para a Av. Beira Mar.

 

Personalidade: ÍNDIO ARARIBÓIA (nova denominação)

Herói brasileiro (século XVI), era chefe dos índios Temiminós existentes no Espírito Santo. Em sua língua seu nome significa “Cobra Feroz”, homem arguto e de boa índole, fez-se logo, amigo dos colonizadores portugueses.

Quando Estácio de Sá, em 1567, pediu auxílio ao Espírito Santo para expulsar os franceses do Rio de Janeiro, Vasco Coutinho Filho, então Donatário da Capitania o procurou. O chefe índio pôs imediatamente à disposição do Donatário 200 companheiros, hábeis flecheiros, prontificando-se a partir, a frente deles “bravo como um leão”. Aliando-se a Mem de Sá, comandou seu heroísmo, o rei português, agraciou-o com título de Capitão-mor de sua aldeia (que se instalou em Niterói).

Convertido ao catolicismo, Cobra Feraz foi batixado e recebeu, segundo a moda do tempo o nome Martin Afonso Araribóia, homenagem ao velho Governador Geral, e recebeu o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo.

 

Fonte: Catálogo dos Monumentos Históricos e Cultural da Capital – Vitória – ES
Autor: Willis de Faria (o catálago foi por ele doado à Casa da Memória em 27-03-93)
Foto: Sérgio Lobos Martins e Flávio Lobos Martins Filho
Capa: Eugênio G. Herkenhoff
Compilação e foto atual: Walter de Aguiar Filho, agosto/2011



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Heranças dos índios aos capixabas

Em todo o Brasil, somos conhecidos por "capixabas". "Capixaba" significa, na língua tupi-guarani, "plantação", "roçado", "lavoura", "preparação da terra para plantar"

Ver Artigo
Índios selvagens e civilizados

No tempo da expulsão dos Jesuítas, não havia selvagens em todo este distrito (sul do Espírito Santo); somente seis ou oito anos depois dela, começaram eles a cometer estragos (escrito em 1818)

Ver Artigo
Heranças dos índios

Em algumas regiões do país, como o Norte e o Nordeste, a tradição indígena sobreviveu nos hábitos gerais: alimentação, instrumentos, transportes, habitação

Ver Artigo
Índios e jesuítas em Orobó

Há informações publicadas na Revista do Mepes de que cerca de 40 mil índios temiminós moravam entre o vale do Orobó, em Piúma, e as cabeceiras do rio Salinas 

Ver Artigo
Batalha contra os índios

Em São Mateus, em 1558, aconteceu o primeiro genocídio brasileiro, quando milhares de índios teriam sido mortos em represália ao assassinato de Fernão de Sá

Ver Artigo
Influência indígena no ES

Na Província do Espírito Santo as mulheres não se ocultam, como ocorre em Minas; recebem o estrangeiro, conversam com ele e auxiliam a fazer-lhe as honras da casa

Ver Artigo